PRIMEIRAS IMPRESSÕES – Rebelde (2ª temporada, 2022, Netflix)

    Não demorou nem um ano para a segunda temporada de Rebelde chegar à Netflix, confirmando o sucesso da série teen mexicana. A produção é uma criação de Santiago Limón, para a nova temporada voltam Azul Guaita, Giovanna Grigio, Franco Masini, Sergio Mayer Mori, Alejandro Puente, Jerónimo Cantillo, Lizeth Selene, Andrea Chaparro e Saak é o novo nome no elenco. A segunda temporada de Rebelde estreia dia 28 de julho. 

    SINOPSE

    Depois de chegarem à final da Batalha das Bandas e juntar provas contra os integrantes da Seita, os alunos da Elite Way embarcam em um novo ano cheio de novos dramas e ambições.

    ANÁLISE

    É impressionante como a continuação de Rebelde se tornou uma sensação entre as séries teen da Netflix levando apenas sete meses para uma nova temporada surgir no streaming. O que de certa forma evidencia que a comunidade RBD está mais viva do que nunca e também garante credibilidade à nova geração de rebeldes. 

    Nos primeiros episódios já é possível ver que a maioria dos personagens ganhou mais profundidade e agora podem até mesmo amadurecer em frente as telas. Ainda que o clamor das séries adolescentes sejam o drama de forma forçada, é notável que Rebelde se esforça para trabalhar o gênero, o que contrasta muito bem com os personagens desajustados da trama. 

    A banda, formada por Jana Cohen (Azul Guaita), Esteban (Sergio Mayer Mori), M.J. (Andrea Chaparro), Dixon (Jeronimo Cantillo), Luka Colucci (Franco Masini) e Andi (Lizeth Selene), está passando por dificuldades que se agravam ainda mais com a saída de Luka e M.J. Do outro lado, novos personagens, como Okane (Saak), são ótimas adições à produção e podem render bons conflitos. 

    Rebelde também deixa seus personagens principais mais soltos e menos amarrados uns aos outros, cada qual parece explorar sua própria personalidade e descobrir quem se é de verdade é um dos temas da nova temporada. Até mesmo Sebastian (Alejandro Puente), abdicou do papel de vilão e surge de forma mais vulnerável na trama. As novas dinâmicas entre os personagens, como Esteban sendo filho de Marcelo Colucci e irmão de Luka, são pontos interessantes que devem ser explorados nos próximos episódios para provar que esses personagens podem se sustentar sozinhos.

    Chama atenção que ao menos nos primeiros episódios o ritmo da série tenha mudado, o que torna a produção até mesmo mais criativa. Com a utilização de recursos como as redes sociais, também existe uma atualização da cultura pop e Rebelde parece muito mais verossímil quando cita Harry Styles

    Por último, mesmo que as músicas sejam interessantes, o ritmo musical da série está um pouco perdido e isso até pode ser uma alegoria a trama da temporada, mas de fato soa estranho. Ainda assim, Rebelde mescla o tom de novela mexicana com o drama das séries teen americanas e o resultado é uma produção nostálgica e contemporânea.  

    VEREDITO

    Os primeiros episódios da segunda temporada de Rebelde entregam um início de trama mais interessante que a primeira. Resta saber se a série manterá o mesmo foco até o final. 

    Assista ao trailer:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Eu Nunca… (3ª temporada, 2022, Netflix)

    A terceira temporada da série adolescente Eu Nunca... chegou na Netflix. A série é uma criação de Mindy Kaling e Lang Fisher. No elenco...

    Desastre Total: Woodstock 99 | Tudo sobre o documentário da Netflix

    Woodstock de 1969 é sinônimo de Paz e Amor, mas a edição de 99 conseguiu destruir a reputação do maior festival da música.

    CRÍTICA – Sandman (1ª temporada, 2022, Netflix)

    Confira a crítica da nova série da Netflix, Sandman, que é a maior criação da lenda Neil Gaiman e que conta com Tom Sturridge como Morpheus.

    CRÍTICA – Manifest (2ª temporada, 2020, NBC)

    A segunda temporada de Manifest aprofunda ainda mais a história sem resolver arcos do passado. Mas isso é bom, ou ruim?