Início FILMES Crítica CRÍTICA – Mentira Incondicional / The Lie (2018, Veena Sud)

CRÍTICA – Mentira Incondicional / The Lie (2018, Veena Sud)

283
0
Mentira Incondicional

Mentira Incondicional (The Lie) foi lançado originalmente no Festival de Toronto em 2018. O filme é um remake do longa alemão We Monsters de 2015, e conta com Joey King, Peter Sarsgaard e Mireille Enos como seus protagonistas.

O filme lançado em Outubro na Amazon Prime Video tem uma premissa um tanto quanto curiosa, mas que se você olhar mais de perto, verá todas as cordas que tecem a trama serem cuidadosamente movidas.

Mentira Incondicional

ANÁLISE

Antes de The Act, Joey King mostrou o quão intensa pode ser em seus personagens, mesmo não indo tão a fundo quanto iria no ano seguinte, na série que rendeu um Emmy à Patricia Arquette, e diversas indicações à King.

Joey King dá vida a Kayla, uma adolescente de 15 anos mimada, fruto de um casamento falido. A garota parece ter suas necessidades emocionais supridas com bens materiais e a famosa “vista grossa” feita por seus pais, que só querem ser amados de volta sem colocar um pingo de esforço na relação entre eles e a filha.

Enquanto levava sua filha Kayla para um acampamento de dança, Jay (Peter Sarsgaard) encontra Brittany (Devery Jacobs), amiga de sua filha em um ponto de ônibus no meio do nada, e após uma rápida carona, uma aparente discussão, Kayla empurra sua amiga de cima de uma ponte em direção ao rio.

Toda a trama do filme se desenvolve nos dias a seguir, e acontecem tantas coisas, que enquanto assistia, perdi por algumas vezes a noção de tempo, não por problemas de direção, ou da trama e sim pelos fatos que se sucedem após todo o acontecimento que desencadeia a trama.

E é na direção que o filme brilha. Ao causar o desconforto nos espectadores, Veena Sud impressiona com sua direção, colocando todos os nossos instintos contra o que mais acreditamos. O longa nos coloca na pele dos pais que fazem de tudo para evitar que as ações de sua filha sejam descobertas.

Mentira Incondicional

Sarsgaard, como o monstro do cinema que é, se faz tão imponente quanto sua carreira já o provou ser. Como Jay, ele interpreta um pai que faz de tudo para ser aceito por sua filha, mesmo que isso signifique ajudar a apagar todas as provas de um assassinato.

Einos, outra força destrutiva, faz aquele mundo ser tão palpável quanto possível e vai além, nos matando aos poucos enquanto sua personagem parece morrer por dentro, engendrada pelas ações de sua filha.

VEREDITO

Mentira Incondicional me fez sentir tão incomodado quanto incrédulo desde seu primeiro arco, até o último. Enquanto o assistia, tentei pensar numa categoria em que ele se encaixava. Não era o terror, tampouco um thriller investigativo, pois todos os elementos dos filmes dos gêneros supracitados ficavam ocultos desde seus primeiros momentos, muito diferente deste.

Joey King entrega uma das personagens mais palpáveis de sua carreira, por mais que sua incoerente Kayla seja odiável, ela o faz com propriedade.

Veena Sud te colocará na beirada do sofá, te fazendo passar nervoso com todas as tramas e subtramas que o filme apresenta.

A direção de arte e a fotografia se mostram eficazes, ao isolar seus personagens diversas vezes em um cômodo repleto de pessoas. Mostrando que, ainda que rodeado de pessoas, eles estão sozinhos, presos nas tramas que se deixaram enredar.

Mentira Incondicional está disponível na Amazon Prime Video e é um dos primeiros filmes lançados na plataforma que fazem parte da parceria entre o serviço de streaming da Amazon e a Blumhouse.

Nossa nota

4,0 / 5,0

Confira o trailer do filme:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.