Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Tattoo Fail (1ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA – Tattoo Fail (1ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA - Tattoo Fail (1ª temporada, 2021, Netflix)

Quando uma tatuagem só faz a gente passar vergonha… é melhor cobrir. A série Tattoo Fail (Tattoo Redo, título original) acompanha cinco tatuadores talentosos capazes de transformar até os desenhos mais terríveis em obras de arte.

A apresentadora do reality show, Jessimae Peluso, também é comediante e lidera os programa ao lado dos tatuadores Matt Beckerich, Miryam Lumpini, Rose Hardy, Tommy Montoya e Twig Sparks; e do gerente de estúdio Paul.

SINOPSE

Estes talentosos artistas consertam tatuagens malfeitas com trabalhos surpreendentes, mas quem escolhe o desenho são os acompanhantes dos clientes!

ANÁLISE

Tattoo Fail é uma mistura dos programas Tattoo Fixers (2015) e Just Tattoo of Us Benelux (2019). Nessa primeira temporada, os profissionais são:

Matt Beckerich

Tattoo Fail

Beckerich é cofundador da Fountainhead New York, um estúdio de tatuagem em Long Island. Ele começou a tatuar aos 17 anos e tem feito isso em tempo integral nos últimos 20 anos. Sua especialidade são tatuagens grandes fechando braços, pernas e costas inteiras.

Miryam Lumpini

Tattoo Fail

Provavelmente o nome mais reconhecível do grupo, Lumpini é a diretor global de arte da tatuagem da KVD Beauty e a diretora criativa da BodyMark da BIC. A artista nascida na Suécia e residente em Los Angeles refere-se a si mesma como “The Witchdoctor” e sua longa lista de clientes famosos inclui Kehlani, Slick Woods, Jhené Aiko e Swae Lee.

A especialidade de Miryam com certeza são os animais e cores, suas tatuagens muitas vezes é de algum tipo de animal e todas são extremamente vivas, graças às cores.

Rose Hardy

Originalmente da Nova Zelândia, Hardy é uma tatuadora residente em Nova Iorque, na Galeria Mikiri do Brooklyn. Ela também é a criadora do Tenderthorn Studios, onde projeta e vende esculturas de porcelana.

Sendo uma das mais incríveis do programa, Rose Hardy é capaz do inimaginável em relação à tatuagens: pequenas, grandes, coloridas, preta e branca. Pra ela, não há limites.

Tommy Montoya

Montoya é um artista em destaque no Klockwork Tattoo Club em Covina, Califórnia, especializado em tatuagens de retratos em preto e branco. Começando em 2011, ele era um membro do elenco no reality show do TLC: LA Ink, um spin-off do NY Ink.

Tommy com tatuagens é como Michelangelo com esculturas, ok, é um exagero, mas suas tattoos em preto e branco, principalmente as de estátuas são impressionantes.

Twig Sparks

Tattoo Fail

Sparks é um artista residente na Flórida que trabalha no Hand Crafted Tattoo, em Fort Lauderdale. Seu nome verdadeiro é Adrian James, embora de acordo com uma biografia no Color Collab, seu apelido tenha sido cunhado por um amigo de infância que achava que seu cabelo parecia “twiggy“. Twig Sparks tem tatuado em vários locais dos EUA, da Flórida à Las Vegas desde os anos 1980.

A principal característica das tatuagens de Sparks é o psicodelismo.

VEREDITO

Tattoo Fail conta com um elenco entrosado, carismático e divertido, infelizmente a série traz poucos episódios e o único defeito é ser tão breve.

Cada episódio conta com três tatuagens bizarras que possuem histórias de fundo divertidas e/ou ainda mais bizarras que a própria tattoo; mas são as reações dos que precisam de uma tatuagem nova ao descobrir que seu acompanhante é quem escolherá a nova arte que rende bons momentos.

Obviamente a grande estrela da série é o talento e as artes incríveis dos tatuadores escalados; todos são talentosíssimos e suas obras são de deixar qualquer um boquiaberto, por mais que o cliente não goste de algo (flores, animais, etc), com o traço e cores certas é impossível dizer que não gostou.

Que venha logo uma nova temporada e se possível com mais episódios.

Nossa nota

4,5 / 5,0

Assista ao trailer oficial:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Como Vender Drogas Online (Rápido) (3ª temporada, 2021, Netflix)
Próximo artigoCRÍTICA – A Jornada de Vivo (2021, Kirk DeMicco)
Um carioca apaixonado por livros, cinema, games e que ama falar de nerdice.