Início LIVROS Crítica CRÍTICA – Hotel Valhala: Guia dos mundos nórdicos (2017, Rick Riordan)

CRÍTICA – Hotel Valhala: Guia dos mundos nórdicos (2017, Rick Riordan)

481
0
Uma repaginada nos contos nórdicos para a juventude

 

Com mais de duas dezenas de livros publicados pela IntrínsecaRick Riordan é famoso por ser autor de Percy Jackson e diversos outros personagens memoráveis, Hotel Valhala: Guia dos mundos nórdicos é um guia essencial dos deuses e deusas nórdicos, dos seres míticos e das criaturas fantásticas dos nove mundos e que trás dados importantes, entrevistas exclusivas e muitas reflexões. O guia foi pensado para ajudar o guerreiro viking recém-chegado a começar o treinamento para o Ragnarök com o pé direito, evitando qualquer constrangimento desnecessário na pós-vida viking. Você nunca mais vai cometer o erro de achar que Ratatosk é um esquilo fofo nem confundir um anão com um elfo! Objetivo é que Hotel Valhala: Guia dos mundos nórdicos ofereça todo o conhecimento de que você precisa para sobreviver durante sua hospedagem eterna no honorável hotel.

A primeira impressão do novo livro de Riordan é muito boa, já que Hotel Valhala, apesar de ser um livro pequeno no tamanho, compensa na capa dura retratando um couro verde e com belas imagens dos principais personagens em seu interior, mas o esmero das artes não compensam o texto em si. O livro não deve agradar os fãs mais roots da cultura nórdica e/ou os que já leram outros livros abordando o tema. A linguagem utilizada e a forma como o autor retrata alguns dos muitos momentos da mitologia nórdica – dando uma modernizada – deve agradar os mais jovens, mas para os que terão um primeiro contato com esta mitologia, provavelmente ficarão sem entender muita coisa já que os principais eventos são apresentados de forma breve e rasa.

O livro Hotel Valhala: Guia dos mundos nórdicos – Introdução às deidades criaturas fantásticas e seres míticos é exatamente isso: um guia. Nele você é um einherji (alma de uma pessoa morta de forma honrada e escolhido pelas Valquírias para ir pro Valhala), e o guia é em sua grande parte, narrado por Snorri Sturluson, um historiados irlandês, poeta e autor de Edda em Prosa (por volta de 1220), que veio a se tornar uma das leituras mais importantes da mitologia nórdica! Sim, Snorri existiu e o Edda em Prosa ainda existe. E com isso, obviamente nosso querido Sturluson teve sua vaga garantida no paraíso nórdico. Mas como este é um guia para um recém chegado ao Valhala, Riordan deixa de fora uma das melhores partes da mitologia: o Ragnarök. O fim dos dias na cultura nórdica.

Hotel Valhala é uma leitura leve, rápida e até divertida, mas se você procura espada, sangue e violência, melhor assistir a série do canal History: Vikings.

Escrito por: Rick Riordan;
Editora: Intrínseca;
Ano: 2017;
Páginas: 157;

Avaliação: Razoável

O livro chegou nas livrarias brasileiras em 15 de julho de 2017.

Confira também o mais recente lançamento de RiordanO navio dos mortos é o desfecho da série Magnus Chase e os deuses de Asgard.

Leia também:

CRÍTICA – O Evangelho de Loki (2016, Joanne M. Harris)