Início FILMES Crítica CRÍTICA – A Filha Perdida (2021, Maggie Gyllenhaal)

CRÍTICA – A Filha Perdida (2021, Maggie Gyllenhaal)

A Filha Perdida é um filme da Netflix estrelado por Olivia Colman e vencedor do prêmio de Melhor Roteiro no Festival de Veneza

A Filha Perdida (The Lost Daughter) é o primeiro filme dirigido por Maggie Gyllenhaal, vencedor do prêmio de Melhor Roteiro no Festival de Veneza.

O longa é uma adaptação do livro homônimo de Elena Ferrante. No elenco estão Olivia Colman, Jessie Buckley, Dakota Johnson e Ed Harris. A Filha Perdida está disponível na Netflix.

SINOPSE DE A FILHA PERDIDA

Leda (Olivia Colman) é uma mulher de meia-idade divorciada, devotada para sua área acadêmica como uma professora de inglês e para suas filhas. Ela decide passar as férias sozinha. Porém, com o passar dos dias, Leda encontra uma família que por sua mera existência a faz lembrar de períodos difíceis e sacrifícios que teve de tomar como mãe. 

ANÁLISE

A estreia de Maggie Gyllenhaal como diretora não poderia ser mais brilhante e catártica. Com um elenco sinérgico e um texto que dispensa o óbvio, A Filha Perdida explora a maternidade na sua forma mais controversa e expõe várias camadas emocionais. 

A adaptação de um livro para o cinema nunca é uma tarefa fácil, e em A Filha Perdida não poderia ser diferente. A escritora Elena Ferrante deu vida a personagens bastantes intimistas que Gyllenhaal consegue transcender para a tela. Em parte, esse feito se dá pelas incríveis atuações de Olivia Colman, Jessie Buckley e Dakota Johnson. 

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Olivia Colman: Conheça a atriz e seus 10 melhores trabalhos

Colman, que vive Leda, a personagem principal, têm uma imensa presença de cena que atrai qualquer um. Sua personagem é contida e extremamente observadora, mas capaz de passar diferentes emoções em curtos espaços de tempo. A troca entre Leda e Nina, vivida por Dakota Johnson, acontece na maioria das vezes sem palavras, apenas por trocas de olhares. 

Gyllenhaal sabe aproveitar muito bem a dinâmica entre as personagens e aposta em close-up para expor o que cada um sente. No primeiro momento é desconfortável a obsessão de Leda por Nina e sua filha, porém ao passo que a história avança, e é mostrado mais sobre o passado de Leda, percebe-se que há uma espécie de conexão entre ambas. 

Dessa forma, o filme toca em seu principal assunto: a maternidade. Nina está passando por problemas com sua filha;  Leda se considera uma mãe desnaturada, mas sempre se lembra de falar de suas duas filhas para os que conhece. A  romantização sobre a beleza de ser mãe dá espaço a uma dura verdade sobre responsabilidades.

A Filha Perdida é um filme da Netflix estrelado por Olivia Colman e vencedor do prêmio de Melhor Roteiro no Festival de Veneza

O filme ainda utiliza flashbacks para contar um pouco sobre a relação de Leda com sua família. Jessie Buckley, que faz a personagem mais nova, é fantástica nos momentos em que aparece em cena. Consequentemente, o filme traz à tona a relação difícil entre mãe e filha, e como as meninas são preparadas para essas responsabilidades através de bonecas. 

A Filha Perdida carrega um certo drama típico de filmes independentes, mas aposta muito mais na contemplação que, somado à ambientação de uma praia e à direção precisa de Gyllenhaal, cria um longa intrínseco. É um filme facilmente para Oscar, mas vai muito além, mostrando os preceitos da maternidade e como isso impacta meninas e mulheres.

VEREDITO

O primeiro filme de Maggie Gyllenhaal é uma obra intimista. A Filha Perdida trata de assuntos complexos, sem nunca parecer forçado ou demasiado, visto que seus simbolismos são o bastante. Além disso, conta com um elenco potente que a todo momento cresce em cena.

Nossa nota

4,5 / 5,0

Assista ao trailer de A Filha Perdida:

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorPokémon GO: Confira a programação da Hora do Holofote em janeiro
Próximo artigoO Livro de Boba Fett: Em que momento da linha temporal a série se passa?
Jornalista em formação e apaixonada pela sétima arte. Representatividade e movimentos sociais através do cinema é fundamental. Apreciadora de livros, animes e joguinhos de ps4 nas horas vagas. The final girl.