Início SÉRIE Crítica CRÍTICA | Gavião Arqueiro S1: E5 e E6 – Análise

CRÍTICA | Gavião Arqueiro S1: E5 e E6 – Análise

ecos

Gavião Arqueiro é uma série original da Disney+ e está disponível de forma completa no catálogo. Ela é um produto Marvel em parceria com a empresa de Walt Disney e faz parte do Universo Cinematográfico da Marvel.

ANÁLISE

O quinto e sexto episódio de Gavião Arqueiro nos trouxeram um misto de emoções, uma vez que no penúltimo tivemos um enredo morno, que tinha como objetivo tentar explicar as diversas reviravoltas e manipulações envolvendo os personagens para chegarmos no ápice de uma season finale cheia de ação e pontas para novos rumos dentro da Casa das Ideias.

O episódio intitulado Ronin é bastante lento e apresenta Clint (Jeremy Renner) tentando mostrar para Eco (Alaqua Cox) que as coisas não são como ela imagina. De positivo, temos uma interação bastante interessante entre Yelena (Florence Pugh) e Kate (Hailee Steinfield) que pode render muitos frutos no futuro. A toada mais arrastada e um sentimento de que nada acontece torna Ronin um dos episódios mais entediantes da série, mesmo que desenvolva a trama.

Já a season finale intitulada Então Já É Natal? A série finalmente mostra todo o seu potencial, visto que agora as cenas de ação são infinitamente melhores do que foram apresentadas nos demais episódios, assim como os arcos que não funcionavam tão bem são desenvolvidos e o que vemos no fim é bem satisfatório.

De fato, a dinâmica Clint/Kate/Yelena é muito legal e com certeza vai ser uma boa ideia da Marvel se tivermos materiais que desenvolvam um time com eles juntos novamente. A química do elenco inteiro é invejável e a consolidação do universo urbano da Casa das Ideias empolga demais aos fãs. Gavião Arqueiro prova que podemos imaginar como Demolidor, Jessica Jones, Justiceiro e tantos outros podem encaixar como uma luva, ainda mais que agora temos o Rei do Crime (Vincent D’ONofrio) que une todas as tribos no melhor estilo Norvana.

Aliás, falando do grande vilão da temporada, ele é a pior coisa de Gavião Arqueiro.

Vincent DONofrio é caricato e seu antagonista é ridiculamente indestrutível. O Rei do crime não tem nenhum poder, tampouco suas habilidades além de uma força bruta absurda não dão nenhuma vantagem contra heróis tão poderosos. Sua aparição é mais para desenvolver uma união de multiversos Marvel e Netflix do que, de fato, trazer um vilão ameaçador para este universo. Por fim, gostei muito de Tony Dalton como Espadachim/Jack Duquesne, pois ele é divertido e carismático.

VEREDITO

Os dois últimos episódios de Gavião Arqueiro tentam equilibrar as coisas, uma vez que um desenvolve mais textualmente e o outro vai mais para a ação desenfreada que funciona. Existem problemas, mas a diversão é garantida sim!

Episódio 5 – Ronin

3,5/5,0

Episódio 6 – Então Já É Natal?

4,2/5,0

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorCRÍTICA | Animal Crossing – Happy Home Paradise (2021, Nintendo)
Próximo artigoCRÍTICA – Gavião Arqueiro (1ª temporada, 2021, Disney+)
Relações-públicas, gremista, nerd, escorpiano e palestrinha. Parece futebolista, pois só vive descendo a lenha. DC é melhor que Marvel, todavia, amamos as duas.