CRÍTICA – DOTA: Dragon’s Blood (1ª temporada, 2021, Netflix)

    DOTA: Dragon’s Blood é o mais novo anime da Netflix que adapta o jogo de grande sucesso Dota 2. A produção é coproduzida pelo Studio Mir (Lenda de Korra), Netflix Animation e Valve. O showrunner que desenvolve a série é Ashley Miller (X-Men: Primeira Classe).

    SINOPSE 

    Em um mundo de fantasia, a história segue um Cavaleiro Dragão, Davion (Yuri Lowenthal), que caça dragões para tornar o mundo um lugar seguro. Em uma batalha entre demônios e dragões, o dragão ancião, Slyrak (Tony Todd), funde sua alma com Davion.

    Junto com uma princesa lunar Mirana (Lara Pulver), Davion segue uma jornada para deter o demônio Terrorblade (Jean-Benoît Blanc), que quer matar todos os dragões e coletar suas almas.

    ANÁLISE

    A Netflix quer entrar de vez no mundo dos animes, e DOTA: Dragon’s Blood parece ser a chance ideal. O anime é uma produção original que adapta os acontecimentos de Dota 2, um jogo multiplayer online. Com isso, a gigante do streaming busca conquistar os fãs do universo e também atrair a comunidade de animes.

    De início, a narrativa de DOTA: Dragon’s Blood é bastante atraente e interessante. Até mesmo os fãs de RPG podem se surpreender com a imersão que o anime propõe. Isso porque apresenta um mundo medieval fantástico, com direito a povos de diferentes etnias e acima de tudo: dragões.

    Dessa forma, o anime também ganha por ter uma linguagem totalmente adulta com cenas que vão desde a conotação sexual ao derramamento violento de sangue. Isso mostra que DOTA: Dragon’s Blood é totalmente consciente de seu público-alvo e não mede esforços para convencer-nos de sua história.

    Logo, o anime apresenta sua narrativa de modo despretensioso e sem pressa. Davion é um cavaleiro que caça dragões para viver, sendo considerado um herói pelas cidades que passa. Porém, acaba no meio de uma batalha entre o dragão ancião Slyrak e o demônio Terrorblade, que deseja a aniquilação dos dragões.

    DOTA: Dragon's Blood é um anime coproduzido pela Netflix, Studio Mir e Valve desenvolvido pelo showrunner Ashley Miller

    Davion e Slyrak acabam derrotando, por ora, Terrorblade. Contudo, Slyrak fica gravemente ferido e antes da sua morte, funde sua alma a de Davion. A série então segue com Davion adquirindo poderes de dragão e encontrando a princesa Mirana, que em sua própria jornada está atrás de algo que lhe foi roubado.

    Um fato crucial é que o anime não se prende para explicar os acontecimentos da história. Ou seja, o espectador acompanha o desenrolar de fatos que não são vistos em tela. Isso pode tornar a série um pouco confusa e repetitiva, mas não atrapalha a narrativa ao todo.

    O essencial de DOTA: Dragon’s Blood está em seus personagens carismáticos e intrigantes que garantem uma boa trama.

    Animação Americana

    Ainda que DOTA: Dragon’s Blood seja uma boa aquisição para o catálogo de animes da Netflix, é perceptível o quanto a animação americana necessita aprender com as produções japonesas. Ainda mais se a animação quer receber o título de “anime”.

    Isso porque alguns traços de DOTA: Dragon’s Blood infelizmente deixam a desejar e colocam em cheque a qualidade da animação. O uso do 3D para as cenas de ação, e principalmente na concepção dos dragões, fica no limite do vale da estranheza. Logo, a computação gráfica do anime poderia ser melhor aproveitada se fosse mais sutil.

    LEIA TAMBÉM: 7 dicas para começar a assistir animes

    Dessa forma, DOTA: Dragon’s Blood não é nenhuma inovação no quesito animação, fazendo jus aos traços simples e tortos das animações americanas. E como o anime deixa uma brecha para uma possível segunda temporada, seria interessante ver uma animação com mais movimentação.

    Além disso, o anime que tem um começo mais lento parece correr em seu final para mostrar que sabe fazer cenas de batalhas, deixando a narrativa à mercê.

    Contudo, DOTA: Dragon’s Blood é uma ótima produção que com seus clichês apresenta uma trama interessante. Logo, também é preciso ressaltar a dublagem brasileira que com nomes como Wendel Bezerra fazem um ótimo trabalho de adaptação.

    VEREDITO

    DOTA: Dragon’s Blood tem uma história cativante que consegue prender o espectador. Ainda que o anime tenha seus problemas, a narrativa se mantém e garante bons momentos até mesmo para quem não conhece o jogo Dota 2.

    Nossa nota

    3,5 / 5,0

    Assista ao trailer:

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    Sr. e Sra. Smith: tudo que se sabe sobre a série que estreou em fevereiro no Prime Video

    Sr. e Sra. Smith é baseada no filme de mesmo nome, estrelado por Angelina Jolie e Brad Pitt. Saiba tudo sobre a nova produção!

    CRÍTICA: ‘Flores no Deserto’ é sobre superação e muitos outros temas 

    Flores no Deserto é um K-drama produzido pela AStory e está disponível no catálogo do serviço de streaming da Netflix. Veja o que achamos!

    CRÍTICA: ‘Vale o Escrito – A Guerra do Jogo do Bicho’ do carnaval aos assassinatos

    Vale o Escrito - A Guerra do jogo do Bicho é a série documental que conta a história do jogo bicho, e sua popularização.

    CRÍTICA: ‘Sr. e Sra. Smith’ mostra que o casamento é uma missão em dupla

    A primeira temporada de Sr. e Sra. Smith já está disponível no catálogo do Prime Video! Veja o que achamos da releitura do filme de 2005.