O Peso do Talento: Saiba tudo sobre o filme do Nicolas Cage

    Nicolas Cage estrela como… Nick Cage na comédia de ação O Peso do Talento. Criativamente insatisfeito e enfrentando uma crise financeira, a versão ficcional de Cage deve aceitar a quantia de 1 milhão de dólares para participar do aniversário de um superfã Javi (Pedro Pascal). As coisas tomam um rumo inesperado quando Cage é recrutado por uma agente da CIA (Tiffany Haddish) e forçado a viver de acordo com sua própria lenda, canalizando seus personagens mais icônicos e amados na tela para salvar a si mesmo e seus entes queridos.

    Dos cineastas Tom Gormican e Kevin Etten, O Peso do Talento é uma sincera, autêntica e hilária carta de amor para Nicolas Cage. “Nicolas Cage é incrivelmente talentoso e pode fazer qualquer gênero”, diz o diretor/co-roteirista Tom Gormican.

    “Você o viu em comédias românticas como O Feitiço da Lua. Você o viu em comédias como Um Homem de Família. Você o viu em dramas. Você o viu em filmes de vanguarda como Mandy e Coração Selvagem. Você o viu em grandes franquias, filmes de ação como Con Air, A Outra Face e A Lenda do Tesouro Perdido. Há poucos atores que podem fazer todos os gêneros igualmente bem, que podem mudar da comédia ao drama – às vezes dentro do mesmo projeto – e isso é fascinante para mim”.

    O longa estreia dia 12 de maio nos cinemas de todo o Brasil. Conheça mais sobre a produção e sobre o trabalho desenvolvido pela equipe.

    A Origem da ideia

    “Nick se tornou algo que transcende ser um ator”, diz Gormican. “Ele se tornou uma figura cultural. À medida que a cultura se torna mais estranha, e as escolhas de moda ficam mais exóticas, você pode traçar como uma linha direta de volta ao santo padroeiro da estranheza, Nicolas Cage. Só de ver o rosto dele as pessoas ficam felizes. Isso é muito interessante e me fez querer cavar mais fundo e descobrir quem ele realmente é”.

    As ideias intrigantes e desordenadas de Gormican atraíram Cage. “Eu chamo Tom de ‘O Cérebro’”, diz Nick, “porque o
    filme é realmente sua fantasia, selecionada a partir de percepções na mídia e na internet, bem como pílulas da minha
    vida pessoal que se tornaram públicas. Está misturado com o conhecimento de entrevistas que fiz e coisas que
    sempre me interessou e me atraiu por este caminho. Essencialmente, o filme é uma imaginação baseada na interpretação de Tom de como minha vida pode ser”.

    O roteiro começou como um “ato de boa de fé”, de acordo com o co-roteirista e produtor executivo Kevin Etten. O projeto foi escrito com especificações, com o objeto de estudo não tendo conhecimento dos planos dos cineastas. “Ele não nos conhecia e não tínhamos um portfólio que ele pudesse verificar”, diz Etten.

    Cage estava inicialmente relutante em participar. “Eu não tinha interesse em me interpretar em um filme”, lembra ele. “Mas recebi uma carta muito legal de Tom e li seu roteiro. O primeiro ato realmente me aterrorizou e quando cheguei aos atos dois e três, pensei, Tom está nos levando em uma aventura que é realmente bastante emocionante”.

    A carta, lembra Etten, “descrevia de maneira ponderada por que queríamos fazer o projeto, que seria um verdadeiro trabalho de amor para nós, porque amávamos Nick e queríamos celebrá-lo – e trabalhar com ele”. “Queríamos deixar claro que não estávamos tirando sarro de Nicolas Cage”, acrescenta Gormican. “O filme seria uma homenagem a sua filmografia, abrangendo diversos gêneros diferentes em uma única produção”.

    Foi a paixão de Gormican e Etten pelo trabalho de Cage, compartilhada por milhões em todo o mundo, que os inspirou a desenvolver a ideia. “Há tanta admiração por ele e as pessoas querem que ele faça sucesso”, aponta Gormican. “Pensamos, como será que ele realmente é como pessoa?”

    No filme, “Nick Cage” é uma versão fictícia do astro de Hollywood, imaginada como um ator outrora altamente respeitado
    que caiu em tempos difíceis e anseia por um retorno à glória e prestígio de bilheteria. Mas seu declínio na carreira é apenas um de seus problemas. A megalomania do falso Cage envenenou seus relacionamentos com sua ex-esposa Olivia (Sharon Horgan) e filha Addy (Lily Sheen), embora ele não perceba as coisas dessa forma.

    A versão fictícia de Cage está se sentindo insatisfeita e rejeitada, mas nada disso poderia estar mais longe da realidade de Nicolas Cage. O ator recentemente recebeu algumas de suas melhores críticas (em uma carreira de boas críticas) por seu desempenho no longa Pig. “Esta é a versão inventada por Tom de Nick Cage – uma versão neurótica e altamente ansiosa”, diz ele. “Este filme é uma verdadeira viagem da minha cabeça”.

    LEIA TAMBÉM | CRÍTICA – O Peso do Talento (2022, Tom Gormican)

    A escolha por Pedro Pascal

    Como já se sabe, o grande parceiro de Nicolas Cage neste filme é o ator Pedro Pascal. Conhecido por seus papeis em Narcos, Game of Thrones e The Mandalorian, Pascal é um dos nomes em maior ascensão em Hollywood.

