Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – Eu Nunca… (2ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA – Eu Nunca… (2ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA - Eu Nunca... (2ª temporada, 2021, Netflix)

A primeira temporada de Eu Nunca… terminou com um gancho, onde nós ficamos sem saber com quem Devi (Maitreyi Ramakrishnan) escolheria ficar: Paxton (Darren Barnet) ou Ben (Jaren Lewison). Mas a série nos surpreende e dá uma turbinada na segunda temporada e dando espaço a muitas histórias além da protagonista.

Nesta semana, a série de comédia farofinha retorna à Netflix ainda melhor em sua 2ª temporada trazendo inúmeros conflitos, dramas adolescentes e com uma história melhor construída, digamos que até mais complexa desta vez.

A nova temporada conta com o retorno dos membros do elenco Maitreyi Ramakrishnan, Ramona Young, Lee Rodriguez, Darren Barnet, Jaren Lewison, Poorna Jagannathan e Richa Moorjani. Além disso, Megan Suri se juntará ao elenco como estrela convidada recorrente. Ela interpreta Aneesa, uma nova estudante indiana em Sherman Oaks High, cuja confiança e carisma representarão uma ameaça imediata para Devi.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Eu Nunca…: Conheça os personagem da série da Netflix

SINOPSE

Eu Nunca… retrata a vida moderna e complicada de Devi, uma adolescente americana, filha de indianos e aluna nada popular na escola. A série é inspirada em momentos reais da infância da atriz e comediante Mindy Kaling.

Nesta nova temporada, a protagonista Maitreyi Ramakrishnan está de volta como Devi, uma adolescente desajeitada que se propôs a alcançar popularidade e encontrar o amor, e agora está lidando com o afeto não de um, mas de dois namorados – o popular atleta Paxton Hall-Yoshida e seu ex-inimigo Ben Gross. Ao mesmo tempo, ela precisa considerar a chance de morar na Índia, junto com a família de seus pais.

ANÁLISE

Devi ainda está lutando com a perda repentina de seu pai. Mas, como uma adolescente com bagagem emocional, hormônios em fúria e ela também se envolve em um comportamento impulsivo e prejudicial. Com todos os conflitos pertinentes, a série explora muito bem os arcos de cada personagem dando a eles um início, meio e fim bem redondinhos.

A série aborda temas como anorexia, relacionamento abusivo e a dificuldade em seguir a vida após o luto. No entanto, todos os personagens da série têm suas próprias batalhas e questionamentos, um exemplo disso são as amigas de Devi: Fabiola (Lee Rodriguez) é uma garota prodígio, expert em tecnologia e vive intensos questionamentos sobre sua sexualidade. Já Eleanor (Ramona Young) tem uma mágoa do passado em relação a sua mãe, e tenta superar isso através da arte.

A série conta com 10 episódios de 27 minutos, que no primeiro momento nos faz imaginar que é pouco para abordar temas tão importantes mas na verdade, o roteiro inteligente traz dinamismo e faz com que o espectador nem veja o tempo passar.

VEREDITO

Eu Nuca… foi um acerto da Netflix, com histórias que conquistam os amantes de séries de comédia e ao mesmo tempo traz uma trama intensa falando sobre amizade, perspectivas sobre o futuro, questões familiares entre outros temas reais de fácil identificação do público jovem. Uma série que merece ser maratonada!

Nossa nota

5,0 / 5,0

Assista ao trailer legendado:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorNoites Sombrias #23 | Rua do Medo – 1666: Parte 3 (2021, Leigh Janiak)
Próximo artigoCRÍTICA – Space Jam: Um Novo Legado (2021, Malcolm D. Lee)
Carioca, estudante de Design de Interiores, fã de séries, filmes e principalmente de Como Treinar o Seu Dragão <3