Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Insecure (1ª temporada, 2016, HBO Max)

CRÍTICA – Insecure (1ª temporada, 2016, HBO Max)

CRÍTICA - Insecure (1ª temporada, 2016, HBO Max)

Criada e estrelada por Issa Rae, a série de comédia Insecure estreou em 2016 na HBO e retrata a amizade de duas mulheres negras dos dias modernos, bem como todas as suas experiências desagradáveis ​​e atribulações estimulantes.

A primeira temporada de Insecure conta com 8 episódios, que tem média de 30 minutos cada, e nos deixam completamente envolvidos e hipnotizados com as atuações perfeitas do elenco, que usa o bom humor como base para uma jornada perspicaz, atrevida e hilariante pela vida de uma mulher negra de vinte e poucos anos que rompe estereótipos com sagacidade afiada e um espírito efusivo.

SINOPSE

Na 1ª temporada, as melhores amigas Issa (Issa Rae) e Molly (Yvonne Orji) navegam pelo complicado terreno profissional e pessoal de LA, enquanto reconsideram suas escolhas de vida.

Com 30 anos iminentes e seu relacionamento com o namorado Lawrence (Jay Ellis) estagnado, Issa decide abraçar um lado melhor e mais ousado. Lutando da mesma forma está Molly, cujo sucesso como advogada contrasta fortemente com sua triste vida amorosa.

ANÁLISE

A série chama a atenção por inúmeros motivos e o maior deles é o protagonismo feminino negro que faz a gente ignorar tudo ao nosso redor e focar nossos olhos apenas na TV.

A comédia dramática trabalha bem questões relacionadas à sexualidade, à solidão da mulher negra, aos relacionamentos, ao poliamor, ao racismo, às incertezas profissionais, ao sexismo, à violência e à desigualdade salarial. É bem difícil que pessoas negras não se identifiquem com as narrativas trazidas a cada momento, a cada dilema.

CRÍTICA - Insecure (1ª temporada, 2016, HBO Max)

Ao trazer mulheres negras para o centro da história e endereçar questões cotidianas, Insecure nos faz rir e chorar com cada uma delas, especialmente Issa e Molly. Enquanto Issa dá cabeçadas para se encontrar profissionalmente, Molly é a advogada brilhante do grupo, mas ressentida com muitas questões sociais. Ainda assim, é Molly quem fornece tanto o alívio cômico como o drama da série.

A dobradinha de Issa com Yvonne é o ponto alto dos episódios, distribuindo emoção e comoção ao longo da trama.

VEREDITO

Não podemos deixar de falar do talento de Issa Rae, que ficou conhecida pela sua série no Youtube, The Misadventures of Awkward Black Girl e conseguiu com Insecure mostrar o seu trabalho para o grande público em uma emissora importante, como é o caso da HBO.

Insecure é uma série importante para todos da nossa geração que cresceram sem ter protagonistas negras com quem pudéssemos nos relacionar e nos identificar na cultura pop.

Os personagens são agradáveis, e o equilíbrio entre comédia e drama é perfeitamente sintonizado porque rimos, mas também conhecemos o arco de cada uma dessas pessoas.

Entre as muitas qualidades da série, podemos destacar a trilha sonora maravilhosa, com consultoria da cantora Solange; os figurinos das personagens, que estão sempre no melhor estilo e claro, as participações especiais que contam com nomes como Sterling K. Brown e Regina Hall, que já deram as caras nos episódios.

Nossa nota

5,0 / 5,0

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Pokémon Unite (2021, Nintendo Switch)
Próximo artigoAlfred Hitchcock: Conheça o diretor e seus 10 melhores filmes
Carioca, estudante de Design de Interiores, fã de séries, filmes e principalmente de Como Treinar o Seu Dragão <3