CRÍTICA – O Preço da Perfeição (1ª temporada, 2020, Netflix)

    O Preço da Perfeição (Tiny Pretty Thing) acompanha os desafios enfrentados por dançarinos da Archer School of Ballet, a única academia de elite de Chicago. Os alunos têm uma variedade de perfis e origens, mas todos compartilham o mesmo talento e paixão pela dança.

    SINOPSE

    A nova série da Netflix é baseada no best-seller de Sona Charaipotra e Dhonielle Clayton que acompanha a vida de adolescentes em uma escola de balé na elite de Chicago.

    A trama começa quando a melhor bailarina da turma, a Cassie (Anna Maiche), cai da cobertura da escola, por pouco a mesma não morre e sim, entra em um coma.

    Logo, Neveah (Kylie Jefferson) é convidada a estudar na instituição com uma bolsa integral. Assim, ela se vê tendo que lidar com os desafios do balé, intrigas, traições e o principal mistério: Cassie caiu ou foi empurradạ̣?

    CRÍTICA

    O balé é uma dança clássica muito linda – e também bastante difícil – originada nas cortes italianas, exigindo dedicação total do bailarino; que tem que enfrentar empecilhos como lesões no corpo, pressão da família, dos professores e dos outros bailarinos e até dificuldades financeiras.

    Esse é um ponto que a série se preocupa em abordar, quando mostra que nenhum personagem é apenas bom ou ruim. Todos são totalmente cobertos de planos gananciosos, cheios de mentiras e tentativas de derrubar o outro.

    Da mesma maneira, houve uma preocupação em exibir boas cenas de dança, por isso, a maior parte dos atores são realmente bailarinos. Contudo, expor os desafios dos jovens dançarinos e também as complexidade das próprias cenas de balé não foram o suficiente para que O Preço da Perfeição recebesse meus aplausos de pé.

    Os problemas começam na edição, quando os acontecimentos mais importantes são corridos enquanto cenas que não se encaixam e poderiam facilmente serem cortadas na edição final são mostradas com ênfase.

    Um dos tipos de cenas que poderiam muito bem ter sido reduzidas, são as eróticas, que são muitas e na maior parte das vezes não têm contexto com a história, sendo inseridas apenas pelo apelo sexual.

    O exagero não ficou apenas no conteúdo das cenas sensuais, já que a série conta com diversas músicas pop – talvez como tentativa de cativar o público jovem -, porém, a trilha sonora não conversa com os acontecimentos e são na maioria mais alta que os diálogos.

    Aliás, muitos dos diálogos não fazem sentido, alguns se que possuem relevância e outros que deveriam ser mais complexos para sabermos mais sobre o personagem, porém, são sucintos e pouco trabalhados. Isso faz com que O Preço da Perfeição deixe um grande ponto de interrogação na cabeça do espectador; prejudicando a profundidade dos personagens e da trama da série.

    Da esquerda para a direita: Kylie Jefferson, Daniela Norman, Brennan Clost, Casimere Jollette e Lauren Holly.

    E vítimas dessas abordagem superficial temos temas importantes como pedofilia, abusos, estereótipos, preconceitos e distúrbios alimentares, por exemplo.

    Esses dramas são mostrados quase no final da primeira temporada e de uma forma muito breve e superficial.

    Infelizmente a atuação é também é falha e grande parte do elenco não entrega um trabalho convincente e impactante, principalmente nas cenas mais tensas e dramáticas.

    VEREDITO

    Nota-se que esta nova obra da Netflix se inspirou nas séries teens mais famosas como Gossip Girl e The Pretty Liars, utilizando das intrigas, mentiras e traições bem como assuntos mais sérios.

    Estas séries são sucessos até hoje mesmo após um fim, pois, souberam trabalhar com o equilíbrio timing, acertando no momento de criar suspense e quando nos fazer chorar. O que não acontece com O Preço da Perfeição, mesmo os episódios possuindo cerca de pouco mais de 50 minutos, tudo foi apresentado muito rápido e não me cativou.

    A série original da Netflix, acabou sendo algo cansativo de assistir e consequentemente não deixa aquele gostinho de “quero mais”.

    Nossa nota

    2,0 / 5,0

    Assista ao trailer:

    https://www.youtube.com/watch?v=2qJCfAW_P3k

    LEIA TAMBÉM: 

    CRÍTICA – Bridgerton (1ª temporada, 2020, Netflix)



    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Eu Nunca… (3ª temporada, 2022, Netflix)

    A terceira temporada da série adolescente Eu Nunca… chegou na Netflix. A série é uma criação de Mindy Kaling e Lang Fisher. No elenco...

    Desastre Total: Woodstock 99 | Tudo sobre o documentário da Netflix

    Woodstock de 1969 é sinônimo de Paz e Amor, mas a edição de 99 conseguiu destruir a reputação do maior festival da música.

    CRÍTICA – Sandman (1ª temporada, 2022, Netflix)

    Confira a crítica da nova série da Netflix, Sandman, que é a maior criação da lenda Neil Gaiman e que conta com Tom Sturridge como Morpheus.

    CRÍTICA – Manifest (2ª temporada, 2020, NBC)

    A segunda temporada de Manifest aprofunda ainda mais a história sem resolver arcos do passado. Mas isso é bom, ou ruim?