Início FILMES Artigo Noites Sombrias #11 | Conheça os Warren e o caso de Invocação...

Noites Sombrias #11 | Conheça os Warren e o caso de Invocação do Mal 3

Noites Sombrias #11 | Conheça os Warren e o caso de Invocação do Mal 3

Edward e Lorraine Warren foram investigadores paranormais americanos e autores associados a casos proeminentes de assombrações. Ed era um demonologista autodidata e autoproclamado, autor e conferencista; já Lorraine se dizia ser vidente e uma médium em transe leve que trabalhava intimamente com seu marido.

Em 1952, os Warren fundaram a Sociedade de Pesquisa Psíquica da Nova Inglaterra (NESPR), o grupo de caça fantasma mais antigo da Nova Inglaterra e são autores de muitos livros sobre o paranormal. Eles alegaram ter investigado mais de 10.000 casos e muitos desses casos ficaram tão famosos que alguns serviram como inspiração para filmes e livros.

No cinema, as histórias do casal Warren foram adaptadas com Invocação do Mal (The Conjuring), de 2013, interpretados por Patrick Wilson e Vera Farmiga. O longa de James Wan teve um orçamento míseros US$ 20 milhões e arrecadou mundialmente – pasmem – US$ 319 milhões em bilheteria! Com um sucesso estrondoso, Wan garantiu a sequência Invocação do Mal 2 (The Conjuring 2), de 2016 e criou o que viria a ser entre os fãs: O “Invocaverso”.

Vera Farmiga, Lorraine Warren e Patrick Wilson.

O “Invocaverso” é composto pelos longas já citados e também por: Annabelle (2014) e Annabelle: A Criação do Mal (2017), A Freira (2018) e Annabelle 3: De Volta Para Casa (2019) e tornou-se a maior franquia de terror da história, arrecadando mais de US$ 1,8 bilhão em todo o mundo.

A franquia Invocação do Mal retorna em 2021 com mais uma adaptação das histórias paranormais do casal Warren, dessa vez com o caso real de Arne Cheyenne Johnson, em Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio, conhecido como “Devil Made Me Do It” (O Diabo me fez fazer).

Arne foi o responsável pelo primeiro processo judicial conhecido nos Estados Unidos em que a defesa procurou provar inocência com base na alegação do réu de posse demoníaca e negação de identidade pessoal. 

No elenco Charlene Amoia (Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa) será Judy Glatzel, Sarah Catherine Hook (Lei & Ordem) como a filha Debbie Glatzel, Julian Hilliard (A Maldição da Residêncial Hill) interpreta o filho David e o ator Ruairi O’Connor está na lista como Arne Cheyenne Johnson.

A possessão demoníaca de Arne Cheyenne Johnson

De acordo com testemunhos da família Glatzel, David Glatzel, de 11 anos de idade foi o primeiro hospedeiro do demônio e, após alguns dias, este saiu e entrou em Johnson, forçando-o a matar Alan Bono.

Arne e sua namorada Debbie Glatzel contaram a versão dos fatos para um episódio no Discovery Chanel. Durante a entrevista, eles alegaram ser testemunhas oculares de possessão demoníaca, e ambos foram inflexíveis em seu apoio à lembrança dos eventos dos Warrens. Eles afirmaram que a atividade paranormal começou depois que eles foram limpar um imóvel alugado que acabavam de adquirir. David, o irmão mais novo de Debbie, contou a eles que um velho apareceu, empurrando e aterrorizando-o. O casal inicialmente pensou que David estava usando o fato como desculpa para evitar a limpeza, mas David informou que o velho prometeu prejudicar os Glatzels se eles se mudassem para a casa alugada.

Depois que David experimentou terrores noturnos, exibiu um comportamento estranho e obteve arranhões e contusões inexplicáveis, a família chamou os serviços de um padre católico, que tentou abençoar a casa. A família aterrorizada concluiu que a casa era má e não continuaria a alugá-la.

Após testemunharem várias ocorrências envolvendo David, a família, assustada, decidiu pedir ajuda para Ed e Lorraine Warren para “curar” David. 

