Início FILMES Crítica CRÍTICA – Os Segredos que Guardamos (2020, Yuval Adler)

CRÍTICA – Os Segredos que Guardamos (2020, Yuval Adler)

Os Segredos que Guardamos chegou a Amazon Prime Video em janeiro de 2021. O filme retrata a vida de uma família nos EUA pós 2ª Guerra Mundial

Os Segredos que Guardamos (The Secrets We Keep), filme de suspense dirigido por Yuval Adler, foi lançado em 2020 e recentemente chegou ao catálogo da Amazon Prime Video.

SINOPSE

Após a Segunda Guerra Mundial, Maja (Noomi Rapace) tenta construir sua vida junto ao seu filho e o marido Lewis (Chris Messina), até que a vida dessa família vira de ponta a cabeça, quando Maja resolve sequestrar o seu vizinho Thomas (Joel Kinnaman) em busca de sua vingança. 

ANÁLISE

Provavelmente você já ouviu falar sobre a Segunda Guerra e em como está ligada ao Nazismo da Alemanha, um grande e triste acontecimento na história mundial.

O enredo gira em torno dos efeitos catastróficos causados pelo Nazismo. A história retrata a vida de Lewis, um médico que ajudou os feridos na guerra, e sua esposa, Maja, mulher nascida na Romênia. Ambos criam o filho juntos.

Aparentemente, a vida dessa família num subúrbio nos Estados Unidos é bem normal. Entretanto, Maja tem grandes segredos que esconde do próprio marido.

O principal segredo faz com que ela resolva sequestrar Thomas, um vizinho que leva uma vida simples com a mulher e dois filhos.

Mas, que segredo é esse?

Essa mulher romena decide contar ao seu esposo o que tanto esconde dele, que tira o seu sono e que fez essa mulher ter que passar por acompanhamento psiquiátrico.

Logo, se vê obrigada a contar também que seu vizinho está no porta-malas do carro, pois acredita que ele é o homem que a violentou.

Os Segredos que Guardamos chegou a Amazon Prime Video em janeiro de 2021. O filme retrata a vida de uma família nos EUA pós 2ª Guerra Mundial

É nesse ponto o maior suspense do filme, pois Maja diz que não se lembra muito do que aconteceu. Ela recorda apenas alguns flashes que lhe permitem afirmar que era um soldado nazista acompanhado de outros que fizeram essa atrocidade.

Ao mesmo tempo, afirma que se lembra do assobio e do olhar, enquanto o sequestrado diz que não é alemão e que na época era apenas um escriturário na Suíça.

Então, o espectador fica no mesmo dilema que o companheiro: confia na esposa ou solta Thomas por acreditar que ele é inocente?

Além de ser suspense, Os Segredos que Guardamos também é um drama. Essa mistura é bem interessante, pois tenta abordar as sequelas na saúde mental e também nas relações entre uma comunidade.

Leia também:

The Wilds: Vidas Selvagens (1ª temporada, 2020, Amazon Prime Video)

A história mostra que os problemas não vão simplesmente embora quando a guerra termina. Pelo contrário, toda sociedade fica afetada e precisa lutar para deixar os traumas para trás.

Esta é uma das sutis críticas de Os Segredos que Guardamos: até mesmo algo que aconteceu há anos atrás pode nos afetar. Ou seja, será que conseguimos nos curar de todos os erros do passado?

Claro que Maja tem que lutar contra a sua própria mente para lembrar de tudo e conseguir convencer o seu marido que ela não está confundindo, que o homem sequestrado é o mesmo que a violentou.

Entretanto, sabemos que quando uma pessoa passa por um evento tão traumático ela pode esquecer vários detalhes importantes. No caso de Maja, tudo aconteceu no período da noite. Ou seja, estava bastante escuro.

Quantas vezes, mesmo nos dias atuais, nós mulheres somos desacreditadas? A situação não é tão diferente quanto na época em que o longa é ambientado.

Diversas mulheres resolvem denunciar e falar sobre os abusos sexuais que sofreram. Isso infelizmente as colocam em uma grande batalha para tentar provar a verdade, mesmo quando há evidências e testemunhas.

Ao mesmo tempo que se colocar no lugar do marido é essencial, segredos destroem a relação de confiança no outro. Sequestrar uma pessoa é excessivo, principalmente quando há grande possibilidade de ser apenas um inocente.

O objetivo de uma obra de Yuval Adler é: criar tensão e fazer com que tenhamos que ficar encaixando as peças junto com os personagens.

Grande destaque para a atuação da atriz Noomi Rapace que interpreta a Maja. Em diversas cenas, ela consegue passar a sensação de dúvida e dor.

Porém, a linguagem corporal da atuação de Joel Kinnaman, que interpreta Thomas, já entrega a verdade logo no começo. Isso retira o impacto da ambiguidade.

Retirar a maior parte da sensação de suspense foi o grande erro de Os Segredos que Guardamos. Aliás, o restante foi até um pouco previsível.

VEREDITO

Os Segredos que Guardamos é um bom filme, porém uma mudança de abordagem na atuação poderia ter entregue algo excelente.

Teria sido uma obra perfeita com aquele plost twist que todo mundo gosta, não é mesmo?

Se você é assinante da Amazon Prime Video e ficou curioso, assista ao filme e nos diga o que achou na sessão de comentários.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorPietro Maximoff: Conheça Mercúrio, o irmão da Feiticeira Escarlate
Próximo artigoCRÍTICA – DOOM Eternal (2020, Bethesda Softworks)
Carioca do interior, imigrante em BH que ama desenhar e apreciadora de cerveja de buteco, que luta para não falar "uai" e não falar muito mas acaba falhando; tipo agora.