Início FILMES PVT Chat: Julia Fox, atriz de Joias Brutas retorna em primeiro trailer...

PVT Chat: Julia Fox, atriz de Joias Brutas retorna em primeiro trailer de filme

PVT Chat

Depois de entregar uma das melhores performances dos últimos anos em Joias Brutas, Julia Fox está de volta em seu mais novo papel. O PVT Chat de Ben Hozie, que estreou no Fantasia Fest ano passado, é um psicossexual noir seguindo a personagem de Fox, que interpreta uma cam girl que forma um vínculo com um cliente. Agora com lançamento previsto para o início de fevereiro, o primeiro trailer e pôster chegaram.

Mike Mazzanti disse em sua cobertura do Fantasia Fest:

“Um filme complicado e confuso que joga com ideias de erotismo na era digital, PVT Chat é repulsivo, atraente e sombriamente cômico. O filme se concentra obsessivamente em Jack, um jogador online pseudo-intelectual e egocêntrico cujo principal meio de conexão humana é com modelos de câmeras. Seu auto engrandecimento é onde o filme obtém a maior parte de sua repulsão.” 

PUBLICAÇÃO RELACIONADA:

CRÍTICA – Joias Brutas (2019, Benny Safdie e Josh Safdie)

Uma modelo, Scarlett, interpretada pela atriz Julia Fox, torna-se o centro de suas fixações. Por meio de uma conexão digitalizada e distanciada (e para Jack, totalmente fantasiada), Jack acredita que Scarlett é a companheira perfeita para sua existência solitária. 

Scarlett, por outro lado, é uma figura mais tangível e cheia de nuances, trazendo o coração para o PVT Chat, mesmo quando é frustrantemente difícil discernir se o diretor Ben Hozie realmente acredita que a câmera é uma forma autêntica de trabalho. 

Veja o trailer e o pôster (via Indiewire) abaixo:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA | Saga – Vol. 2 (2015, Devir)
Próximo artigoCRÍTICA – O Amor de Sylvie (2020, Eugene Ashe)
Eu sou apenas um rapaz latino-americano que curte quadrinhos, games, livros e cinema.