CRÍTICA – Meu Pai (2021, Florian Zeller)

    Meu Pai (The Father) dirigido por Florian Zeller chega às plataformas digitais no dia 9 de abril. Baseado na peça Le Père do próprio Zeller, o filme traz os multipremiados Anthony Hopkins e Olivia Colman no elenco principal, e está concorrendo a seis categorias no Oscar deste ano (incluindo Melhor Filme).

    SINOPSE

    Um homem recusa toda a ajuda de sua filha à medida que envelhece. Ao tentar entender as mudanças em sua vida, ele começa a duvidar de seus entes queridos, de sua própria mente e até mesmo da estrutura de sua realidade.

    ANÁLISE

    Que felicidade é viver em uma época em que Anthony Hopkins e Olivia Colman existem. Assistir à atuação desses dois grandes profissionais é um alento ao coração em um momento tão conturbado como o que vivemos.

    É difícil descrever a imersão que sentimos quando assistimos ao filme Meu Pai. Com uma dinâmica interessante no que tange à abordagem do tempo, a obra nos prende em seus loopings temporais, nos fazendo questionar a realidade o tempo todo junto com seu protagonista.

    O trabalho de direção de Florian Zeller é consistente, tirando o melhor de seus atores principais. Colman entrega uma das atuações mais sensíveis de toda a sua carreira, ao passo que Hopkins se consagra em seu papel, carregando a trama com todo o drama necessário.

    Os personagens secundários são inseridos como elementos de confusão, mas são trabalhados com inteligência e se justificam conforme nos aproximamos do desfecho da obra. Sua duração de 1h37min provê fluidez para a narrativa, deixando uma vontade de assisti-la novamente para captar todos os detalhes.

    A direção de arte é outro ponto que precisa ser destacado. A dinâmica de troca de cômodos e cenários é parte importante da história. O trabalho de troca de itens, mudanças de objetos e móveis conforme acompanhamos os pensamentos e atitudes do personagem Anthony (Hopkins) é impactante e funciona muito bem.

    Por se tratar de um tema de fácil identificação, o drama consegue tocar em pontos importantes da vida adulta sem ser superficial. Com uma história simples e de pouca duração, nos conectamos rapidamente aos dramas de Anne (Colman) e Anthony, sendo natural nos colocarmos no lugar de ambos.

    Assim como O Som do Silêncio, a boa condução dos diálogos por parte dos atores principais, e a experiência imersiva na realidade que estamos presenciando fazem de Meu Pai uma produção tão impactante, merecendo todas as indicações ao Oscar deste ano.

    VEREDITO

    Meu Pai é uma grata surpresa dentre os filmes desta temporada de premiação. Trabalhando não só o drama de Anthony com sua doença, mas também retratando o impacto que a situação promove na vida de todas as pessoas ao redor, o longa se consagra como um dos melhores filmes do ano. Uma experiência devastadora, mas brilhante, que deveria ser assistida por todo mundo.

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Meu pai estará disponível para compra e aluguel nas plataformas NOW, iTunes, Google Play, Sky Play e Vivo Play a partir do dia 9 de abril.

    Assista ao trailer:

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Francis Ford Coppola: O Apocalipse de Um Cineasta (1991, MUBI)

    Francis Ford Coppola: O Apocalipse de Um Cineasta é um documentário lançado em 1991 e está disponível no catálogo do MUBI.

    Astros de Harry Potter que já morreram e talvez você não sabia

    Essa lista é uma homenagem a personagens de Harry Potter que marcaram nossas lembranças e seus intérpretes já não estão mais entre nós.

    CRÍTICA – Thor: Amor & Trovão (2022, Taika Waititi)

    Thor: Amor e Trovão é o mais novo filme do deus do trovão. Ao lado de Jane Foster, a Poderosa Thor, ele precisará derrotar um novo vilão.

    CRÍTICA – A Fera do Mar (2022, Chris Williams)

    A Fera do Mar é um longa animado da Netflix e conta com a direção de Chris Williams, além de Karl Urban (The Boys) no elenco de voz.