Início GAMES Crítica CRÍTICA – Greak: Memories of Azur (2021, Team17)

CRÍTICA – Greak: Memories of Azur (2021, Team17)

Greak: Memories of Azur é o novo jogo de Ação, Puzzle e Plataforma com traços de desenhos manuais desenvolvido pela Navegante e Team17

Desenvolvido pela Navegante Entertainment e publicado pela Team17, Greak: Memories of Azur é um novo side-scrolling indie lançado em 17 de agosto de 2021. O game é uma mistura dos gêneros ação, aventura, plataforma e puzzle.

Inicialmente lançado com uma versão demo gratuita, o jogo completo agora está disponível para Nintendo Switch, PlayStation 5, Xbox Series X|S e PC. Confira nossa análise de Greak: Memories of Azur para o Switch.

SINOPSE

Greak: Memories of Azur é um side-scrolling para um jogador com animações desenhadas à mão. Assuma o papel de três irmãos — Greak, Adara e Raydel — e guie-os pelas terras de Azur. Alterne-se no controle dos três e use as habilidades únicas de cada um para fugir da invasão dos Urlags.

Greak é o nome do protagonista, o caçula entre os três irmãos. Ele é um Courine, que é um povo mágico que, no momento, está sofrendo invasões dos Urlags, uma facção inimiga.

A guerra entre esses dois povos já dura um bom tempo, forçando os Courines a fugirem de suas próprias terras. O que Greak mais deseja é reencontrar o irmão, Raydel, e a irmã, Adara, e fugir com eles de Azur usando uma Aeronave, que eles precisarão construir peça a peça.

Durante o jogo, você encontrará cada irmão em ambientações diferentes e os recrutará para avançar com você.

ANÁLISE DE GREAK: MEMORIES OF AZUR

Eu havia jogado a versão demo para Nintendo Switch e resenhado minhas primeiras impressões aqui no Feededigno. É curioso notar como a experiência é diferente entre demo e jogo completo não só pela extensão do game, logicamente, mas por ver que a versão de demonstração foi pensada para oferecer uma experiência única.

Na demo a história é praticamente deixada de lado, o que pode causar um certo estranhamento, para focar muito mais nas mecânicas de jogo. Você inicia tendo acesso a uma série de habilidades que, no começo do jogo completo, você sequer sabe quando vai aprender.

Essa experiência diferente do jogo completo é suficiente para decidir pela compra de Greak: Memories of Azur, como já havia escrito no texto de primeiras impressões. As escolhas da Navegante Entertainment e da Team17, portanto, foram muito acertadas.

Mas bem, vamos à análise do jogo completo.

A simplicidade das mecânicas de Greak: Memories of Azur, e os tutoriais sutilmente inseridos em seus belos cenários são os principais pontos fortes do game. Os personagens desenhados à mão também engrandecem a experiência visual.

Greak: Memories of Azur é o novo jogo de Ação, Puzzle e Plataforma com traços de desenhos manuais desenvolvido pela Navegante e Team17
Tutorial ensinando como direcionar o ataque de Adara

Greak: Memories of Azur não exige muita habilidade para combater os inimigos usando Greak (o personagem inicial), a irmã Adara e o irmão Raydel. No entanto, a dificuldade está nas suas características puzzle, de modo que você precisa fazer sábias escolhas, a fim de abrir portas, desbravar ambientes e ir e vir pela história.

Para quem espera um jogo com combates difíceis e uma progressão de nível dos personagens, Greak: Memories of Azur pode decepcionar nesses aspectos. Entretanto, acredito que nem mesmo essa expectativa não atingida seja capaz de impedir que os fãs de jogos independentes se divirtam com o game.

Greak: Memories of Azur tem uma boa história

A história, que não foi possível conhecer na versão demo, é boa. O vilarejo em que Greak se recupera após uma aventura complicada é o verdadeiro ponto de início do jogo.

Isso porque a experiência vivida na demo é parcialmente verdade quando se trata do jogo completo, pois a aventura se encerra na metade do que jogamos na demonstração, e então é revelado que os passos iniciais na verdade eram um sonho de Greak.

O jogo independente Greak: Memories of Azur mistura gêneros e está disponível para Nintendo Switch, PlayStation 5, Xbox Series X|S e PC

A guerra entre os povos passa a fazer sentido, assim como as motivações de Greak e sua família. Também vale destacar a beleza das cutscenes, que são bem objetivas.

Recursos como cozinhar comidas e produzir elixir em panelas espalhadas pelo mapa, além das missões secundárias, são importantes atrativos que complementam bem a aventura. A variedade de monstros que devemos enfrentar não é grande, mas é satisfatória.

Toda a família é importante no jogo

Embora a história se inicie com Greak tentando encontrar a irmã e o irmão, é seguro dizer que todos os personagens são importantes. Isso porque cada um tem suas próprias habilidades, tanto para combater, como para se locomover.

O jogo independente Greak: Memories of Azur mistura gêneros e está disponível para Nintendo Switch, PlayStation 5, Xbox Series X|S e PC

Adara, por exemplo, flutua e atira magias com as mãos, mas também tem mais resistência para mergulhar. As características únicas da família tornam ainda mais estratégico e desafiador os puzzles a serem vencidos para progredir na jornada.

VEREDITO

Greak: Memories of Azur é uma grata surpresa em 2021 e tem grande potencial para ser um dos destaques do ano entre os jogos independentes.

Felizmente o jogo está disponível para os principais consoles atuais e PC. Isso deverá contribuir não só para sua notoriedade no mundo gamer, como também para estimular que os desenvolvedores tornem o título em uma franquia e criem novas aventuras para o povo Courine no futuro.

Nossa nota

4,5 / 5,0

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Shiva Baby (2020, Emma Seligman)
Próximo artigoMandarim: Conheça o vilão possuidor dos Dez Anéis
Jornalista pós-graduado em Jornalismo Digital, fã de Mr. Robot, Pokémon e com uma menção honrosa a 24 Horas, o seriado que me fez entrar no mundo de séries e filmes.