Início FILMES Crítica CRÍTICA – Olla (2019, Ariane Labed)

CRÍTICA – Olla (2019, Ariane Labed)

CRÍTICA - Olla (2019, Ariane Labed)

Olla é o curta-metragem escrito e dirigido pela atriz e diretora greco-francesa por Ariane Labed (O Lagosta), esposa do versátil Yorgos Lanthimos. O curta encontra disponível no serviço de streming MUBI.

SINOPSE

Depois de responder a um anúncio em um site de encontros para mulheres do leste da Europa, Olla (Romanna Lobach) deixa a Ucrânia e vai para os subúrbios franceses morar com Pierre (Grégoire Tachnakian), que vive com a mãe idosa (Jenny Bellay). No entanto, o subúrbio não é o que ela esperava, e nada sai como esperado.

ANÁLISE

Olla é um drama de 28 minutos que vai te deixar com uma sensação de desconforto e estranheza ao logo de toda sua breve duração, assim como em longa-metragem de diretores como Darren Aronofsky (Mãe!) e Yorgos Lanthimos (A Favorita).

O curta-metragem é incrivelmente bem dirigido, tem uma fotografia maravilhosa e segue uma narrativa bastante peculiar. Além disso, o curta toca em temas como sexo, solidão e exploração sexual.

Juntamente com, abordagem diante da situação do homem que vive à margem da marginalidade do subúrbio francês. O curta mostra bem que, não importa em qual país você vive, subúrbio é subúrbio em qualquer local do mundo.

A estreia de Ariane Labed na direção mostra que a diretora teve grande influência sobre a obra do seu cônjuge seja em sua maneira de filmar ou ao apresentar personagens que possuam um comportamento estranho, desconexo e subversivo com a realidade.

A mesma trabalha de forma bastante crua a nudez feminina seja em seu estado mais sensual ou diante da fragilidade da terceira idade.

O destaque do curta vai para bela atuação da atriz Romanna Lobach que apresenta estranheza, frieza e sensualidade. Principalmente com sua dança extremamente desconcertante da música “What Is Love-Haddaway.

Quanto a atuação Grégoire Tachnakian é repleta de excentricidade e apresenta um personagem com dificuldade de se relacionar com o sexo oposto. Infelizmente, ao contrário de Lobach, a atuação de Tachnakian não tem o mesmo brilho.

VEREDITO

Olla é uma ótima estreia de Ariane Labed na direção e mostra que ela irá seguir o mesmo caminho da estranheza e excentricidade de Yorgos Lanthimos.

Nossa nota

3,5 / 5,0

O MUBI é uma plataforma de streaming que disponibiliza títulos caracterizados como cult, ou seja, clássicos que, muitas vezes, acumulam diversos prêmios.

Tudo sobre WandaVision, série do Universo Marvel original do DIsney+Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – A Subida (2019, Michael Angelo Covino)
Próximo artigoCRÍTICA – Relatos do Mundo (2021, Paul Greengrass)
Eu sou apenas um rapaz latino-americano que curte quadrinhos, games, livros e cinema.