Início GAMES Crítica CRÍTICA – Watch Dogs: Legion (2020, Ubisoft)

CRÍTICA – Watch Dogs: Legion (2020, Ubisoft)

Watch Dogs: Legion

Watch Dogs: Legion é o mais novo game da franquia Watch Dogs, que continua a história do grupo de hackers DedSec, mas agora por parte da sua filial londrina.

Após um atentado terrorista orquestrado por um grupo que controla o sistema de vigilância ctOS, o grupo de hackers que tentava impedir o ataque, é culpado. O atentado é orquestrado como uma forma de impedir que a DedSec continue minando as ações do sistema de controle que possui uma agenda muito bem definida.

SEJA BEM-VINDO À LONDRES, VAMOS AO PUB?

Watch Dogs: Legion

Diferente do game original lançado em 2014, Watch Dogs: Legion nos leva ao antigo continente, enquanto mostra o grupo de hackers tentando impedir o controle absoluto da ctOS.

Com o progredir do game, vemos o quão evoluída e globalizada Londres é. Com sotaques que nos remetem aos mais diversos países e as mais diversas origens. O cuidado que a Ubisoft teve ao refletir como o mundo de hoje é globalizado, ficou claro quando notamos a importância da representatividade nesse mundo.

Watch Dogs: Legion

Podendo recrutar todo e qualquer NPC para sua causa, a DedSec se faz única para cada jogador, te permitindo escolher desde quais integrantes você quer recrutar para sua equipe, até mesmo quais roupas ou máscaras você quer colocar nele quando você levar a guerra até os portões da frente das mais diversas facções que são fachadas para a ctOS, assim como a Zero Day.

DROGA, COLOQUE SUA MÁSCARA!

Apesar de precisarmos utilizar máscaras no mundo real por causa de uma pandemia que assolou o mundo, você precisa utilizar máscaras em Watch Dogs: Legion por motivos bem diferentes.

A fim de manter os rostos da rebelião em segredo, os membros da DedSec devem mantê-los ocultos quando confrontam seus adversários por toda Londres.

As máscaras, armas e trajes podem ser liberados tanto por meio da progressão na campanha principal, como nas missões secundárias por meio de melhoramentos de personagens, habilidades passivas e coleta de ETO – a moeda corrente do game.

LONDRES RESPIRA VIDA E DIVERSIDADE

Watch Dogs: Legion

Um dos elementos mais interessantes em Watch Dogs, como citado anteriormente, se dá pela vastidão de NPCs e seus modelos, que não parecem sido criados em um criador de personagens à la Randomizer, como games japoneses costumam fazer.

A diversidade tanto no modelo dos personagens como suas habilidades passivas, armas e possibilidade de aproximação, tornam a gameplay o mais diversa quanto possível, dando aos jogadores muitos caminhos a seguir durante as missões.

AH, A MÃO INGLESA

Algumas armadilhas te esperam caso você decida atrapalhar o trânsito enquanto dirige pelas ruas de Londres. Ao lembrar que lá você dirige na pista da esquerda, fique atento ao ativar armadilhas para impedir que seus inimigos te persigam facilmente, ou você mesmo pode cair nelas.

A mão inglesa pode até vir a “bugar sua mente” enquanto você dirige pelas ruas de Londres, mas com o tempo, você há de se acostumar. A responsividade dos carros te deixa tão a vontade, quanto confusos enquanto parece dirigir na contramão, com cenas dignas do X-Racing (sim, aquele canal do YouTube em que os motociclistas postam vídeos de como se safaram por pouco de acidentes).

Assim como a aproximação por veículos de quatro ou duas rodas, o novo game te permite se aproximar pelo ar, por meio de drones de carga que aguentam o peso de uma pessoa, e te proporcionarão incríveis missões de roubo de carga em pleno ar, assim como uma rápida locomoção por Londres.

LEMBRAI, LEMBRAI

Ainda que divertido o plot de Watch Dogs: Legion nos remete aos planos de Guy Fawkes – que muitos passaram a conhecer apenas por V de Vingança – mas de uma forma deturpada e bizarra. Por mais que inove em alguns aspectos, ele ainda deixa a desejar, seja em sua estrutura narrativa, ou em seu desenvolvimento.

Ao não se aprofundar tanto quanto deveria em diversos aspectos, a imersão da trama deixa a desejar, assim como o aparente foco nos elementos errados, que propiciariam uma jogabilidade mais satisfatória assim como uma melhor recepção do público especializado.

Outra atitude errônea da Ubisoft a meu ver, é a tentativa de criar um crossover entre suas franquias, ao inserir em Watch Dogs elementos de Assassin’s Creed. Sabendo que Watch Dogs não tem força o suficiente para se manter, a Ubi parece ter intenção de se apoiar em sua franquia de maior sucesso, rendendo à internet alguns memes.

Watch Dogs: Legion te leva longe na guerra contra o controle absoluto, mas parece não ser tudo que a Ubisoft prometia durante o desenvolvimento e a divulgação.

O game foi lançado no dia 29 de Outubro de 2020 para PlayStation 4, Xbox One, Google Stadia, PC e será lançado futuramente para o PlayStation 5, Xbox Series X e S.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Assista ao trailer de lançamento:

E você, já jogou Watch Dogs: Legion? Conta abaixo, nos comentários, o que achou!

Nota do público
Obrigado pelo seu voto



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.