Em uma entrevista à revista People, Lorraine declarou que enquanto Ed entrevistava o garoto ela viu uma névoa preta próxima a David, um sinal de que algo maligno o cercava. Os pais dele também buscaram ajuda psiquiátrica, que não encontrou nada fora do comum. Para os Warren estava nítido que se tratava de um caso de possessão demoníaca.

O casal passou a exorcizar David por vários dias, concluindo quando, de acordo com os presentes, um demônio fugiu do corpo da criança e se estabeleceu em Arne Cheyenne Johnson.

Em outubro de 1980 os Warren alertaram a polícia de que a situação se tornaria ainda pior. Ed afirmou que durante um dos exorcismos Johnson cometeu um erro crucial: ele se ofereceu aos demônios para que possuíssem o seu corpo no lugar do pequeno cunhado. Dizem que dias após este exorcismo um demônio atacou Arne Cheyenne Johnson possuindo seu carro e lhe causando um acidente, do qual ele saiu ileso.

A situação de David piorou e Debbie decidiu que era hora de se mudar dali com seu namorado. Ela foi contratada por Alan Bono para trabalhar em um canil e, além disso, ele alugou um lugar para o casal morar. Logo depois disso, foi Johnson quem começou a agir de forma estranha: entrava em transe, rosnava e tinha alucinações. Não demorou muito para que começasse a ter lapsos de memória.

O assassinato

O crime aconteceu em 16 de fevereiro de 1981, depois de Arne e Debbie se reunirem com sua prima de 9 anos, Mary, sua irmã Wanda e seu senhorio Alan Bono para um almoço no canil onde trabalhavam. Após o almoço, sua namorada Debbie e as garotas saíram mas logo retornaram encontrando Johnson e Bono embriagados e com os ânimos exaltados. Todos saíram do recinto a pedido de Debbie, exceto Bono, que agarrou Mary e se recusava a soltá-la. Com isso, Johnson retornou ao cômodo e exigiu que ele soltasse a menina. 

Arne Cheyenne Johnson então, rosnando como um animal, pegou um canivete e esfaqueou Alan Bono repetidamente. Bono havia sofrido “quatro ou cinco feridas”, principalmente no peito, e uma que se estendia do estômago até a base do coração, vindo a falecer várias horas depois.

O assassino foi encontrado a cerca de 3km do crime e conduzido para o Centro Correcional de Bridgeport sob fiança de US$ 125.000. Este foi o primeiro assassinato na história de Brookfield, Connecticut.

Todo este histórico de problemas com demônios da família Glatzel foi reunido em um dossiê pelo advogado de Arne, Martin Minella. A defesa argumentou em tribunal que ele estava possuído, mas o juiz decidiu que tal defesa nunca poderia ser provada e, portanto, era inviável em um tribunal. 

O plano de Minella era intimar padres que participaram dos exorcismos para testemunharem na defesa de seu cliente. Porém, a estratégia virou motivo de piada para o júri e para a imprensa – que consultou parapsicólogos que contestariam esta narrativa. O réu foi condenado a 20 anos de prisão, embora tenha cumprido apenas cinco.

Críticas

De acordo com uma entrevista de 1997 para o Connecticut Post, Steve Novella e Perry DeAngelis investigaram Ed e Lorraine Warren para a New England Skeptical Society (NESS). Eles descreveram o casal como pessoas agradáveis, mas suas afirmações sobre demônios e fantasmas eram “na melhor das hipóteses, histórias de fantasmas sem sentido e, na pior, fraudes perigosas”.

Steve e Perry examinaram todas as evidências que os Warren coletaram de espíritos e fantasmas, assistiram aos vídeos e analisaram as melhores evidências que os Warren tinham. Eles chegaram à conclusão de que esses materiais não eram provas contundentes. E você, “pagaria pra ver”?

Invocação do Mal 3: A Ordem do Demônio chega aos cinemas no dia 3 de junho de 2021. Assista ao primeiro trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.