TBT #187 | Pequena Miss Sunshine (2006, Valerie Faris)

    Levante a mão todo mundo que se lembra de Pequena Miss Sunshine em alguma Sessão da Tarde ou em um domingo de férias! É simplesmente impossível que a maioria das pessoas não conheça esta grande obra da comédia dramática. Mas o mais incrível deste filme é que ele pode ser apreciado tanto como um longa divertido, ideal pra uma tarde chuvosa, quanto se debruçando sobre as sutis camadas que ele constrói.

    Além disso, o roteiro, obra de Michael Arndt, nome também responsável por Wall-E e Toy Story 3, recebeu prêmio de Melhor Roteiro Original no Oscar de 2007 e no BAFTA do mesmo ano. Estes eventos também premiaram Alan Arkin como Melhor Ator Coadjuvante.

    Nesse sentido, Pequena Miss Sunshine tem pontos que marcam muito, e são eles que vou tentar abordar na sequência, buscando não ser muito técnico ou me alongar muito. Desta forma, focaremos então no que, pra mim, mais se destaca nesta obra de 2006.

    SINOPSE

    O sonho da pequena Olive é participar do concurso de Pequena Miss Sunshine. Para isso, ela embarca em uma divertida e comovente viagem com o pai, o tio, o avô, o irmão e a mãe. A família precisa correr contra o tempo para que Olive chegue no horário e possa fazer a apresentação criada pelo seu avô.

    ANÁLISE

    Pequena Miss Sunshine

    Falo por mim quando digo que, muitas vezes, filmes que são rodados na Sessão da Tarde à exaustão não tem uma qualidade tão boa. Contudo, me repreendo em minha afirmação, já que esse rótulo não faz sentido algum. Se o filme é repetido, provavelmente é porque muitos o assistam.

    Pequena Miss Sunshine é excelente em muitos pontos, mas principalmente na sua capacidade de transmitir a sua essência de maneira quase imperceptível. A princípio, o que se destaca no filme é a característica disfuncional de uma família que parece não ter um pingo de afinidade. No entanto, as personalidades de cada um não são apresentadas, mas construídas, ao longo da trama.

    Personagens

    Poderia começar pela protagonista, mas vou me permitir deixá-la para o final; vocês vão entender o motivo. Curiosamente, após a primeira compra do roteiro pelo estúdio Focus Features, estes insistiram para que Arndt centrasse o filme no personagem do pai da família, Richard Hoover, interpretado por Greg Kinnear (Blackbird). Isto não foi levado à versão final, e isto provavelmente tenha sido essencial para o sucesso do longa, não por este ser um personagem desinteressante, mas porque permitiu ao resto do elenco brilhar.

    É nítido que no primeiro ato do filme, busca-se dar luz aos principais problemas de cada membro da família. Um pai coach de sucesso que não atingiu o sucesso, um avô ranzinza e drogado, um adolescente rebelde que odeia todo mundo e um tio que tentou suicídio devido a uma sequência de fracassos. Como tirar uma história bonita a partir desta catástrofe? Comecemos da superfície, e depois nos aprofundaremos.

    Fotografia e música: a arte de Pequena Miss Sunshine

    Mantendo nossa análise ainda no sensorial, facilmente conseguimos perceber os tons alegres e agradáveis com os quais a maioria do filme é pintado. Muitos tons de amarelo, laranja e verde nos ressaltam a simplicidade e alegria de uma criança que não se importa com “problemas de adulto”. O filme nos é transmitido pelos olhos de Olive (Abigail Breslin), a protagonista.

    Aos olhos de um adulto, tudo o que se dá na primeira hora de filme seriam tragédias atrás de tragédias. Primeiramente, uma família em total dissonância, depois a kombi com problemas no motor, pra falar apenas do início. No entanto, apesar de todos os revezes, aos olhos da pequena Olive, é tudo uma grande aventura que culminará na sua apresentação no concurso da Pequena Miss Sunshine.

    E assim, todo o filme nos conduz por uma paleta divertida, com uma kombi amarela quase como protagonista. Do mesmo modo, as melodias das serenatas francesas conduzindo com leveza toda a cena que deveria ter maior densidade, encerram o contraste entre drama e comédia.

    A filosofia intrínseca

    Pequena Miss Sunshine

    Não por acaso, dois pensadores e escritores são mencionados e lembrados no decorrer do filme. Friedrich Nietzsche como um ideal para o personagem de Paul Dano, o jovem Dwayne Hoover; por outro lado, Marcel Proust, o cerne do estudo do tio Frank, interpretado brilhantemente por Steve Carell.

    A princípio, ao nos depararmos com a grande tela de Nietzsche no quarto de Dwayne, somado ao comportamento hostil e introvertido do adolescente, somos levados a entender que o mesmo tomará uma abordagem cética e cartesiana. Em contrapartida, da parte de Frank, com Proust, poderíamos suspeitar que o ponto seja o bucolismo do francês, haja vista a tentativa de suicídio.

    Mas ao fim do filme, percebemos que não é nem uma, nem outra, a abordagem que se destaca, mas sim, a composição de ambas. Não é o niilismo que impera, mas a exploração da literatura como forma de libertação, acesso ao desconhecido e redenção. Neste caso, a literatura é o próprio romance escrito por Arndt, que enaltece a poesia das limitações humanas, mas que culmina na grande reflexão do filme, trazida ironicamente pelo sobrevivente de uma tentativa de suicídio, o tio Frank.

    Proust chegou no final de sua vida, olhou pra trás e percebeu que todos aqueles anos em que ele sofreu… aqueles foram os melhores anos de sua vida, porque o fizeram ser quem ele era. Todos os anos em que ele foi feliz? Sabe, total perda de tempo. Ele não aprendeu nada.

    VEREDITO

    Apesar de, sim, ser um pouco cética e não muito alegre a reflexão trazida, a verdadeira reflexão vem na sequência. Dwayne entende que o significado de tudo aquilo é que todos os percalços que acompanharam a família até lá, fizeram com que todos se unissem e ressignificassem alguns valores que traziam em seus laços.

    Pequena Miss Sunshine é uma aula de filosofia, fotografia, arte… e além de tudo isso, é simples, é engraçado e sutil. Como pelos olhos de uma criança. E é por isto que este longa foi trazido neste TBT. Para ser enaltecido por tudo o que faz, de maneira simples, mas marcante, como se construído sob os cuidados de uma criança.

    Você pode assistir Pequena Miss Sunshine através do Star+.

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Assista ao trailer legendado de Pequena Miss Sunshine:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – O Despertar das Tartarugas Ninja: O Filme (2022, Netflix)

    O Despertar das Tartarugas Ninja: O Filme continua da animação homônima que foi ao ar originalmente entre 2018 e 2020. O filme da Netflix...

    CRÍTICA – Carter (2022, Jung Byung-Gil)

    Carter é o mais novo filme sul-coreano da Netflix. O filme conta a história de Carter Lee, um agente desmemoriado que precisa lutar para cumprir sua missão.

    CRÍTICA – Lanterna Verde: Tema Meu Poder (2022, Jeff Wamester)

    Lanterna Verde: Tema Meu Poder ou Green Lantern: Beware My Power é uma animação do Tomorrowverse, nova linha de filmes da DC e está...

    Predador e suas melhores versões no cinema

    Com o lançamento de Predador: A Caçada, no Star+, nada melhor que relembrar os melhores yautjas já vistos no cinema. Veja a lista!