Início SÉRIE Crítica CRÍTICA | Loki – S1E5: Jornada ao Mistério

CRÍTICA | Loki – S1E5: Jornada ao Mistério

Jornada ao Mistério foi o quinto e penúltimo episódio de Loki na Disney+ e trouxe o Deus da Trapaça com suas diversas cópias numa aventura alucinante.

SINOPSE

Loki (Tom Hiddleston) foi drenado e acabou indo para o vazio e lá conhece diversas variantes dele. Enquanto isso, Sylvie (Sophia Di Martino) confronta Ravonna (Gugu Mbatha-Raw), tentando acabar de uma vez por todas com a AVT.

ANÁLISE

O quinto episódio de Loki talvez tenha sido o mais divertido e energético até agora, pois trouxe um roteiro redondinho.

Ao apresentar de forma cômica, e até mesmo trágica o nosso protagonista, o episódio foi um excelente estudo de personagem, por exemplo.

As várias personalidades do Deus da Trapaça em Jornada ao Mistério são complementares, uma vez que trazem diversas facetas dele. De fato, por mais que cada um se vanglorie por seus atos, há aqui uma solidão profunda e um desejo de governar para impressionar a todos. Loki é e sempre será um deus fracassado, não importando sua origem e seu fim.

A cena do confronto foi extremamente divertida, com o jacaré Loki sendo um dos grandes destaques cômicos. Além disso, Richard E. Grant caiu como uma luva no papel do Ancião Loki.

VEREDITO

Loki

Com um episódio mais dinâmico e com um roteiro que trabalha muito bem seu personagem, Jornada ao Mistério foi até o momento o melhor episódio da série do Disney Plus, pois conseguiu trabalhar o carisma de seu elenco. Resta agora esperar o que teremos na season finale na próxima quarta-feira, uma vez que muitos mistérios continuam sem solução.

Nossa nota

5,0/5,0

Confira o trailer de Jornada ao Mistério:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Atypical (4ª temporada, 2021, Netflix)
Próximo artigoTBT #132 | O Nevoeiro (2007, Frank Darabont)
Relações-públicas, gremista, nerd, escorpiano e palestrinha. Parece futebolista, pois só vive descendo a lenha. DC é melhor que Marvel, todavia, amamos as duas.