Noites Sombrias #77 | X – A Marca da Morte (2022, Ti West)

    X – A Marca da Morte é um longa da A24 elogiado pela crítica especializada e a escolha do Noites Sombrias #77. O filme é dirigido por Ti West.

    SINOPSE DE X – A MARCA DA MORTE

    Um grupo de jovens decide filmar um filme pornográfico nos anos 1979 em um estado bastante conservador dos Estados Unidos. Eles alugam um local que conta com moradores bastante peculiares e agora correm perigo.

    ANÁLISE

    X – A Marca da Morte é uma obra diferentona, pois traz uma temática nova dentro de um subgênero clássico de terror como o slasher.

    Por mais que os assassinos sejam pessoas fragilizadas por serem idosos, há uma boa sacada de Ti West que consegue utilizar os cenários a favor dos dois maníacos. Cada lugar conta com alguma surpresa, seja um prego, ou algum animal monstruosamente grande.

    A direção de Ti West é excelente, usando enquadramentos diferentes, com câmeras aéreas, por exemplo, além de cortes precisos. Nas cenas de sexo, ele filma num formato bastante soft, deixando na subjetividade tudo, mas com um toque de filmes eróticos noventistas que explicitam bastante coisa. A fotografia lavada e o aspecto sujo e incômodo do lugar lembra e muito O Massacre da Serra Elétrica dos anos 70 de Tobe Hopper.

    Já nas de violência, há um grafismo grande aqui, com cenas bem impactantes. Por mais que não sejam mortes torturantes, elas são bem cruas e violentas, com um gore bem executado.

    Sobre o texto, há na entrelinha um desejo reprimido de uma família excessivamente conservadora e também as agruras do peso da idade. O discurso de que a terceira idade é a melhor cai por terra, pois as dificuldades do corpo que já não aguenta mais e não consegue fazer coisas simples como dar e receber prazer. A dicotomia entre a juventude transviada e que não mede as consequências dos seus atos, assim como o último resquício de felicidade de uma idosa são pontos bastante interessantes dentro de uma conversa sobre liberdade, hipocrisia, desejo e pudor demasiado.

    As atuações são excelentes, com destaque para Jenna Ortega, um nome que vai ressoar por Hollywood por conta de seu segundo trabalho bem feito, pois outrora ela esteve em Pânico 5. Mia Goth consegue entregar também uma atuação muito boa, principalmente no que se refere à fisicalidade de suas performances como Maxine e Pearl, que receberá um prequel.

    VEREDITO

    x - a marca da morte

    X – A Marca da Morte é um filme excelente e que traz discussões interessantes sobre o ciclo da vida. Por trás de um texto subliminar, temos um slasher divertido e que vai agradar os amantes de terror convencional.

    Nossa nota

    4,0/5,0

    Confira o trailer de X – A Marca da Morte:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    TBT #266 | ‘Protegendo o Inimigo’ mostra o que o gênero de espionagem tem de melhor

    Protegendo o Inimigo de 2012 é estrelado por Ryan Reynolds e Denzel Washington. O longa conta uma história de gato e rato entre espiões e a CIA.

    CRÍTICA: ‘O Menino e a Garça’ é um desabafo sobre passado, presente e futuro

    O Menino e a Garça é dirigido por Hayao Miyazaki. O longa conta a história do jovem Mahito que precisa resgatar sua mãe em um mundo fantástico.

    CRÍTICA: ‘O Mal que nos Habita’ um álbum de death metal em formato de filme de terror

    O Mal que nos Habita é o mais novo longa de horror argentino que tomou o mundo. Repleto de body horror e sequências de terror, você se surpreenderá.

    TBT #265 | ‘Kill Bill’ é um clássico atemporal de vingança

    Kill Bill Vol. 1 é estrelado por Uma Thurman no papel da Noiva, uma heroína em busca de vingança por tudo que foi tirado dela.