CRÍTICA – Você (3ª temporada, 2021, Netflix)

    Felizmente, está disponível na Netflix a terceira temporada da série Você, outra boa notícia é a confirmação que terá a quarta.

    Nesta, acompanhamos a vida do casal que realmente parece ter sido feito por encomenda, de tão semelhantes, portanto, após tudo que passaram Joe Goldberg (Penn Badgley) e Love Quinn (Victoria Pedretti) podem recomeçar suas vidas.

    Além de Penn Badgley (Gossip Girl) e Victoria Pedretti (A Maldição da Mansão Bly) o elenco conta também com Saffron BurrowsTati Gabrielle, Shalita Grant, Travis Van Winkle e Dylan Arnold.

    SINOPSE

    Depois de descorbrir sobre a gravidez de Love, Joe decide manter seu relacionamento com ela e se mudar para um lugar calmo e tranquilo na expectativa de criar seu filho, Henry, e ter uma família de verdade. Mas tudo é colocado em risco quando Joe desenvolve um novo interesse obsessivo por sua vizinha Natalie (Michaela McManus). Mas Love está decidida a proteger a qualquer custo o estranho relacionamento que construiu com Joe.

    ANÁLISE

    Como esperado, a série possui a dinâmica de marido e mulher com hábitos homicidas, aqueles que se lembram da última cena da segunda temporada também terão a confirmação de que Joe passaria a ter interesse amoroso por outra mulher.

    Apesar de termos uma previsão de que o desinteresse por Love surgiria da parte do seu atual esposo, o desenvolver não foi previsível, nos oferecendo maiores perspectivas de como esses “pombinhos” pensam.

    Basicamente conseguimos entender a forma estranha que os atuais protagonistas lidam com seus instintos, ele costuma ser o planejador e ela mata por impulso.

    Aliás, esse último ponto é fundamental para alinhar com uma sensação familiar, pois, Você brincou diversas vezes com esse sentimento durante sua primeira temporada.

    A ligação do espectador com o personagem, ao entender a irritação e a raiva, compartilhando das emoções, onde a linha de não ser um assassino passa a ser questionada. Agora, com Love, por possuir um carisma peculiar, a série se aproveita desta característica até chegarmos ao questionamento: “Sou homicida?”.

    Se você sentiu isso diversas vezes, fique de boa. Ao que tudo indica isso foi feito detalhadamente de propósito, talvez, esse seja um dos principais motivos pelo qual a produção original da Netflix faça tanto sucesso.

    Outro elemento fundamental para a forte atração pela série é seu ritmo bem cadenciado, facilitando o viciadinho de plantão a maratonar tudo em um único final de semana. 

    Na terceira temporada, a ambientação é bastante atual, algo totalmente favorável aos roteiristas, que aproveitaram muito os acontecimentos mais conhecidos como a pandemia, as relações interpessoais, a evolução da tecnologia, a forma dos seres humanos viverem com o domínio das redes sociais e seus influencers.

    Mas, ao contrário das temporadas anteriores não temos a oportunidade de presenciar acontecimentos ou revelações que nos deixam totalmente surpresos, isso era uma característica forte da dinâmica.

    Portanto, Você perdeu pontinho nesse quesito porque gosto daquele sentimento de choque e me sentir uma otária nas mãos dos criadores, e isso não aconteceu, apenas uma única vez.

    VEREDITO

    A dinâmica desta temporada funciona muito bem, já que o casal possui uma boa química em cena, tornando bastante convincente a relação entre eles, e suas intenções.

    O roteiro é bom, sendo seu ponto forte o fato de usar os acontecimentos atuais para serem trabalhados na ótica desta produção de ficção, porém, não há grandes surpresas como nas temporadas anteriores… e isso fez muita falta.

    Finalizando, sou só elogios para o elenco, principalmente para Victoria Pedretti e sua personagem, Love, que perigosamente nos cativa com.

    Nossa nota

    4,0 / 5,0

    Assista ao trailer legendado:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Eu Nunca… (3ª temporada, 2022, Netflix)

    A terceira temporada da série adolescente Eu Nunca… chegou na Netflix. A série é uma criação de Mindy Kaling e Lang Fisher. No elenco...

    Desastre Total: Woodstock 99 | Tudo sobre o documentário da Netflix

    Woodstock de 1969 é sinônimo de Paz e Amor, mas a edição de 99 conseguiu destruir a reputação do maior festival da música.

    CRÍTICA – Sandman (1ª temporada, 2022, Netflix)

    Confira a crítica da nova série da Netflix, Sandman, que é a maior criação da lenda Neil Gaiman e que conta com Tom Sturridge como Morpheus.

    CRÍTICA – Manifest (2ª temporada, 2020, NBC)

    A segunda temporada de Manifest aprofunda ainda mais a história sem resolver arcos do passado. Mas isso é bom, ou ruim?