Início FILMES Crítica TBT #150 | Homem-Aranha 2 (2004, Sam Raimi)

TBT #150 | Homem-Aranha 2 (2004, Sam Raimi)

Homem-Aranha 2

A trilogia do Homem-Aranha de Sam Raimi é considerada por muitos um dos grandes precursores do Universo Cinematográfico Marvel como o conhecemos hoje. Homem-Aranha 2 é não apenas um marco para o Amigão da Vizinhança, mas também para o cinema de heróis, como o filme mais bem avaliado de Sam Raimi, com 93% da crítica especializada no Rotten Tomatoes.

Homem-Aranha 2 é um dos filmes mais marcantes e bem dirigidos e mesmo depois de 17 anos após seu lançamento é considerado por muitos fãs, como o melhor filme do Homem-Aranha já feito.

SINOPSE

Quando uma falha na experiência de fusão nuclear resulta em uma explosão que mata sua esposa, o Dr. Otto Octavius (Alfred Molina) é transformado em Dr. Octopus, um ciborgue com tentáculos de metal. Doutor Octopus culpa o Homem-Aranha pelo acidente e quer vingança. Enquanto isso, o alter ego do herói, Peter Parker (Tobey Maguire), perde seus poderes. Para complicar as coisas, o seu melhor amigo odeia o Homem-Aranha e sua amada fica noiva.

ANÁLISE

Após os acontecimentos de Homem-Aranha (2002) ainda repercutirem na vida de Peter Parker, o herói tenta conciliar sua vida dupla de herói e as durezas da vida adulta.

Homem-Aranha 2

Enquanto mergulha em um dos mais brilhantes aspectos do personagem nos quadrinhos, que é a sua paixão pela ciência, o filme brilha ao nos colocar diante do que virá a ser o grande antagonista do filme e a maior ameaça que Parker irá enfrentar em Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa.

O cuidado de Sam Raimi ao mostrar a transição de um Peter pós-colegial casa muito bem com o momento mais sério da vida do personagem, que precisa lidar com as consequências do filme anterior enquanto tenta conciliar trabalho, família, amigos e sua vida de super-herói.

Um dos elementos que fazem do Homem-Aranha o herói mais brilhante já criado, é que além de suas habilidades aracnídeas, é seu altruísmo e até onde ele pode ir para evitar que algum mal aconteça aos cidadãos do Queens, ou de Nova Iorque como um todo.

Ainda que enfrente algumas críticas por Tobey Maguire ser bem mais velho do que o personagem que ele interpreta, essa é uma das atuações em que se vê um destaque do quão emotiva uma história do Homem-Aranha pode ser, e como Maguire a faz ser.

Nos levando por caminhos tão absortos da psique de Peter, vemos que mesmo quem tem em seu coração tal desprendimento, precisa encontrar dentro de si uma razão para proteger aqueles que não podem fazê-lo sozinhos. O segundo ato do filme, representa uma quebra na narrativa de ação. Trazendo o lado mais humano e pé no chão do personagem que precisa naquele momento decidir qual caminho tomar.

O Doutor Octopus de Alfred Molina é de fato tão brilhante e trágico quanto um personagem de uma tragédia grega. Cuja ascensão e queda, são motivadas apenas por sua ganância.

VEREDITO

Homem-Aranha 2

Como a principal ameaça que Peter enfrentará em Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa, veremos o retorno de Molina como o adorado antagonista do Teioso, mas tudo aponta que ele não estará sozinho e Octopus, Duende Verde, Abutre, Homem-Areia, Electro devem se reunir para enfrentar o único herói que foi capaz de pará-los em seus filmes anteriores.

Com os remakes, reboots e diversas versões do herói, a Marvel Studios viu nos personagens a oportunidade de abrir o multiverso e trazer os vilões como a maior ameaça que o Peter Parker de Tom Holland já enfrentou – e convenhamos, se os vilões estarão presentes no próximo filme do Cabeça de Teia, por que Andrew Garfield e Tobey Maguire não retornam também?

Homem-Aranha 2 é um filme de herói necessário não apenas para entender o futuro da Marvel nos cinemas, mas também entender seu passado. Ver o caminho que foi trilhado até que a Marvel Studios pudesse ser o que é hoje, após 13 anos de Universo Cinematográfico Marvel.

Nossa nota

5,0 / 5,0

Confira o trailer legendado:

Homem-Aranha 2 pode ser assistido na Netflix e na Globoplay.

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorCRÍTICA – Não Devíamos Ter Crescido (2021, Yoshihiro Mori, Hayato Kawai)
Próximo artigoCRÍTICA – Os Muitos Santos de Newark: Uma História Soprano (2021, Alan Taylor)
27 anos, apaixonado por cinema, quadrinhos e games!