Início SÉRIE Crítica CRÍTICA – O Rei de Porcelana (1ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA – O Rei de Porcelana (1ª temporada, 2021, Netflix)

CRÍTICA - O Rei de Porcelana (1ª temporada, 2021, Netflix)

Baseado no manhwa (HQ coreana) de mesmo nome, O Rei de Porcelana (The King’s Affection ou Yeonmo, no original) é a mais nova queridinha das séries sul-coreanas lançadas no catálogo da Netflix. A série de TV é uma história criada pela KBS2 Originals e a primeira temporada foi lançada mundialmente na rede KBS2 e na gigante do streaming em 11 de outubro de 2021.

Com dois episódios sendo lançados semanalmente pela Netflix, a primeira temporada que conta com 20 episódios teve sua conclusão nesta semana.

O elenco conta com Park Eun-bin, Rowoon, Ko Kyu-pil, Baek Hyun JooNam Yoon-su, Lee Pil-moChae-Yeon Jung.

SINOPSE

Durante a Dinastia Joseon, a Princesa Consorte dá à luz gêmeos, mas manda a menina embora para poupar sua vida. Anos depois, o filho gêmeo morre em um acidente e sua irmã deve assumir sua identidade e trono, tudo isso enquanto esconde seu verdadeiro eu.

ANÁLISE

É sabido que há diversas obras que apresentam nobres que precisam esconder seu gênero para que possam seguir em suas jornadas, onde o mais conhecido – até por se ambientar também no oriente – seja Mulan; e em um primeiro momento a premissa pode parecer óbvia e repetitiva.

Entretanto, O Rei de Porcelana é um drama repleto de camadas e subtramas, afinal, com 20 episódios é preciso uma grande quantidade de histórias paralelas para que a trama principal dure toda a temporada. Sendo obviamente o grande ponto negativo da produção, fazendo com que a série ganhe uma grande “barriga” do meio para o fim.

Mas ainda assim, a série tem mais acertos que erros.

O primeiro dos acertos é sem dúvidas a escolha do elenco principal, onde a química de Rowoon como o escriba real Jung Ji-Woon e Park Eun-bin como o Príncipe Herdeiro é palpável, tornando o amor verdadeiro, independente de gênero, singelo, verosímil e contagiante.

Rowoon como o escriba real Jung Ji-Woon e Park Eun-bin como o Príncipe Herdeiro.

Já no elenco de apoio, o carisma é o carro chefe. Dentre eles temos destaque especial para Ko Kyu-pil como o eunuco Hong, Baek Hyun Joo como a dama de companhia Kim e Nam Yoon-su como o primo real Lee Hyun que nos mostram os muitos nuances do amor, tornando a produção gostosa de se assistir.

E como de praxe em produções orientais de época, todos os figurinos e reconstruções de cenários são impecáveis, parecendo seguir um padrão difícil de ser quebrado.

Com uma longa duração, a primeira temporada é concluída com todas as suas tramas fechadas, mas a continuação do romance já foi confirmada pela KBS2 e consistirá em 16 episódios; onde o episódio piloto tem previsão de lançamento para 30 de novembro de 2022; na Netflix ainda não há informação de renovação.

VEREDITO

O Rei de Porcelana é uma boa série para inspirar as muitas formas de amor, mas apesar de um roteiro esticado ao limite para atender aos longos 20 episódios, todas as tramas são concluídas tornando uma boa experiência de temporada única.

Mas com a confirmação de uma segunda temporada pela KBS2 precisamos torcer para não estragarem o que parece razoavelmente bom, afinal nem todas as séries precisam de muitas temporadas para serem boas, como My Name, por exemplo.

Nossa nota

3,5 / 5,0

Assista ao trailer legendado:

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorCRÍTICA – A Roda do Tempo (1ª temporada, 2021, Amazon Prime Video)
Próximo artigoFeededigno recomenda: Melhores documentários de 2021
Um carioca apaixonado por livros, cinema, games e que ama falar de nerdice.