CRÍTICA – Knight vs Giant: The Broken Excalibur (2023, Gambir Game Studio)

    A lenda de que um Rei legitimamente britânico surgiria para proteger seu lar dos invasores bárbaros e saxões, tomou a literatura romântica quando o Reino da Britânia precisava de um líder que o unificasse. Essas lendas passaram a ser conhecidas como o Ciclo Arturiano, e datam de cerca de 600 d.C., de dois poemas galeses. Como um indivíduo puro, que ascende ao trono, a história de Arthur se comunicava com o que o reino da Britânia necessitava à época. Um guerreiro, capaz de liderar o pais em direção à prosperidade e sua salvação dos perigos externos. Depois de filmes, séries e muitos livros contarem essas muitas histórias, Knight vs Giant: The Broken Excalibur deturpa uma das mais clássicas histórias dessas lendas, a busca de Arthur e seus cavaleiros pelo Santo Graal.

    Enquanto parece se orgulhar de elementos em que o fazem se assemelhar com games como Hades, Curse of the Dead Gods e Bastion, Knight vs Giant diverte, sempre subvertendo as histórias arturianas, nos fazendo rir e nos desafiando em cada um dos níveis.

    No game desenvolvido pelo estúdio Indonésio Gambir Game Studio, somos lançados na história de Arthur, que após ser ressuscitado pelo mago Merlin precisa lutar para retirar Camelot da Dimensão Astral e levá-la ao seu lugar correto. Salvando assim, seus habitantes e destruindo os gigantes que circundam o reino e o Gigante do Vazio.

    SINOPSE

    Na jornada para reaver o Santo Graal para o grande mago Merlin, os nobres Cavaleiros da Távola Redonda soltam o Gigante do Vazio em Camelote sem querer! Sem pestanejar, o Rei Artur ruma à batalha com seus cavaleiros, mas eles logo sucumbem nas mãos da criatura pavorosa. Na falta dos guardiões do reino e com a lendária espada Excalibur partida, Merlin recita um feitiço poderoso para transportar o Gigante do Vazio ao seu lugar de origem, o Plano Astral. Infelizmente, o feitiço não dá muito certo e todo o reino é levado junto…

    ANÁLISE

    Knight

    Enquanto tenta replicar o sucesso de dungeon-crawlers com elementos de roguelike do passado, Knight vs Giant: The Broken Excalibur diverte e cativa por sua história, nos mostrando um desfecho relativamente diferente à trama do Santo Graal. Enquanto sucumbe em sua missão junto de seus cavaleiros da Távola Redonda, seu mago de confiança, Merlin o lança em uma missão que nem mesmo as incessantes mortes podem evitar.

    Com uma geração procedural de mapas, no controle de Arthur, os jogadores precisarão explorar a Dimensão Astral e enfrentar inimigos criados pelo Gigante do Vazio. Ao longo de missões em que estamos fadados a morrer, encontramos aliados capazes de nos ajudar a restaurar Camelot à sua antiga glória.

    Pelo fato da excalibur estar quebrada, Arthur precisará pegar emprestado os poderes de seus cavaleiros, como Lancelot, Bors, Bedivere, Gawain e outros, para exterminar os gigantes criados pelo Vazio para mantê-los ali.

    Knight

    Com poderes e habilidades únicas, os jogadores podem misturá-las, obtendo power-ups, buffs, debuffs e habilidades que os auxiliarão em sua progressão, Arthur encontrará mercadores, a bruxa Morgana e seus aliados que caíram a caminho de sua última missão. Os poderes que o rei de Camelot pode obter variam desde habilidades de ataque rápido, ou até mesmo ataques mais poderosos que podem causar stun nos inimigos.

    Como derrotar os 3 gigantes não é tudo, assim como em Hades, ou outros jogos roguelike, precisamos entender que morrer faz parte da gameplay, mesmo que isso seja extremamente punitivo. O fato do game possuir elementos que proporcionem upgrade de armas ou equipamentos, mas te fazem retornar até Camelot para fazer essas melhorias, tornam o jogo punitivo, cansativo, mas por vezes, se mostra como algo extremamente positivo.

    Ao longo da minha gameplay, me senti destacado de tudo que o game proporcionava. Mas mesmo possuindo uma geração procedural de mapas, tudo parece ser roteirizado, até mesmo o número de mortes necessários até encontrar um membro da Távola Redonda e antigos residentes de Camelot que vagam pela Dimensão Astral.

    VEREDITO

    Knight vs Giant: The Broken Excalibur nos leva por uma viagem desafiadora, tudo isso enquanto nos força a destruir a ameaça dos três gigantes e mitigar os esforços de seus servos. O game nos faz entender que o caminho que precisamos percorrer não define o game, tampouco serve como o ponto final desta história, já que todas as mortes de Arthur e o suporte de seus cavaleiros hão de permitir a sobrevivência dos habitantes de Camelot e devolver o reino ao seu devido lugar.

    O game foi lançado no dia 5 de outubro para Nintendo Switch, PlayStation 5, Xbox Series X/S e PC.

    Nossa nota

    3,0 / 5,0

    Confira o trailer do game:

    Acompanhe as lives do Feededigno na Twitch

    Estamos na Twitch transmitindo gameplays semanais de jogos para os principais consoles e PC. Por lá, você confere conteúdos sobre lançamentos, jogos populares e games clássicos todas as semanas.

    Curte os conteúdos e lives do Feededigno? Então considere ser um sub na nossa Twitch sem pagar nada por isso. Clique aqui e saiba como.

    Artigos relacionados

    EU CURTO JOGO VÉIO #1 | ‘The Legend of Zelda: The Minish Cap’ mostra que Zelda é Zelda em qualquer lugar

    The Legend of Zelda: The Minish Cap é parte da trilogia Four Swords. Em Hyrule, precisamos impedir Vaati de completar seus objetivos.

    CRÍTICA: ‘Bandle Tale: A League of Legends Story’ é um cozy game repleto de surpresas e diversão

    Bandle Tale: A League of Legends Story é o mais novo game original da Riot. Ajude a restaurar Bandópolis como um Yordle.

    Nintendo Direct Partner Showcase: Confira todos os lançamentos do evento de fevereiro

    A Nintendo Direct Partner Showcase chegou e fez anúncios importantes para os próximos seis meses. Confira o que foi anunciado!

    CRÍTICA: ‘Skull and Bones’ é uma boa experiência marítima 

    Skull and Bones é o mais novo lançamento da Ubisoft para o PlayStation 5, Xbox Series X | S e PC. Veja o que achamos!