Início QUADRINHOS Crítica CRÍTICA | Incorruptível: A Última Linha de Defesa – Vol. 4...

CRÍTICA | Incorruptível: A Última Linha de Defesa – Vol. 4 (2021, Devir)

CRÍTICA | Incorruptível: A Última Linha de Defesa - Vol. 4 (2021, Devir)

Finalmente a editora Devir está publicando o último volume dessa saga épica de Incorruptível com o Vol. 4: A Última Linha de Defesa. Esse volume reúne as edições #27 à #30.

SINOPSE

O caos tomou conta de Coalville, uma das poucas cidades habitáveis dos EUA, e ela agora é controlada por um supervilão. Outra tentativa de deter o Plutoniano falhou, resultando numa nuvem de radiação letal que se espalha vagarosamente pelo planeta. Mas, apesar de ter perdido amigos e aliados, Max não está sozinho… e ele ainda tem um último truque na manga!

ANÁLISE

Em Incorruptível: A Última Linha de Defesa – Vol. 4 temos o final desse quadrinho repleto de ação e reviravolta, mas que apresenta um desfecho bem medíocre para a saga.

Aqui, ao longo da trama temos uma fluidez na narrativa, apesar das batalhas abaixo do esperado se compararmos ao que foi apresentado nas edições anteriores.

No entanto, a leitura desse volume continua divertida, mas teria sido bem melhor se o autor não tivesse tanta pressa para finalizar a história.

Nessa última edição temos a resolução de diversas pontas soltas, mas esses desfechos apresentam velocidade no desenrolar de toda a trama. Fiquei com a impressão de que Mark Waid já estava desgastado com todo esse universo e queria dar logo um ponto final em sua obra.

Com relação à arte de Marcio Takara e Damian Couceiro ambos os artistas apresentam artes bem tradicionais. Parece que o desenho foi feito as pressas e não houve uma preocupação com detalhes. Contudo, a colorização de Nolan Woodward é excepcional e deixa a arte menos desagradável.

Desse modo, esse último volume pode acabar não agradando a todos os leitores que preferem uma história com final mais clichê. 

VEREDITO

Incorruptível: A Última Linha de Defesa – Vol. 4 poderia ter tido um ótimo final, mas com que certeza vai deixar uma enorme saudade a todos os fãs que acompanharam toda trajetória de Max contra o Plutoniano.

Nossa nota

2,5 / 5,0

Editora: Devir

Autor: Mark Waid

Páginas: 112

Leia também:

CRÍTICA – Incorruptível: Justiça a Qualquer Preço (2019, Devir)

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – A Semana da Minha Vida (2021, Roman White)
Próximo artigoCRÍTICA – Meu Pai (2021, Florian Zeller)
Eu sou apenas um rapaz latino-americano que curte quadrinhos, games, livros e cinema.