CRÍTICA – StartUp (1ª temporada, 2016, Crackle)

    A série original da Crackle acaba de chegar ao catálogo da Netflix e já está no Top10 Brasil. StartUp é estrelada por Adam Brody (Shazam), Edi Gathegi (X-Men: Primeira Classe), Otmara Marrero (Connecting) e Martin Freeman (Pantera Negra).

    SINOPSE

    A GenCoin é uma ideia de tecnologia brilhante, mas controversa, centrada na moeda digital; uma ideia que é incubada com dinheiro fraudulento por três estranhos que não necessariamente se encaixam no molde de empreendedores de tecnologia e para piorar, um agente corrupto do FBI fará qualquer coisa para derrubá-los.

    ANÁLISE

    O agente do FBI, Phil Rask (Martin Freeman), que chantageava o um banqueiro fraudulento cruza o caminho do jovem empreendedor Nick Talman (Adam Brody) logo após seu pai deixar com ele uma grande quantia de dinheiro originado das fraudes e desaparecer.

    Convencido de que o projeto de criptomoeda chamado GenCoin, criado por Izzi Morales (Otmara Marrero) pode realmente mudar o mundo, Nick investe todo o capital na empresa de tecnologia, mas acaba atraindo atenção de pessoas violentas lideradas por Ronald Dacey (Edi Gathegi).

    O filho de um banqueiro fraudulento, um traficante haitiano-americano e uma cubana-americana muito talentosa na área da informática; essas três pessoas, totalmente diferentes, são forçadas a trabalhar juntas para criar sua versão do sonho americano com a GenCoin.

    VEREDITO

    Na primeira temporada os altos e baixos para deixarem de ser empreendedores e tornarem-se empresários é contagiante, mas sem dúvidas toda a jornada dos personagens de Adam Brody e Otmara Marrero é ofuscada pelo carisma e interpretação de Edi Gathegi.

    Ver a busca de Ronald para o melhor para sua família e sua comunidade ao se dividir entre o tráfico e sua startup é uma jornada entre dois mundos distintos, onde ao chegar na season finalle é nítida a sensação de que a primeira temporada teve apenas uma estrela.

    Todos os protagonistas estão muito bem, mas depois de Gathegi, Martin Freeman é sem sombras de dúvidas o mais marcante com seu – me faltam palavras – agente Rask. Os trejeitos de Freeman e a personalidade do personagem contrastam com a filmografia do ator, que já interpretou bons mocinhos como: Bilbo Bolseiro (trilogia O Hobbit), Watson (série Scherlock) e agente Ross (Universo Cinematográfico Marvel).

    Com uma trama envolvente a série original da Crackle pode ser antiga, mas ao chegar na gigante do streaming certamente ganhará novos fãs e quem sabe um retorno para uma nova temporada. Já que tivemos grandes exemplos de que uma grande fanbase tem poder sobre a indústria, vide La Casa de Papel e Liga da Justiça de Zack Snyder.

    Nossa nota

    3,5 / 5,0

    Assista ao trailer original:

    As três temporadas já estão disponíveis no catálogo da Netflix.

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    Obi-Wan Kenobi: Tudo sobre a nova série de Star Wars do Disney+

    Obi-Wan Kenobi estreia com 2 episódios no Disney+ no dia 27 de maio. Confira nesse artigo tudo o que você precisa saber sobre a série.

    CRÍTICA – Reação Nuclear (Minissérie, 2022, Netflix)

    Reação Nuclear é uma minissérie documental da Netflix que relata o maior acidente nuclear nos Estados Unidos, em 1979.

    CRÍTICA – Nossa Bandeira é a Morte (1ª temporada, 2022, HBO Max)

    Nossa Bandeira é a Morte é uma série de comédia e aventura da HBO Max estrelada por Taika Waititi, Rhys Darby e muitos outros. 

    CRÍTICA – Clark (Minissérie, 2022, Netflix)

    Clark reconta as verdades e mentiras presentes na autobiografia de Clark Olofsson, um sueco que ficou famoso por seus assaltos a bancos.