Início FILMES Crítica CRÍTICA | Jovens Bruxas: Nova Irmandade (2020, Zoe Lister-Jones)

CRÍTICA | Jovens Bruxas: Nova Irmandade (2020, Zoe Lister-Jones)

Jovens Bruxas: Nova Irmandade é um longa dirigido por Zoe Lister-Jones, sendo uma continuação de Jovens Bruxas, de 1996.

SINOPSE

Quatro garotas descobrem que tem poderes mágicos. Agora elas lidam com as diferenças e as consequências de tanto poder em suas mãos.

ANÁLISE

Jovens Bruxas: Nova Irmandade é uma mistura de continuação e remake de uma obra consagrada dos anos 90. Ao tentar trazer um frescor para um filme que já possui uma história própria, a continuação peca em diversos aspectos.

O primeiro deles é a falta de identidade. Por mais que os personagens possuam algumas camadas e que seja explorada muito bem a questão das descobertas da juventude, a obra se perde quando adota diversos gêneros e tons. Em alguns momentos temos uma aventura, em outros terror e suspense, com mudanças bruscas e sem timing.

As personagens carecem de carisma, principalmente sua protagonista, Lily (Cailee Spaeny). Ela tem seus problemas, mas a atuação da atriz a deixa bastante “sem sal”. 

As demais personagens são “ok”, pois não comprometem, mas também não acrescentam em nada. Nicholas Galitzine é disparado o melhor ator e personagem do longa, vivendo o bully Timmy que tem diversas camadas e profundidade de roteiro.

Dos pesos pesados, temos David Duchovny (Arquivo X) num papel bastante aquém de seu talento. Michelle Monaghan tenta entregar uma boa atuação e consegue, mesmo que tenha pouco para trabalhar.

Entretanto, o ponto mais fraco é a história, uma vez que poderia explorar até o final a juventude, as inseguranças e as consequências de escolhas ruins. Todavia, o filme escolheu o caminho mais óbvio e entrega uma trama rasa com um final vergonhoso.

VEREDITO

Jovens Bruxas: Nova Irmandade é um filme que não entrega nada de novo e traz uma história rasa e mais do mesmo. Tentando fazer referências para atrair os fãs do seu antecessor e, ao mesmo tempo, tentando repaginar as coisas, o filme falha em trazer novas experiências, apresentando uma obra sem identidade.

Nossa nota

2,0 / 5,0

Confira o trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorThe Mandalorian: Como o Sabre Negro se difere de outros sabres de luz
Próximo artigoCRÍTICA – Dune Sea (2020, Frolic Labs)
Relações-públicas, gremista, nerd, escorpiano e palestrinha. Parece futebolista, pois só vive descendo a lenha. DC é melhor que Marvel, todavia, amamos as duas.