CRÍTICA – Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo (2022, Daniel Kwan, Daniel Scheinert)

    Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo é o novo longa da produtora A24 e conta com Michelle Yeoh (Shang Chi) em seu elenco. O filme está disponível nos cinemas brasileiros.

    SINOPSE DE TUDO EM TODO O LUGAR AO MESMO TEMPO

    Evelyn (Michelle Yeoh) é uma mulher pacata que vive de forma infeliz com sua lavanderia e problemas de relacionamento com seu esposo, Waymond (Ke Huy Quan), e sua filha Joy (Stephanie Hsu).

    Entretanto, seus problemas ficam ainda maiores quando ela descobre que todo o multiverso está em perigo e ela é a única pessoa que pode salvar todos.

    ANÁLISE

    Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo é o tipo de longa que pode pegar os desavisados completamente de surpresa, pois conta com uma trama completamente alucinante e que nos suga para um multiverso de opções e reviravoltas mirabolantes extremamente divertidas.

    O trabalho realizado pelos Daniels foi sensacional com tão pouco dinheiro investido no projeto, cerca de 25 milhões de dólares, o que é considerado troco para grandes franquias como, por exemplo, Doutor Estranho: No Multiverso da Loucura, que não tem metade da criatividade e ousadia da obra da A24.

    O filme possui um monte de qualidades, uma vez que tem personagens carismáticos, ideias malucas, um texto que ora é filosófico, ora entra com tudo na galhofice de uma comédia pastelão, algo muito positivo para a dinâmica incrível apresentada aqui.

    Michelle Yeoh, Ke Huy Quan e Jamie Lee Curtis dão um show de atuação com muita fisicalidade e intensidade em seus diversos papéis dentro de Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo, visto que precisam entregar uma variação múltipla de personalidade dentro de situações bizarras que envolvem muita ação, drama e comédia. As atuações conseguem se destacar num contexto excelente de uma direção que mostra toda a sua competência com puro nonsense e referências deliciosas sobre cultura pop que estão por toda parte.

    De negativo, temos apenas talvez, e um talvez bem evidente aqui, a duração do longa, que nos deixa cansados em dado momento por conta da sua intensidade absurda. Em algumas cenas o longa poderia terminar, mas os Daniels optam por continuar mais um pouco, o que prejudica um pouco a experiência frenética de Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo.

    VEREDITO

    tudo em todo lugar ao mesmo tempo

    Com um roteiro simples, mas interessante, além de muita inventividade em sua execução, Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo é um dos filmes mais legais e inovadores dos últimos anos, mostrando que a A24 é sim uma referência em obras indie.

    Quem ainda não viu, dê uma chance, pois vale demais a pena!

    Nossa nota

    4,5/5,0

    Confira o trailer de Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Thor: Amor & Trovão (2022, Taika Waititi)

    Thor: Amor e Trovão é o mais novo filme do deus do trovão. Ao lado de Jane Foster, a Poderosa Thor, ele precisará derrotar um novo vilão.

    CRÍTICA – A Fera do Mar (2022, Chris Williams)

    A Fera do Mar é um longa animado da Netflix e conta com a direção de Chris Williams, além de Karl Urban (The Boys) no elenco de voz.

    CRÍTICA – Beauty (2022, Andrew Dosunmu)

    Beauty é um filme original da Netflix que mostra a história de uma cantora negra que tenta construir uma carreira de sucesso.

    TBT #183 | Platoon (1986, Oliver Stone)

    Platoon, de Oliver Stone sem dúvida está na lista dos fãs de filmes de guerra. Veja nossa clássica indicação de TBT!