Início FILMES Crítica CRÍTICA – Guardiões da Galáxia Vol.2 (2017, James Gunn)

CRÍTICA – Guardiões da Galáxia Vol.2 (2017, James Gunn)

115
0
guardiões da galáxia vol.2

Guardiões da Galáxia Vol.2 é a continuação do surpreendente e aclamado Guardiões da Galáxia de 2014 e o 15º do Universo Cinemático Marvel. Novamente a direção é de James Gunn e estrelado por Chris PrattZoe SaldañaDave Bautista e as vozes de Bradley Cooper e Vin Diesel. E neste novo longa os guardiões continuam realizando missões por dinheiro, mas quando Peter Quill descobre quem seu verdadeiro pai é, o grupo de heróis é forçado a lidar com seus relacionamentos pessoais e se unir contra outra ameaça de destruição da galáxia.

Guardiões da Galáxia Vol.2 chega aos cinemas com uma difícil missão: a expectativa de superar seu predecessor, mantendo o charme e espírito que conquistaram o mundo apesar de seus heróis desconhecidos do grande público. A continuação esteve em diversas listas de mais aguardados do ano e tais expectativas são impossíveis de atingir; afinal a “tempestade perfeita” que envolveu o lançamento e sucesso de Guardiões da Galáxia não será repetida. O novo longa é um bom filme, muito divertido e não trai os propósitos e personagens apresentados previamente. Mas o mais importante é: possui uma história completa, que se resolve em si e não busca apenas estabelecer novos filmes na franquia.

O filme persiste no humor do primeiro, enquanto possui um tom um pouco mais sóbrio e melancólico. Porém, nunca se leva muito a sério e algumas entradas de humor são pontuais para não deixar o espectador esquecer que esse é um filme dos Guardiões, e todos estão ali para se divertir. O filme se apoia muito na dinâmica entre seus heróis. Os personagens adicionados funcionam bem, e Yondu (Michael Rooker) ganha mais espaço, o que também agrega peso emocional ao longa. As atuações são sólidas, destaques para Chris PrattZoe Saldaña e a estreante Pom Klementieff que interpreta Mantis e foi uma grata surpresa.

O segundo ato é muito demorado, algumas sequências extensas e piadas que se alongam mais tempo do que necessário removem parte do ritmo que o filme havia mantido em seu início, e recupera nas resoluções finais. É interessante entrar um pouco mais em alguns arcos de personagens como Rocket, e as irmãs Gamora e Nebulosa. A dinâmica de rivalidade e amor fraternal é convincente e apesar da atuação exagerada de Karen Gillan, funciona. O foco narrativo é de forma mais definitiva, em Peter Quill, e o grupo dos Guardiões sofre em parte com essa decisão, sendo marginalizado a histórias paralelas.

Não podemos deixar de falar de Baby Groot. A criatura é o ponto alto de todas as cenas em que está presente, causou o maior número de reações e risadas de uma sessão lotada de estreia. James Gunn e os produtores sabiam que esse seria o caso e souberam trabalhar muito bem com Baby Groot e sua dinâmica com o grupo. Sua presença transforma o grupo de heróis em uma família desconjuntada e catastrófica que arranca as maiores risadas durante o longa.

Imagem relacionada

Guardiões da Galáxia: Vol.2 não poderia atingir as altas expectativas deixadas por seu predecessor, mas, ainda assim, é um filme divertido e cativante. Possui problemas de narrativa e estrutura evidentes mas ainda se encontra nas posições mais altas no espectro de películas da Marvel Studios já lançadas.

PS: muitos easter eggs presentes ao longo do filme, fiquem atentos!

Avaliação: Bom

Confira abaixo o trailer:

Guardiões da Galáxia: Vol.2 estreou no dia 27 de Abril e é uma diversão para toda a família. E lembre-se de nos acompanhar nas redes sociais:

Facebook – Twitter – Instagram – Pinterest