Início FILMES Crítica #52filmsbywomen 11 – Paris is Burning (1990, Jennie Livingson)

#52filmsbywomen 11 – Paris is Burning (1990, Jennie Livingson)

53
0

Paris is Burning é um documentário de 1990 dirigido por Jennie Livingston. Acompanhando uma das cenas drag mais vibrantes do mundo, o documentário se debruça na cultura de bailes em Nova Iorque, onde as comunidades negra, latina e trans convergem no que é conhecido como a Era Dourada dos Bailes Drag da cidade.

Jennie Livingston tem em Paris is Burning seu trabalho cinematográfico mais conhecido. Vencedor do Grande Prêmio do Juri de Sundance em 1991, o documentário se tornou importante na cena independente americana, assim como no cinema Queer daquele país e do mundo. Livingston gravou o filme em um período de seis anos, em que seu olhar livre de julgamentos permitiu que seus sujeitos se abrissem nas entrevistas de uma forma até então pouco explorada, investigando as distintas categorias e estruturas presentes nos bailes, a importância das “Casas” drag e em especial sobre como a cena queer é conectada com a prostituição e as drogas.

Paris is Burning alterna cenas reais de bailes e entrevistas com algumas drags estabelecidas na cena, e estreantes nos eventos incluindo Pepper LaBeija, Doria Corey e Angie Xtravaganza e algumas de suas filhas drag. Esses e outros sujeitos exploram terminologias da cena em questão, como “vogue”, “legendário” e “Mãe”, termo utilizado para designar a chefe de uma família drag. As famílias oferecem pertencimento, apoio e suporte principalmente para jovens que sofrem com o preconceito e a não aceitação em seus lares. As histórias apresentadas são belas e trágicas, intrinsecamente envolvidas com identidades de gênero, homofobia e vidas periféricas, em uma época em que a comunidade gay era assolada pela AIDS – ainda sem tratamento efetivo – onde muitas pessoas foram vítimas de preconceito e desinformação.

Podemos dizer que Paris is Burning é uma capsula em que um momento, um movimento e uma década estão eternizados. Com todas as facetas e complexidades que lhe é de direito, a cena Drag e Queer de Nova Iorque nos anos 80 está representada, com foco nas comunidades negra e latina, que mais sofriam e sofrem com a pobreza e preconceitos na região. Um filme informativo, tocante e influenciador de várias gerações.

Paris is Burning está disponível na Netflix

Confira o trailer original:

Está acompanhando nossa campanha 52 Films By Women? Caso ainda não, então confira nossas indicações anteriores clicando aqui: #52FilmsByWomen. Tem alguma indicação? Então deixe nos comentários e lembre-se de nos acompanhar nas principais redes sociais! Até domingo ?

Comentários