Início FILMES Crítica CRÍTICA – Uma Mulher no Limite (2019, Abner Pastoll)

CRÍTICA – Uma Mulher no Limite (2019, Abner Pastoll)

CRÍTICA – Uma Mulher no Limite (2019, Abner Pastoll)

Uma Mulher no Limite (A Good Woman Is Hard to Find), thriller dirigido por Abner Pastoll, estreou nas plataformas digitais no dia 7 de maio. Protagonizado por Sarah Bolger, o longa apresenta a história de uma jovem mãe que tenta retomar sua vida após o assassinato de seu marido.

SINOPSE

Após o assassinato de seu marido, uma mulher busca por respostas. Cansada de sofrer na mão dos homens ao seu redor, ela resolve tomar as rédeas da própria vida e planejar sua vingança.

ANÁLISE

Uma Mulher no Limite é um longa diferenciado que consegue surpreender em vários momentos de sua trama. Um dos seus grandes trunfos é a ótima atuação de Sarah Bolger que consegue se adaptar muito bem ao desenvolvimento de sua personagem, também chamada Sarah.

No roteiro de Ronan Blaney, Sarah é uma mulher vulnerável que se encontra em uma situação difícil após o assassinato de seu marido. Com o aparente descaso da polícia local sobre o caso, Sarah tenta buscar justiça ao mesmo tempo em que precisa cuidar de suas duas crianças pequenas.

Sem renda, morando em um bairro perigoso e sendo constantemente assediada pelos homens à sua volta, é quase impossível não sentir raiva ou angústia ao assistir todos os desafios que a personagem precisa superar ao longo dos 97 minutos de filme.

CRÍTICA – Uma Mulher no Limite (2019, Abner Pastoll)

Em meio a todo esse contexto, Sarah acaba se envolvendo – de modo inusitado – em uma rede de crimes executados pelas gangues locais. E é nesse momento que a personagem deixa de ser vulnerável e assume o controle de sua própria vida.

A construção do suspense é gradual e bem conduzida, criando espaço para o grande clímax final. Matthew Pusti fez um ótimo trabalho de trilha sonora para Uma Mulher no Limite. Suas composições criam momentos tensos e instigantes, principalmente quando temos Sarah e Leo Miller (Edward Hogg) em cena.

O longa possui boas doses de humor, sem que isso quebre os momentos de ação e suspense. Algumas cenas pitorescas, como as que envolvem o vibrador rosa de Sarah, são divertidas, mas também encontram espaço para tecer algumas críticas.

Mesmo que no trailer passe a impressão de que se trata de um grande filme de vingança, com muitas cenas de ação e violência, Uma Mulher no Limite está mais para uma ideia similar à Bela Vingança. Por mais que haja, obviamente, cenas de violência, não há uma visão masculinizada da personagem principal como uma grande justiceira.

CRÍTICA – Uma Mulher no Limite (2019, Abner Pastoll)

Por se tratar de um filme independente, as locações são pequenas e, da mesma forma, são as cenas de ação. Não há grandes efeitos especiais envolvidos na história e claramente o orçamento foi usado em cenas muito específicas envolvendo próteses e sangue. Entretanto, o que poderia “faltar” em grandes cenas de ação é compensado em todo o restante. É uma produção pequena, mas bem executada.

VEREDITO

Uma Mulher no Limite me surpreendeu positivamente. Um filme que possui a dose certa de ação, suspense e humor, entregando uma produção com grande qualidade técnica.

Nossa nota

3,5/5,0

Uma Mulher no Limite está disponível na Claro Now, Vivo Play, Sky Play, Google Play, YouTube Filmes e iTunes/Apple TV para compra e aluguel.

Assista ao trailer

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Castlevania (4ª temporada, 2021, Netflix)
Próximo artigoCRÍTICA – Resident Evil Village (2021, Capcom)
Relações-Públicas de formação. Com pós-graduação em Star Wars e universo expandido, mas Trekker de coração. Defensora de todos os Porgs, Ewoks e criaturas fofinhas da galáxia.