Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – O Legado de Júpiter (1ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA – O Legado de Júpiter (1ª temporada, 2021, Netflix)

O Legado de Júpiter é uma série que adapta os quadrinhos homônimos do selo Millarworld de Mark Miller, responsável por diversas HQs de sucesso. O seriado faz parte do catálogo de originais da Netflix e está entre uma das mais assistidas do mês de maio. O elenco conta com Josh Duhamel como protagonista.

SINOPSE

Sheldon Sampson (Josh Duhamel) é o Utópico, o super-herói mais poderoso da mundo. Ele e sua família são formados por super-heróis e agora tem que resolver seus problemas após um ato de seu filho, Brandon (Andrew Horton) para salvá-los em combate. Será que os heróis ainda são necessários?

ANÁLISE

O Legado de Júpiter é uma série que dividiu opiniões, pois traz uma abordagem diferente de super seres de uma forma “atrasada” em comparação à concorrência. Em um mundo que tem The Boys, Invencível, The Umbrella Academy, Falcão e o Soldado Invernal e tantos outros, sua premissa chega sem um grande diferencial.

Entretanto, por mais que existam muitos problemas, há sim alguma qualidade. A trama possui duas linhas de tempo, uma no passado e uma no presente, por exemplo. A do passado é interessante e prende a atenção do espectador, pois tem um ar de mistério e exploração bem interessantes. 

Já a linha do presente é desinteressante, uma vez que bate na mesma tecla ao falar do código de conduta dos heróis, sem nunca abordar de fato as consequências dos atos de cada personagem.

Além disso, alguns coadjuvantes tem histórias que não se conectam a trama, Chloe (Elena Kampouris), por exemplo, que inicia e termina da mesma forma, sem afetar em nada a história. Brandon tem um arco mais interessante, contudo, mal explorado.

QUESTÕES TÉCNICAS DE O LEGADO DE JÚPITER

Sobre as questões técnicas, a série entrega coisas boas e outras muito ruins. O texto é vago e carece de boas ideias, mas tem bons acertos quanto a alguns personagens.

Eu gostei muito das atuações de Josh Duhamel, Ben Daniels e Matt Lanter, pois entregam tudo que seus personagens demandam de forma bem realista sem comprometer. Os demais são competentes.

Sobre a direção dos episódios, aqui é um problema grave, pois as técnicas de filmagem são confusas e a utilização do CGI e cenas de ação são extremamente pobres, lembrando muito os piores momentos do Arrowverso. Se houver uma segunda temporada, os consertos devem começar por aí.

VEREDITO

legado de júpiter

O Legado de Júpiter é uma série que possui bons elementos para ser excelente, todavia, seus realizadores precisam percorrer um bom caminho para entregar um material melhor do que o apresentado.

Se houver mais investimento financeiro e na trama, há aqui uma boa possibilidade de termos mais um produto muito bom nas mãos da vermelhinha do streaming.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Confira o trailer de O Legado de Júpiter:

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Outriders (2021, Square Enix)
Próximo artigoCRÍTICA | Demon Slayer – Mugen Train: O Filme (2021, Haruo Sotozaki)
Relações-públicas, gremista, nerd, escorpiano e palestrinha. Parece futebolista, pois só vive descendo a lenha. DC é melhor que Marvel, todavia, amamos as duas.