Início FILMES Crítica CRÍTICA – Um Ninho Para Dois (2021, Theodore Melfi)

CRÍTICA – Um Ninho Para Dois (2021, Theodore Melfi)

CRÍTICA - Um Ninho Para Dois (2021, Theodore Melfi)

O mais recente drama da Netflix chegou ao catálogo do serviço de streaming nesta sexta-feira (24), Um Ninho Para Dois (The Starling).

O longa que teve sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Toronto em 12 de setembro de 2021 é estrelado por Melissa McCarthy, Chris O’Dowd, Kevin Kline, Timothy Olyphant e Skyler Gisondo.

SINOPSE

O bebê de Lilly (Melissa McCarthy) e Jack (Chris O’Dowd) morre, levando-o a uma internação em uma clínica de reabilitação devido ao sentimento intenso de tristeza. A esposa fica em casa sozinha e decide construir um jardim para ajudar o marido quando ele voltar à casa. Ela então passa a ser atormentada por um pássaro agressivo e decide procurar um veterinário (Kevin Kline) para saber como se livrar do animal de forma humana. O veterinário Larry costumava ser um psiquiatra, mas largou tudo para ajudar os animais, e acaba dando conselhos inesperados para Lilly.

ANÁLISE

Os Maynards sofrem após a morte de sua filha bebê de síndrome da morte súbita infantil, Jack está em um hospital psiquiátrico residencial enquanto a esposa Lilly permanece em casa, lidando com seus próprios sentimentos sozinha.

Como se os problemas de Lilly não fossem ruins o suficiente, um estorninho cujo ninho está em uma árvore em seu quintal começa a atacá-la e ela fica obcecada em impedir. Ela também dirige duas horas por semana para ver o marido e começa a se perguntar se ele realmente quer voltar para casa e como será a vida quando ele voltar.

Priorizando a dor de Jack sem controlar a dela, um conselheiro do hospital de Jack sugere que Lilly procure alguém para cuidar de sua saúde mental antes que ele volte para casa. Isso a leva ao escritório de Larry Fine, um psicólogo peculiar que virou veterinário. Como Fine agora é cínico de sua antiga profissão, seus conselhos atípicos são bem recebido por Lilly, não causando o aumento de barreiras.

VEREDITO

Normalmente filmes sobre luto são difíceis de assistir por causa de seu peso; afinal, quem nunca perdeu alguém especial?

Melissa McCarthy é conhecida pelas comédias como Esquadrão Trovão e apesar de não seu primeiro drama, seu lado comediante está presente, mas sem diminuir ou minar o assunto, algo incrivelmente difícil de fazer.

Apesar de Um Ninho Para Dois não ter agradado a crítica especializada, fui capaz de ter uma experiência positiva assistindo ao filme do diretor Theodore Melfi.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Missa da Meia-Noite (Minissérie, 2021, Netflix)
Próximo artigoCRÍTICA – Hot Wheels Unleashed (2021, Milestone)
Um carioca apaixonado por livros, cinema, games e que ama falar de nerdice.