    No longa, ao chegar em Mallorca e ser recebido pessoalmente por Javi (Pedro Pascal), Nick passa por um check-out completo até que descobre que ele e seu anfitrião têm muito em comum, criando uma amizade. “Ambos são cinéfilos, compartilhando o amor por tudo, desde O Gabinete do Dr. Caligari até As Aventuras de Paddington 2”, diz Cage. “Javi tem até uma estátua de cera de Nick.”

    Javi serve como uma espécie de personificação para as obsessões dos cineastas. “Javi incorpora todo o nossos próprio amor de fanboy por Nick”, diz Etten. Acontece que o ator escalado para interpretar Javi também é um grande fã de Nicolas Cage.

    Etten lembra o momento em que tudo se encaixou para Pedro Pascal, Gormican e ele próprio. “Tom e eu almoçamos com
    Pedro, e o que o colocou no topo para nós foi que ele não é apenas um grande ator, mas um verdadeiro admirador do trabalho de Nick. Isso está embutido em quem Pedro é – um verdadeiro fã de cinema e fã de Nick. Então, a sua escalação funcionou em muitos níveis”.

    Pascal concorda. “Muito do motivo pelo qual me tornei ator tem a ver com Nicolas Cage”, diz ele. “O que eu amei
    sobre o roteiro é que é uma história de amizade e aventura em torno de um artista que todos nós aprendemos a amar
    ao longo dos anos. Em última análise, o que une Nick e Javi é o amor por contar histórias. É o elo de conexão entre eles. Javi tem medo de muitas coisas, então ele vive sua vida indiretamente através das performances ousadas de Nick. A visita do ator o inspira a correr riscos em sua própria vida”.

    “Pedro interpretou, de forma memorável, muitos personagens de ação, então conhecê-lo e descobrir que ele era um superfã de Nick Cage, e ansioso para falar sobre o que o trabalho de Nick significou para ele, solidificou para nós o personagem de Javi”, diz Gormican. “Pedro foi capaz de interpretar esse personagem de uma maneira que cruzou a linha entre ser fã e ser
    perigoso e assustador – todas essas personalidades diferentes juntas”, continua Gormican.

    O Santuário de Cage

    Uma pela chave na história é a sala de recordações de Javi, que ele dedicou ao seu amor ilimitado pelo trabalho de Nick. Tendo sido selecionado pela CIA para espionar Javi, Nick começou a suspeitar do homem, então ele está em alerta máximo quando Javi o leva para uma sala secreta… que acaba sendo um luxuoso santuário para Nicolas Cage, abrigando uma
    infinita variedade de adereços, figurinos – e até algumas recriações em tamanho real do ator em seu aclamado
    thriller de ação A Outra Face.

    “Adorei construir aquele set”, acrescenta o desenhista de produção Kevin Kavanaugh. “Me diverti muito escolhendo diferentes elementos dos filmes de Nick que significariam para esse filme e sua incrível carreira. Nós também recriamos alguns adereços, incluindo o coelho queimado de Con Air, as fraldas de Arizona Nunca Mais e a mão de Feitiço da Lua”.

    Mas o que mais está contido no museu de Javi?

    Roteiros de O Senhor das Armas, A Lenda do Tesouro Perdido e Despedida em Las Vegas. Placas de Sonhos Rebeldes, A Outra Face e Arizona Nunca Mais. Aereços preciosos, como as armas de ouro de A Outra Face, o bilhete de loteria de Atraídos pelo Destino, a serra-elétrica de Mandy e a tocha de A Lenda do Tesouro Perdido.

    Em outro momento, Gormican recria Despedida em Las Vegas, o filme que rendeu a Cage seu Oscar. No filme, o personagem de Cage está em seu momento mais depressivo, bebendo uma cerveja em uma piscina. “Nós construímos uma piscina e um tanque, e expliquei a Nick que ele deveria estar no fundo da piscina e tomar uma cerveja”, conta Gormican. “Quando expliquei a mecânica da cena, Nick rapidamente interveio: Tom, Tom, Tom, eu sei. Eu já fiz isso.” Foi onde a realidade e a carreira de Nicolas Cage colidiram e nós dois começamos a rir”.

    Assista ao trailer:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Instinto Assassino (2022, David Hackl)

    Instinto Assassino é um filme original da Netflix e conta com a direção de David Hackl, além de Mel Gibson e Famke Janssen no elenco.

    CRÍTICA – Tico e Teco: Defensores da Lei (2022, Akiva Schiffer)

    Mais de três décadas após o cancelamento da série animada, Tico e Teco: Defensores da Lei agora tem um novo filme disponível no Disney+.

    CRÍTICA – Top Gun: Maverick (2022, Joseph Kosinski)

    Mais de três décadas se passaram do clássico Top Gun: Ases Indomáveis (1986) e agora Tom Cruise está de volta com Top Gun: Maverick!

    Noites Sombrias #67 | Jason Vai Para o Inferno: A Última Sexta-Feira 13 (1993, Adam Marcus)

    Jason Vai Para o Inferno é o sexto filme da franquia de um dos ícones da cultura pop e que trouxe um misto de sentimentos na crítica.