CRÍTICA | Euphoria – S2E2 Out of Touch

    A segunda temporada de Euphoria é transmitida semanalmente na HBO e HBO Max. O segundo episódio, chamado de Out of Touch, é dirigido e escrito pelo criador da série Sam Levinson

    Confira nossa análise sobre o episódio!

    SINOPSE

    Quando o novo semestre começa, Jules (Hunter Schafer) questiona a nova amizade de Rue (Zendaya) e Elliot (Dominic Fike) enquanto Cal procura por respostas (Eric Dane).

    ANÁLISE

    O segundo episódio da nova temporada de Euphoria deixa evidente, de uma vez por todas, que a série deseja explorar novos núcleos de personagens. Não é como se estivéssemos fugindo da base da série, que seria o relacionamento de Jules e Rue, mas Sam Levinson mostra que existe muito mais em Euphoria.

    Por isso, Out of Touch é sobre o que esses personagens dizem que querem versus o que eles realmente querem. Logo, muitos desses desejos estão fora de alcance para alguns. É o caso de Nate (Jacob Elordi), após se recuperar da agressão de Fezco (Angus Cloud), ele imagina como seria sua relação com Cassie (Sydney Sweeney) e como poderia ser o relacionamento ideal. No entanto, o relacionamento conturbado com seu pai empurra Nate para um ciclo de micro agressões. 

    Ainda assim, o envolvimento de Nate e Cassie será algo importante nessa temporada. Cassie é uma personagem extremamente vulnerável que pode ser facilmente manipulada por Nate ou trazer uma certa redenção ao rapaz. 

    Outro personagem explorado no episódio foi Maddy (Alexa Demie), agora sem Nate, a personagem passa a ter novas percepções sobre sua própria vida. Com um  trabalho de babá, Maddy visualiza uma vida que ela sempre quis, mas sua carência emocional ainda é bastante forte para lhe aproximar de Nate. 

    Com uma imagética visual, Levinson traz cenas do que seria o relacionamento perfeito entre Nate e Cassie, ao mesmo tempo que aborda a personalidade de Maddy. Há um teor de fantasia em ambas as partes que, com a narração de Rue, torna tudo ainda mais intenso. 

    Já a relação entre Fezco e Lexi (Maude Apatow) é contida e caminha sem pressa. Na cena em que Cal, o pai de Nate, vai à mercearia de Fezco, a tensão é gigante com cores saturadas contrastando com uma iluminação forte. Novamente, o tema do episódio vem à tona, Lexi não consegue dizer o que deseja a Fezco. Certamente, alguns acontecimentos aproximaram ainda mais esse casal.  

    CRÍTICA | Euphoria – S2E2 Out of Touch

    Um dos melhores momentos do episódio fica por conta de Kat (Barbie Ferreira). Sem entender o porquê não consegue gostar de seu namorado, Kat volta ao seu mundo de fantasia. O interessante aqui é o quanto esse personagem é imagética e consegue trazer um sentimento de irreal a série, sendo também os momentos que mais temos referência a cultura pop (o guerreiro que entra em seu quarto lembra o Khal Drogo de Game of Thrones). 

    Para Kat é fácil fugir de sua realidade, mas também é extremamente dolorido. A cena com as blogueiras dizendo que ela precisa “amar a si própria” critica o discurso maçante de positividade das redes sociais. Ainda que Kat verbalize que odeia a si mesma, a pressão para que ela seja perfeita e não só de corpo, como mentalmente saudável, é gigante. É sem dúvida, a melhor cena do episódio, o diretor constrói um ambiente sufocante e aterrador. 

    Como dito no começo dessa análise, Jules e Rue pouco aparecem nesse episódio. Jules ainda não sabe que Rue voltou com as drogas, já Rue continua a frequentar as reuniões de reabilitação. No próximo episódio, provavelmente veremos mais de Elliot (Dominic Fike) e também como sua presença pode interferir na relação das protagonistas.

    Por último, a dinâmica entre Rue e Ali (Colman Domingo), introduzida no especial de Natal, é um dos momentos mais sinceros e fortes que existem na série. Por isso, é mais uma apelo que a série continue a trazer essa dupla, visto que Ali pode ser fundamental para reabilitação de Rue. 

    VEREDITO

    Out of Tough buscou firmar algumas relações da série e explorar o âmago de alguns personagens. Com uma  tema sobre realidade versus desejo de um boa dimensão do quanto a série pode ser além de suas protagonistas.

     A estética continua impecável, a série trabalha bastante com a teoria das cores, dando a cada personagem e cena uma cor ou luz que transmite o que aquele momento significa. 

    Nossa nota

    4,0 / 5,0

    Confira o trailer da segunda temporada

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Love, Death and Robots (3ª temporada, 2022, Netflix)

    Criaturas aterrorizantes, surpresas bizarras e humor ácido. Finalmente a terceira temporada de Love, Death and Robots está entre nós!

    CRÍTICA – Night Sky (1ª temporada, 2022, Prime Video)

    Night Sky é a nova série do Prime Video que traz em seu elenco principal os atores J.K. Simmons e Sissy Spacek. Confira nosso review!

    CRÍTICA – Vampiro no Jardim (1ª temporada, 2022, Netflix)

    A 1ª temporada de Vampiro no Jardim chegou ao catálogo da Neflix no dia 16 de maio. Veja o que achamos do anime!

    CRÍTICA – O Poder e a Lei (1ª temporada, 2022, Netflix)

    O Poder e a Lei é uma série baseada na saga literária de Michael Connelly sobre Michael "Mickey" Haller, um advogado de defesa. Uma...