PRIMEIRAS IMPRESSÕES – Black Bird (Minissérie, 2022, Apple TV+)

    Black Bird é a nova minissérie semanal da Apple TV+ que adapta o livro autobiográfico de James Keene, In with the Devil: A Fallen Hero, a Serial Killer, and a Dangerous Bargain for Redemption (inédito no Brasil).  

    Baseado em fatos reais, a série é uma criação de Dennis Lehane e tem direção de Michaël R. Roskam. No elenco estão Taron Egerton, que também é produtor executivo, Paul Walter Hauser, Sepideh Moafi, Greg Kinnear e Ray Liotta.

    Os dois primeiros episódios já estão disponíveis. 

    SINOPSE

    Jimmy Keene (Taron Egerton), filho de um policial e um astro do time de futebol americano da escola, é condenado a dez anos de prisão por tráfico de drogas, ele então ganha uma oportunidade de se redimir. Jimmy deve escolher entre cumprir sua sentença sem chances de redução ou ir para uma prisão de segurança máxima e se aproximar de Larry Hall (Paul Walter Hauser), um suspeito de assassinatos em série. Para garantir sua liberdade, Jimmy precisa conseguir uma confissão de Larry e descobrir onde estão escondidos os corpos de diversas vítimas.

    ANÁLISE

    É indiscutível que o gênero de true crime está na moda e com tantas produções surfando nessa onda é difícil saber o que de verdade vale a pena. Black Bird não é exceção, mas sua narrativa nada contra a maré e se destaca já nos primeiros dois episódios ao criar uma história inesperada. Os elementos que o leva ao gênero de true crime até estão presentes, mas de uma forma nada convencional. 

    Todo fã de true crime vibra quando a produção diz ser baseada em fatos reais, ainda mais se for uma história fora da curva. Os eventos que levaram a minissérie são no mínimo intrigantes, Jimmy Keene era um traficante de drogas em uma prisão de segurança mínima que para reduzir sua pena topou se infiltrar em uma instituição de segurança máxima com criminosos insanos para se aproximar de Larry Hall, um serial killer que havia matado cerca de 12 garotas. A aproximação tinha um único objetivo: fazer Hall confessar os assassinatos e onde estavam os corpos, visto que ele seria solto em breve por falta de provas. 

    É uma história trágica, mas digna de cinema que nas mãos de Dennis Lehane se tornou uma série extremamente cativante e inquietante. Lehane tem por merecer; escritor de romances policiais, é o autor de Ilha do Medo, que mais tarde se tornou um filme dirigido por Martin Scorsese. Dessa forma, Black Bird apresenta um enredo totalmente viciante com uma atmosfera que brinca o tempo todo com a confiança e desconfiança entre os personagens. 

    Ray Liotta em seu último papel.

    Taron Egerton faz um ótimo Jimmy Keene, um jovem com uma vida fácil que utiliza de seu charme para se salvar das situações, mas que também é bastante arrogante e convencido. Ele deseja sair da prisão, pois seu pai, interpretado por Ray Liotta em seu último papel póstumo, está doente. Já, Paul Walter Hauser utiliza de expressões corporais para se tornar praticamente irreconhecível como Larry Hall, considerado apenas um homem peculiar, mas inocente demais para cometer assassinatos. Ambos não se encontram ainda nos primeiros episódios, a série faz questão de traçar suas personalidades e apresentá-los ao público como dois lados de uma mesma moeda.

    O lado investigativo de Black Bird corre lateralmente com seus personagens principais, Brian Miller (Greg Kinnear), um detetive local que parece ser o único a acreditar que Larry seja culpado e Lauren MCauley (Sepideh Moafi), uma agente que introduz Jimmy como infiltrado na prisão, são personagens compenetrantes e servem a narrativa. Dessa forma, a produção da Apple TV+ se apega bastante aos diálogos interpessoais e a falta de muita ação, pode tornar a série um pouco cansativa para alguns. 

    Contudo, ainda que o começo de Black Bird tenha um tom bastante similar a Mindhunter, com perfis de assassinos sendo feitos e corpos sendo achados, não parece que a produção seguirá por esse caminho. Visto que, a relação entre Jimmy e Larry é um grande destaque para tornar essa série incrivelmente tensa do começo ao fim.

    VEREDITO

    Black Bird é uma minissérie de seis capítulos e que logo em seu início surpreende por sua narrativa direta. Com um roteiro convincente e boas atuações é um ótimo pedido para fugir das produções mais do mesmo de true crime.

    Nossa nota

    4,5 / 5,0

    Assista ao trailer legendado de Black Bird:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    Desastre Total: Woodstock 99 | Tudo sobre o documentário da Netflix

    Woodstock de 1969 é sinônimo de Paz e Amor, mas a edição de 99 conseguiu destruir a reputação do maior festival da música.

    CRÍTICA – Sandman (1ª temporada, 2022, Netflix)

    Confira a crítica da nova série da Netflix, Sandman, que é a maior criação da lenda Neil Gaiman e que conta com Tom Sturridge como Morpheus.

    CRÍTICA – Manifest (2ª temporada, 2020, NBC)

    A segunda temporada de Manifest aprofunda ainda mais a história sem resolver arcos do passado. Mas isso é bom, ou ruim?

    Sandman: Quem é quem na série da Netflix?

    Sandman é um dos grandes lançamentos do mês de agosto na Netflix e conta com um bom elenco. Confira agora os principais nomes da série.