Início SÉRIE Artigo Dash e Lily: Por que amamos romances natalinos?

Dash e Lily: Por que amamos romances natalinos?

Dash e Lily : Por que amamos romances natalinos?

O Natal é uma época maravilhosa para voltar a acreditar, seja qual for o caso. Logo, a nova produção da Netflix, Dash e Lily, transborda de espírito natalino e clichês bem-vindos. Até Nova Iorque, tão repetidamente usada nos filmes de romance, aparece em sua forma mais brilhante e mágica.

A série é baseada no livro O Caderninho de Desafios de Dash & Lily, de Rachel Cohn e David Levithan. Na adaptação para o streaming, Levithan e Nick Jonas assinam como produtores e Joe Tracz como roteirista.

A produção, que chegou sem alarde na Netflix, rapidamente ganhou os adolescentes e os fãs da celebração provando que o Natal está mais vivo do que nunca.

Sendo assim, o seriado conta a história de um romance adolescente às vésperas do Natal entre o cínico Dash (Austin Abrams) e a otimista Lily (Midori Frances). O encontro entre os jovens acontece por meio de um caderno vermelho que Lily escondeu em uma livraria e acaba sendo encontrado por Dash.

Logo começa uma troca de mensagens e desafios entre os adolescentes que, apesar de nunca terem se encontrado, inspira romance. Aos poucos Dash vai baixando seus muros interiores e se tornando menos ranzinza, já Lily ganha mais autoconfiança e independência. O interessante desta história é que os personagens trilham caminhos separados, porém vivenciando sentimentos e experiências com o outro.

Ao contrário dos clichês que insistem em criar personagens rasos e sem motivações além de si mesmos, Dash e Lily apresenta personagens interessantes e com bagagem emocional.

Consequentemente o período natalino, que muitas vezes serve somente como ambientação para as produções, ganha significado nas palavras escritas por Dash e Lily.

Além disso, a produção ganha força com seus personagens coadjuvantes que são extremamente carismáticos. Desde do irmão de Lily, Langston (Troy Iwata) ao amigo de Dash, Boomer (Dante Brown), temos um elenco que garante ótimos momentos.

Ainda que tenha um toque um tanto fantasioso, é em seus clichês tão bem colocados que a série exalta. A produção opta por mais de uma forma de narrativa, dando destaque para as narrações em off e a deslumbrante Nova Iorque natalina.

Logo, a série apresenta um mundo cheio de possibilidades que evoca um certo realismo mágico, sendo ideal para aqueles que buscam um pouco de esperança em pequenos detalhes. Portanto, Dash e Lily tem a coragem e determinação para fazer o público acreditar de novo, no romance e no Natal.

Confira o trailer:


Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Pacarrete (2019, Allan Deberton)
Próximo artigoThe Ogun: Anthony Mackie irá estrelar novo filme de ação da Netflix
Jornalista em formação e apaixonada pela sétima arte. Representatividade e movimentos sociais através do cinema é fundamental. Apreciadora de livros, animes e joguinhos de ps4 nas horas vagas. The final girl.