Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração (1ª temporada, 2021,...

CRÍTICA – Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração (1ª temporada, 2021, Netflix)

Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração conta a história de um jornalista obcecado por um caso que chocou o mundo na década de 1970

Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração é mais uma produção original da Netflix focada em investigação criminal que busca trazer à tona fatos desconhecidos, ou que a polícia e o Poder Judiciário deliberadamente escolheram não olhar.

Dirigida por Joshua Zeman (Montanha Mortal), essa minissérie documental conta a história da investigação obsessiva feita pelo jornalista Maury Terry a respeito de um serial killer que assassinou diversas pessoas nos Estados Unidos, na década de 1970.

David Berkowitz, o “Filho de Sam”, é réu confesso nesse caso que chocou o mundo e foi condenado à prisão perpétua. Apesar da confissão, Terry dedicou sua vida para comprovar que mais pessoas participaram dos assassinatos em série.

SINOPSE DE OS FILHOS DE SAM

O caso Filho de Sam se tornou uma obsessão para o jornalista Maury Terry, para quem os assassinatos estavam associados a uma seita satânica.

ANÁLISE

A minissérie documental é mais uma tentativa de Maury Terry ser ouvido. O jornalista faleceu em 2015, mas deixou sua última cartada: Joshua Zeman recebeu caixas com materiais da sua investigação sobre o envolvimento de Berkowitz com uma seita satânica e a participação de mais pessoas nos assassinatos em Nova Iorque, entre 1976 e 1977.

Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração inicia contextualizando bem o cenário caótico que Nova Iorque vivia no período: criminalidade, desemprego e insalubridade em alta. Além de assaltos fazerem parte da rotina, prostituição e tráfico de drogas ocorriam com naturalidade aos olhos da população em plena luz do dia.

Conhecer o contexto sociopolítico da cidade é fundamental para entender as possíveis motivações da polícia local (NYPD) e do prefeito, Abraham Beame, desde o começo dos assassinatos. As investigações policiais sempre optaram por trabalhar com a hipótese de que se tratava de um único assassino.

O motivo para essa única linha de investigação é que o serial killer adotava o mesmo modus operandi a cada crime, sempre usando um revólver calibre .44. Isso o tornou conhecido como o Assassino do Calibre .44.

Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração conta a história de um jornalista obcecado por um caso que chocou o mundo na década de 1970

No entanto, o jornalista Maury Terry identificou diversas falhas logo cedo. A postura errática e intransigente da NYPD o motivaram a deixar seu emprego na IBM para atuar como jornalista investigativo independente.

O fio condutor do documentário é o caso do Assassino do Calibre .44, posteriormente conhecido como Filho de Sam. Mas a verdade é que a produção da Netflix é biográfica, e trata sobre a vida de Terry após a investigação se tornar uma verdadeira obsessão.

Espaço para versões distintas

Um dos grandes acertos de Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração é dar espaço para versões distintas dos fatos.

Além do rico acervo histórico e dos materiais organizados por Maury Terry, a minissérie da Netflix conta com vários entrevistados de diferentes fases da vida do jornalista e da investigação do caso.

Isso inclui até quem discorde das teorias estudadas por Terry. No entanto, em muitos momentos os fatos apresentados pelo documentário deixam nítido que o contraponto não se sustenta.

A montagem é bem feita e garante uma boa fluência à narrativa. Apesar disso, há algumas imagens de arquivo que se repetem sem necessidade, além de uma transição genérica (também repetitiva) que pouco acrescenta.

Terry está certo?

É seguro afirmar que a obsessiva investigação de Maury Terry rendeu registros que comprovam que existiu (ou existe) uma seita satânica influente nos Estados Unidos. Os argumentos do jornalista e de fontes entrevistadas (inclusive um sobrevivente do serial killer) reforçam que a NYPD errou ao não considerar a possibilidade de mais de um assassino no caso.

Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração conta a história de um jornalista obcecado por um caso que chocou o mundo na década de 1970

Cabe à audiência definir se toda a investigação de Terry foi correta e seus argumentos se sustentam. Apesar disso, também não é exagero dizer que a minissérie vai agradar quem ama produções sobre crimes reais (true crime) e teorias da conspiração.

Não é de se duvidar que Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração faça barulho, reabra a investigação e dê um novo desfecho ao caso. A própria Netflix já produziu séries que apresentaram versões alternativas às condenações do Judiciário (e da imprensa), como Olhos que Condenam e Making a Murderer – essa última chegou a motivar a reabertura do caso.

Uma coisa é certa: quem se frustrou com a falta de resolução dos casos apresentados em Mistérios Sem Solução (também da Netflix) certamente já começa gostando de Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração. Afinal, o caso aqui está oficialmente resolvido. Resta saber se em definitivo…

VEREDITO DE OS FILHOS DE SAM

Com apenas 4 episódios, Os Filhos de Sam: Loucura e Conspiração é uma minissérie documental bem editada e que consegue situar a audiência em todos os pontos da obsessiva investigação de Maury Terry.

A produção da Netflix também acerta por dar espaço a contrapontos, mesmo que a intenção do documentário seja explícita em apresentar diversos argumentos consistentes encontrados por Terry ao longo dos anos.

Esse documentário biográfico é mais um trunfo da Netflix com potencial de prender a atenção dos fãs de true crime e teorias da conspiração.

Nossa nota

4,0 / 5,0

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição

Artigo anteriorCRÍTICA – Oxigênio (2021, Alexandre Aja)
Próximo artigoCRÍTICA – Castlevania (4ª temporada, 2021, Netflix)
Jornalista pós-graduado em Jornalismo Digital, fã de Mr. Robot, Pokémon e com uma menção honrosa a 24 Horas, o seriado que me fez entrar no mundo de séries e filmes.