PRIMEIRAS IMPRESSÕES – Mito de Sísifo (1ª temporada, 2021, Netflix)

    O Mito de Sísifo é uma série de ficção cientifica sul-coreana original da Netflix. Seus episódios serão lançados por blocos, porém, aqui você vai conferir sobre as impressões que tivemos ao assistir os 4 primeiros episódios dessa nova produção.

    SINOPSE

    Após um incidente, o engenheiro Han Tae-sul (Cho Seung‑woo) começa desvendar segredos perigosos enquanto uma mulher do futuro está a sua procura.

    ANÁLISE

    Na mitologia grega, Sísifo era um homem conhecido pela sua inteligência e astúcia que desafiava os deuses gregos. Por isso ele foi condenado a, diariamente, empurrar uma pedra grande montanha acima. Ao quase chegar ao topo, devido ao peso da pedra e ao seu cansaço, ele falhava, deixando a pedra rolar até chegar ao chão novamente.

    O objetivo dos deuses era humilhá-lo com a repetição por usar da sua esperteza para armar contra eles. Assim, o escritor Albert Camus utiliza esse personagem para criticar a sociedade em seu ensaio filosófico, dizendo que os humanos vivem em uma repetição devido à religião e modos capitalistas. 

    Portanto, o Mito de Sísifo usa essas duas referências para criar uma série de ficção-científica, que começa mostrando o engenheiro Han Tae-sul. Com sua inteligência, ele “foge” do padrão da sociedade.

    PRIMEIRAS IMPRESSÕES - Mito de Sísifo (1ª temporada, 2021, Netflix)

    Lembro de outra série sul-coreana que um personagem específico se sente deprimido por viver nessa constante repetição. Assim, como o Mito de Sísifo critica o quanto nós estamos tão focados em trabalhar, comprar coisas, reproduzir e morrer, sem darmos atenção ao que realmente importa ou aos segredos do mundo.

    Com essa excelente premissa, a série mostra um planeta de 2020 em que as pessoas ainda estão descobrindo novas tecnologias, além de outra realidade pós-apocalíptica que, nos primeiros quatro episódios, a produção não se preocupou em explicar.

    Se não for bem resolvida ao longo da narrativa, a falta de contexto pode se tornar um problema maior, devido a uma certa  abundância de informações que deixa o espectador confuso. Além disso, existe um problema bem grande com a mira dos personagens, aparentemente contrataram os stormtroopers

    Porém, as bem produzidas e coreografadas cenas de luta em plano sequência protagonizadas pela Park Shin-Hye nos conquistam novamente. Aliás, Park Shin-Hye está nas cenas que se refere a um grupo de k-pop ganhador de prêmio da Billboard. Vocês sabem qual?

    VEREDITO

    Como pôde perceber adoramos a premissa da série e as cenas de luta, exceto a mira dos personagens. Porém, esperamos que tenha alguma explicação plausível e que o Mito de Sísifo possa nos fazer entender o que aconteceu em meio a tanta informação.

    Mesmo assim, é uma produção de ficção-científica que nos deixa curiosos e viciados quanto ao desenrolar da história. Na nossa opinião tem grande futuro na missão de deixar séries sul-coreanas cada vez mais famosas. 

    Nossa nota

    4,5 / 5,0

    Assista ao trailer:

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Eu Nunca… (3ª temporada, 2022, Netflix)

    A terceira temporada da série adolescente Eu Nunca… chegou na Netflix. A série é uma criação de Mindy Kaling e Lang Fisher. No elenco...

    Desastre Total: Woodstock 99 | Tudo sobre o documentário da Netflix

    Woodstock de 1969 é sinônimo de Paz e Amor, mas a edição de 99 conseguiu destruir a reputação do maior festival da música.

    CRÍTICA – Sandman (1ª temporada, 2022, Netflix)

    Confira a crítica da nova série da Netflix, Sandman, que é a maior criação da lenda Neil Gaiman e que conta com Tom Sturridge como Morpheus.

    CRÍTICA – Manifest (2ª temporada, 2020, NBC)

    A segunda temporada de Manifest aprofunda ainda mais a história sem resolver arcos do passado. Mas isso é bom, ou ruim?