CRÍTICA – O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder (1ª temporada, 2022, Prime Video)

    Após 8 anos desde a última adaptação da obra de J.R.R. Tolkien, foi lançada no dia 1º de setembro O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder, a primeira série de TV baseada nos romances e manuscritos do autor britânico.

    Produzida e lançada exclusivamente no serviço de streaming Prime Video, a série com oito episódios teve sua primeira temporada concluída na última sexta-feira, 14 de outubro.

    Dirigida por Charlotte Brändström, Wayne Yip e J.A. Bayona, o elenco da produção conta com nomes como: Morfydd Clark, Robert Aramayo, Markella Kavenagh, Ismael Cruz Córdova, Charlie Vickers, Benjamin Walker, Charles Edwards, Daniel Weyman, entre muitos outros.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder | Conheça o elenco da série

    SINOPSE

    Tendo início em uma época de relativa paz, a série acompanha um grupo de personagens que enfrentam o ressurgimento do mal na Terra-Média. Das profundezas escuras das Montanhas de Névoa, das majestosas florestas de Lindon, do belíssimo reino da ilha de Númenor, até os confins do mapa, esses reinos e personagens criarão legados que permanecerão vivos muito além de suas partidas.

    ANÁLISE

    A Amazon fez uma escolha arriscada: lançar a série mais cara da história na mesma semana que a segunda série mais cara e que também é um spin-off da série mais premiada da atualidade seria lançada.

    Com um orçamento de US$ 715 milhões, a primeira temporada de O Senhor dos Anéis: Anéis de Poder investiu um montante absurdamente maior que os US$ 60 milhões da primeira temporada de Game of Thrones e até mesmo que os US$ 200 milhões para A Casa do Dragão.

    Um deleite visual

    Todo esse “caminhão” de dinheiro pode ser visto em cada frame da temporada. A qualidade visual é inegavelmente o ponto alto da produção do Prime Video. Aqui, tudo é lindo! Desde uma flor desabrochando em uma árvore queimada até a explosão quase cataclísmica de um antigo vulcão adormecido.

    São tantos momentos belos que nos enchem os olhos que seria difícil listar aqui todos eles. Entretanto, é oportuno mencionar que não só de CGI a série é feita. Figurinos, cenários e armas são bem desenvolvidos e trazem ainda mais veracidade à Terra-Média criada pela Amazon.

    Representação

    Disa (Sophia Nomvete)

    Há tempos vivemos em uma sociedade plural e diversa; e a série abraça as mudanças importantes do mundo real ao apresentar pela primeira vez personagens inéditos na mitologia tolkiana. 

    Ao adaptar a Segunda Era de Arda (o mundo de Tolkien), a Amazon tem a oportunidade de explorar um período pouco abordado por seu criador e com isso vemos Arondir, um Elfo-Silvestre de pele negra, vivido porto-riquenho Ismael Cruz Córdova e a personagem Disa, esposa de Durin IV, a primeira Anã e também negra, vivida pela carismática Sophia Nomvete.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder | Conheça Durin IV

    Ambos os personagens não são canônicos e assim como muitos outros foram criados exclusivamente para a série.

    Infelizmente, muitos fãs tóxicos e não abertos para mudanças criticaram duramente os personagens, a produção e até os atores. Entretanto, foi um bálsamo ver o elenco original da trilogia O Senhor dos Anéis fazendo a campanha de apoio à série ao postarem foto com camisas que dizia em élfico:

    Todos são bem-vindos aqui.

    Um mundo enorme e cheio de referências

    Em ambas as trilogias cinematográficas de Peter Jackson, seja O Senhor dos Anéis ou O Hobbit, vemos muito da Terra-Média; mas hoje, com O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder a impressão que fica é de que havíamos visto apenas uma fração do que é Arda.

    Aqui, conhecemos Valinor, Lindon, Eregion, Khazad-Dûm, Númenor e as Terras do Sul de forma tão ampla e imersiva, que mesmo muitos anos antes dos acontecimentos vividos por Bilbo e Frodo a sensação é de perplexidade e descobrimento.

    Ah, e as referências. Os easter-eggs já tornaram-se uma ferramenta obrigatória para qualquer produção, seja para interligar histórias ou apenas agradar fãs, mas na série do Prime Video essas referências são usadas discretamente, sem chamar atenção para si e fazendo perfeitamente sua dupla função: se conecta com o que já conhecemos e claro, isso nos agrada.

    Faltam palavras

    Elfos, Anões, Humanos, Númenorianos, Balrog, Magos, Pés-Peludos (ancestrais dos Hobbits), Orcs, Wargs, Trolls, são tantas criaturas… e Anéis, que é difícil fazer uma crítica sem spoilers.

    PUBLICAÇÃO RELACIONADA | O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder | Conheça os Maiar

    VEREDITO

    Com um elenco gigantesco e extremamente capaz de entregar um trabalho à altura da produção, a série só “peca” em seu ritmo inicial lento; mas lembre-se que estamos falando de Tolkien e para os já familiarizados, sabem que era característico do velho autor protelar acontecimentos com introduções de personagens, descrição de cenários e conexão com seus muitos núcleos antes de um grande clímax.

    Resumidamente, o que a Amazon tem nas mãos é uma grande oportunidade de explorar e expandir o universo criado por J.R.R. Tolkien e sem dúvidas O Senhor dos Anéis: Anéis de Poder é uma grande “colcha de retalhos” das obras e rascunhos do autor que o Prime Video costurou perfeitamente bem.

    Nossa nota

    5,0 / 5,0

    Assista ao trailer:

    O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder está disponível no Prime Video.

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – ‘A Inspeção’ de ‘O Gabinete de Curiosidades’: das belas cores berrantes do anos 70 ao horror corporal

    A Inspeção de 'O Gabinete de Curiosidades' nos lança por uma viagem nostálgica, no comando de Panos Cosmatos.

    CRÍTICA: ‘The Last Days of Ptolemy Grey’ é sobre fins, começos e reflexões

    'The Last Days of Ptolomy Grey' é uma joia escondida na AppleTV. Estrelada por Samuel L. Jackson, e grande elenco, o acompanhamos em uma jornada emocional e profunda.

    CRÍTICA: ‘Unicorn: Warriors Eternal’ dos épicos de fantasia aos filmes de artes marciais

    Unicorn: Warriors Eternal nos lança por uma história e por um visual deslumbrantes. Criado por Genndy Tartakovsky.

    Lançamentos Netflix: Veja o que chega em abril

    Abril já está chegando e nada melhor que ficar por dentro dos próximos lançamentos Netflix! Veja as produções da gigante do streaming.