Início FILMES Crítica TBT #138 | O Homem Duplicado (2013, Denis Villeneuve)

TBT #138 | O Homem Duplicado (2013, Denis Villeneuve)

O Homem Duplicado

Na expectativa pelo lançamento do remake de Duna, sob a direção do gigante Denis Villeneuve, nosso TBT hoje traz O Homem Duplicado, um dos filmes que mais tem a cara do diretor.

Com uma das parcerias que mais funcionam no cinema (segundo vozes da minha cabeça), o ator Jake Gyllenhaal faz uma de suas mais incríveis apresentações.

SINOPSE

Adam Bell é um professor de história entediado com sua rotina. A vida dele muda completamente quando ele assiste a um filme e descobre que tem um sósia. Em busca desse ator, Adam cria uma verdadeira obsessão e começa a perseguir o homem.

ANÁLISE

Repetindo a parceria de sucesso de Os Suspeitos (2013) Villeneuve e Gyllenhaal dão aula sobre o que fazem de melhor. É possível ver muitas influências de outros trabalhos do diretor aqui (como Sicario: Terra de Ninguém), e também podemos ver algumas características também identificadas em grandes obras mais atuais.

“É tudo uma questão de controle. Toda ditadura tem uma obsessão”

Em O Homem Duplicado (Enemy, no original), o diretor não poupa esforços em trazer, tanto na fotografia quanto na trama, a mais pura transcrição da obra de mesmo nome de José Saramago.

A paleta de cores com seus tons sempre amarelados e com pouca iluminação, aliada às cenários que sempre mostram muitos prédios ou paredes, fortalecem o sentimento de aprisionamento.

O sufoco, trazido pelos takes melancólicos e propositalmente demorados, só agrava este sentimento. Se o filme é difícil de entender, prestar atenção nestes detalhes explica muita coisa.

“O caos é uma ordem ainda indecifrável”

O Homem Duplicado

Jake Gyllenhaal, talvez um dos melhores atores e mais subestimados (quase no nível Nicolas Cage) faz um trabalho absurdo vivendo dois personagens diferentes que são na verdade a mesma pessoa. A forma como ele incorpora trejeitos e facetas de personalidade em cada um permitem que o público entenda perfeitamente quem é quem (quando o roteiro tem esta intenção).

VEREDITO

Temos em O Homem Duplicado uma obra densa, que dificilmente será compreendida sendo assistida apenas uma vez. O desenvolvimento de certa forma arrastado e a conclusão abrupta deixam uma sensação de “mas e aí”. No entanto, as respostas estão desde o começo expostas. Nós só precisamos chegar ao fim para descobrir as perguntas certas.

Nossa nota

5,0 / 5,0

O Homem Duplicado está disponível no MUBI.

Assista ao trailer legendado:

O Homem Duplicado não está atualmente em nenhum dos grandes streamings, mas pode ser assistido através do Net NOW, Vivo Play, Google Filmes e Apple iTunes.

LEIA TAMBÉM:

Denis Villeneuve: 5 filmes para conhecer o diretor de Duna

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – For Life (1ª temporada, 2020, ABC)
Próximo artigoLa Casa de Papel: Netflix apresenta novos personagens da parte 5
Vindo do interior do interior do RS, fã de Cornwell, Zelda e do Fernandão, (péssimo) piadista, dá pitaco sobre quase tudo. Amante da cerveja, gosta de estudar diferentes culturas, leciona FIFA nas horas vagas e tem um cachorro chamado Salomão.