Início FILMES Crítica CRÍTICA – Esquadrão Trovão (2021, Ben Falcone)

CRÍTICA – Esquadrão Trovão (2021, Ben Falcone)

CRÍTICA - Esquadrão Trovão (2021, Ben Falcone)

Esquadrão Trovão (Thunder Force) é o mais recente lançamento de ação/comédia da Netflix, que é escrito e dirigido por Ben Falcone (que também atua no longa).

No elenco temos Melissa McCarthy (Rainhas do Crime), Octavia Spencer (Vida e a História de Madam C.J. Walker), Jason Bateman (Ozark), Pom Klementieff (Vingadores: Ultimato), Bobby Cannavale (Eu, Tonya) e Kevin Dunn (Transformers).

SINOPSE

Em Esquadrão Trovão, um mundo onde super vilões são comuns, duas melhores amigas de infância, separadas pelo tempo, se reúnem depois que uma delas inventa um tratamento que lhes dá poderes para proteger sua cidade.

ANÁLISE

A premissa do novo longa da gigante do streaming quando anunciada – lá pelo início do ano passado – pareceu interessante: Uma comédia de super-heróis, onde duas mulheres adquirem superpoderes e lutam contra super-vilões.

Com um cast repleto de atores já consagrados e premiados, Esquadrão Trovão chega para provar que o poder dos bons atores não é sinônimo de vitória na luta contra um fraco roteiro e que a má distribuição de papéis é uma verdadeira kryptonita contra o sucesso.

A premissa completa

Um objeto não identificado cai na Terra e sua radiação altera o DNA de alguns seres vivos, incluindo – claro – os seres humanos e consequentemente dando-lhes superpoderes. Até aqui nada de novo para os fãs de quadrinhos!

Com o surgimento dos Meliantes (os super-vilões), o casal de geneticistas – pais da jovem Emily Stanton (Octavia Spencer) – trabalham para criar uma forma de conceder poderes para quem não teve habilidades adquiridas com o evento. Mas, são mortos pelos vilões antes de concluírem seu trabalho. Alguém disse Soro do Super Soldado? ou Richard Parker? Pois é. Nada de novo.

A escolha do elenco

Melissa McCarthy é sinônimo de comédia. Basta olhar para a atriz que logo você a reconhecerá de algum filme que lhe arrancou boas risadas. Com mais de 30 prêmios, incluindo o Emmy e mais de 100 indicações, além do Globo de Ouro e Oscar, e até o famigerado Framboesa de Ouro, a comédia para a atriz é como respirar. Logo, seu papel como a protagonista loser Lydia é o ponto alto do longa.

Octavia Spencer que é dona de 1 Oscar, 1 Globo de Ouro, 2 Critics Choice Awards, 3 Screen Actors Guild Awards e muitos outros; é absolutamente uma incrível atriz, mas nem todos possuem o dom da comédia.

Jason Bateman que no último domingo (4) venceu o SAG Awards na categoria de Melhor Ator em Série Dramática por Ozark (também da Netflix) transita excelentemente bem entre drama e comédia; que inclusive já atuou anteriormente com McCarthy na divertida comédia Uma Ladra Sem Limites, de 2013. Seu personagem, o Caranguejo, é personificação do drama/comédia.

VEREDITO

Como em um mundo aterrorizado por super-vilões, não há super-heróis? Como um evento em escala global não tem efeito global? Bom, é um filme de comédia e tudo isso é irrelevante. O importante é o entretenimento e as boas risadas, certo? Mais ou menos.

Com um roteiro fraco como a Jubileu (da Marvel) ou o Zan (da DC), infelizmente, Esquadrão Trovão não atinge seu objetivo e tropeça pelo caminho.

Lydia (McCarthy) e Caranguejo (Bateman) roubam a cena, talvez muito provavelmente por seus trabalhos anteriores na comédia e até mesmo juntos. Ambos estão confortáveis em seus respectivos papéis e mais parecem os protagonistas do longa.

Emily (Spencer) é a própria definição de seu superpoder: invisibilidade. A atriz não parece confortável com sua personagem e em muitos momentos nem parece estar ali (seria engraçado se não fosse triste). A carga dramática imposta pelo roteiro e o peso do legado da personagem, parecem ter sido criados mais para a atriz que para a própria personagem. O sentimento é de um grande e absoluto desperdício de talento.

No quesito “esquecidos no churrasco” estão também os atores Pom Klementieff, Melissa Leo e Kevin Dunn. Estarem presentes ou não, não faria diferença.

Por outro lado, Bobby Cannavale está divertido como O Rei, o político/vilão que é o típico lobo na pele de cordeiro; além de seu humor estar no mesmo tom de Melissa McCarthy e Jason Bateman.

Esquadrão Trovão é mais um grande quase, nos muitos lançamentos da gigante do streaming. Para nossa sorte a plataforma vem investindo pesado na qualidade de seus projetos e vem dominando as premiações do cinema com outros títulos como Judas e o Messias Negro, A Voz Suprema do BluesO IrlandêsMankOs 7 de Chicago e muitos outros.

Nossa nota

2,0 / 5,0

Assista ao trailer legendado:

Esquadrão Trovão chega ao catálogo da Netflix hoje, 9 de abril.

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorTBT #119 | Atraídos pelo Destino (1994, Andrew Bergman)
Próximo artigoNoites Sombrias #9 | 8 filmes para assistir de graça no Festival Fantaspoa 2021
Um carioca apaixonado por livros, cinema, games e que ama falar de nerdice.