CRÍTICA | Pacificador – S1E4 A Estrada Mais Paucorrida (2022, HBO Max)

    Pacificador chega ao seu quarto episódio intitulado A Estrada Mais Paucorrida. Os episódios saem todas as quintas no HBO Max.

    O texto abaixo contém spoilers, ou seja, leia por sua conta em risco!

    ANÁLISE DE PACIFICADOR: A ESTRADA MAIS PAUCORRIDA

    A Estrada Mais Paucorrida serviu para desenvolver cada vez mais nossos personagens, sendo um episódio mais intimista mas que, ao mesmo tempo, trouxe uma dose considerável de ação.

    Trazendo as consequências diretas de todos os atos ocorridos no enfrentamento contra as borboletas, o Pacificador (John Cena) e sua trupe lidaram com as falhas da missão, além de aprofundar ainda mais suas psiques, uma vez que temos aqui uma abordagem de traumas do passado de Chris.

    A atuação de John Cena está estupenda, pois consegue demonstrar a vergonha, frustração e dor que o protagonista está sentindo. O peso de ser um filho de um supervilão supremacista branco está cada vez maior e a culpa por ter passado por todos os problemas em que ele era vítima aumentaram ainda mais as camadas dele. O fato de termos uma história bastante comovente no passado de Chris faz Pacificador ganhar ainda mais possibilidades, o que faz a série ser ainda mais incrível.

    O texto continua galhofa, todavia, há um peso dramático bem interessante. O equilíbrio entre humor e drama funcionou bem demais no quarto episódio.

    Em A Estrada Mais Paucorrida, Adrian Chase (Freddie Stroma), o Vigilante, e Adebayo também ganharam destaque, mostrando suas outras facetas e limites de cada um. Se o anti-herói é maluco e psicopata, (Danielle Brooks) há no fundo alguma bondade. Já Adebayo é o contrário, visto que onde há muita bondade, tem um resquício pequeno de um lado sombrio a ser explorado e que pode ser corrompido por uma linhagem sanguínea que está manchada pelas ações de sua mãe, Amanda Waller.

    VEREDITO

    pacificador

    Falando sobre legado e traumas que passam de geração em geração, Pacificador eleva o nível do texto e se coloca como uma série dramédia em seu quarto episódio. Se manter a qualidade estupenda dos quatro primeiros episódios, o novo investimento da DC vai ser um dos melhores seriados do ano, pois tem um material incrível nas mãos.

    Nossa nota

    5,0/5,0

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Love, Death and Robots (3ª temporada, 2022, Netflix)

    Criaturas aterrorizantes, surpresas bizarras e humor ácido. Finalmente a terceira temporada de Love, Death and Robots está entre nós!

    CRÍTICA – Night Sky (1ª temporada, 2022, Prime Video)

    Night Sky é a nova série do Prime Video que traz em seu elenco principal os atores J.K. Simmons e Sissy Spacek. Confira nosso review!

    CRÍTICA – Vampiro no Jardim (1ª temporada, 2022, Netflix)

    A 1ª temporada de Vampiro no Jardim chegou ao catálogo da Neflix no dia 16 de maio. Veja o que achamos do anime!

    CRÍTICA – O Poder e a Lei (1ª temporada, 2022, Netflix)

    O Poder e a Lei é uma série baseada na saga literária de Michael Connelly sobre Michael "Mickey" Haller, um advogado de defesa. Uma...