Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Control Z (2ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA – Control Z (2ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA - Control Z (2ª temporada, 2021, Netflix)

A segunda temporada de Control Z já está disponível na Netflix! O primeiro ano, que estreou em 22 de maio de 2020, foi um sucesso na plataforma, garantindo a sua renovação. 

A série mexicana conta com um elenco em sua maioria jovem, pois se trata de uma trama focada na vida de estudantes do Colégio Nacional. Há quem diga que Control Z é uma cópia de Elite, outra série original Netflix, porém a produção tem bastante potencial e se diferencia de outros títulos em muitos aspectos.

O texto a seguir contém spoilers da primeira temporada.

SINOPSE

Começa mais um semestre no Colégio Nacional e parece que ninguém mais se lembra de Luis (Luis Curiel). Até que uma pessoa desconhecida assume as redes sociais do garoto, jurando vingança.

Mais uma vez, Sofia (Ana Valeria Becerril) tenta encontrar o culpado, enquanto os atos de vingança vão ficando cada vez mais graves e acabam mudando as vidas dos estudantes para sempre

Onde paramos na primeira temporada?

Em sua primeira temporada, Control Z apresenta um pouco da história dos alunos do Colégio Nacional. Conhecemos Sofia, uma menina bastante reservada e que vira conversa na boca de todos os alunos após descobrirem que ela foi internada por problemas psicológicos causados pela morte do seu pai.  

Temos também o Javier (Michael Ronda), um jovem que tem um pai muito conhecido pelos amantes de futebol. Sua chegada chama a atenção de todos devido a uma polêmica que ocorreu em sua antiga escola, envolvendo outro garoto e um vídeo pra lá de assustador.

Outro aluno que sofre bastante na mão dos outros estudantes é o jovem Luis. O garoto é um artista e, além de ser muito tímido, não consegue se defender dos valentões da escola.

CRÍTICA - Control Z (2ª temporada, 2021, Netflix)

No final da temporada, Luis se cansa de todo bullying sofrido, desafia os encrenqueiros, é perseguido e gravemente machucado por Gerry (Patricio Gallardo), um menino briguento que não deixava Luis em paz.

Todos os acontecimentos e brigas da temporada são planejados por um hacker que divulga informações secretas de alguns alunos. Mais tarde Sofia descobre que o hacker é ninguém menos que o ricaço Raúl (Yankel Stevan). Em seu último ato de maldade, o menino divulga os segredos de todos os alunos da escola durante o baile, transformando a festa em um verdadeiro pandemônio.

O último episódio termina com Javier levando um tiro no estômago disparado por Gerry ao tentar proteger Raúl, deixando uma grande dúvida para os telespectadores que tiveram que esperar pela próxima temporada para ter respostas.

ANÁLISE DA SEGUNDA TEMPORADA

A segunda temporada inicia com Javier sendo socorrido e logo após se recuperando no hospital com Sofia ao seu lado. Raúl foge da festa com medo de ser atacado pelos alunos e Gerry fica vagando desnorteado pela rua, abalado com a morte de Luis.

Passando-se um tempo, os alunos voltam a escola onde o diretor Quintanilla (Rodrigo Cachero) decide aposentar o armário do Luis e faz uma cerimônia em lembrança a ele. Durante o evento, um novo hacker, usando as redes sociais de Luis, ameaça todos aqueles envolvidos na morte do garoto por meio de um vídeo assustador.

O novo hacker utiliza de ataques envolvendo enterros, fogo e envenenamento contra alguns alunos, colocando a vida deles em risco. Sofia fica encarregada, novamente, de descobrir quem é o hacker, usando sua grande habilidade de observação. Pelo trailer da série, os fãs já especulavam quem poderia ser o responsável pelas ameaças.

CRÍTICA - Control Z (2ª temporada, 2021, Netflix)

Apesar de toda essa confusão, também podemos ver os problemas pessoais de outros personagens como Maria (Fiona Palomo) e Pablo (Andres Baida), o relacionamento amoroso de Alex (Samantha Acunã), o envolvimento de Natalia (Macarena García) com o tráfico de drogas e Gerry em sua jornada de descobrimento.

Essa série é ótima pra quem gosta de um bom suspense e criar teorias ilimitadas. Em nenhum momento consegui adivinhar quem era o novo hacker e ao ser revelado, confesso que fiquei surpreso e atônito.

Os atores são muito talentosos e não vejo nenhum defeito na atuação de nenhum deles. A produção consegue se aprofundar muito bem na vida dos personagens principais e coadjuvantes, explorando muito bem os principais alvos do hacker.

O final de cada episódio te deixa com o sentimento de querer terminar tudo de uma única vez e descobrir quem está por trás de todos aqueles ataques. 

CRÍTICA - Control Z (2ª temporada, 2021, Netflix)

Uma coisa que me incomodou um pouco foi a forma esfarrapada e confusa de explicar o mistério todo, além da solução dos problemas de alguns jovens como Javier e Gerry. Onde estão os pais de Gerry durante esse momento? Como eles estão lidando com o fato do filho ser um assassino procurado ?

VEREDITO

Control Z é uma série instigante e super maratonável! Fora a facilidade na resolução de alguns pontos da narrativa, eu gostei muito da nova temporada. É perceptível a evolução do história e também da atuação dos atores de um ano para o outro.

Nossa nota

4,0/5,0

Assista ao trailer:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Hit & Run (1ª temporada, 2021, Netflix)
Próximo artigoRocket League: Dicas para jogar bem o competitivo (bronze, prata e ouro)
Oi, meu nome é Matheus e amo muito tudo que envolve heróis, poderes e afins. Sou extrovertido e dedicado em tudo que me interessa.