PRIMEIRAS IMPRESSÕES – Westworld (4ª temporada, 2022, HBO)

    Westworld estreia a sua quarta temporada no dia 26 de junho na HBO e HBO Max. A produção será veiculada semanalmente e conta com o retorno de seu elenco estelar: Jeffrey Wright, Thandiwe Newton, Evan Rachel Wood, Ed Harris, Tessa Thompson, Luke Hemsworth e Aaron Paul.

    Nós tivemos a oportunidade de assistir a quatro dos oito episódios da temporada. Confira abaixo as nossas primeiras impressões.

    SINOPSE DE WESTWORLD

    Situada na interseção de um futuro próximo e do passado reimaginado, explore um mundo em que todo apetite humano pode ser desfrutado sem consequências.

    ANÁLISE

    Após dois anos de pausa, Westworld retorna para sua quarta temporada. Sem nenhum anúncio sobre esse ser o último ano da série, presumimos que os criadores Lisa Joy e Jonathan Nolan ainda tenham planos para uma continuidade… mas será que há história para isso?

    Com o fim da desastrosa terceira temporada, onde os robôs conseguiram sair do parque e começaram a sua jornada de revolução no mundo dos humanos, a trama de Westworld não parecia ter espaço para crescer ou se sustentar.

    A cena pós-crédito com Bernard (Jeffrey Wright), personagem que no ano anterior foi relegado a um arco pífio e completamente descolado dos outros personagens, já evidenciava que uma grande reviravolta estaria por vir na quarta temporada – o que não é bem uma novidade em Westworld.

    O novo ano parece tentar conter as consequências que a terceira temporada causou à imagem da série. Antes uma unanimidade de público e crítica, Westworld começou a perder pouco a pouco o seu espaço por investir em tramas cada vez mais confusas e repaginar acontecimentos utilizando circunstâncias diferentes. Ao tentar se aproximar de um arco similar ao de Mr. Robot, todo o charme do seriado escorreu pelo ralo, se perdendo no jogo que ela mesma criou.

    Portanto, diante deste cenário, nada mais inteligente do que retornar às origens e focar no que o seriado tem de melhor: seu elenco. A quarta temporada volta a explorar personagens que, no ano anterior, acabaram ficando em segundo plano, como Bernard e William (Ed Harris), e retorna a um lugar comum que pode agradar os fãs da série.

    Com as típicas linhas de tempo, que são características do seriado, e um desenvolvimento mais lento, o novo ano consegue nos manter interessados na próxima grande reviravolta do roteiro. O retorno de Dolores (Evan Rachel Wood) que, na temporada passada, havia sido apagada, é um dos grandes mistérios desta nova história. Os motivos vão se desenrolando gradativamente e, até o episódio que tivemos acesso, ainda há muito a ser revelado.

    Maeve (Thandiwe Newton), Charlotte (Tessa Thompson) e Caleb (Aaron Paul) são os grandes destaques da temporada até o momento, envolvidos em uma trama investigativa que flerta o tempo todo com o suspense e terror. As cenas de ação estão bem balanceadas neste ano, retornando aos primórdios e se distanciando das péssimas escolhas criativas da temporada anterior.

    Entretanto, é difícil não sentir uma sensação de déjà vu conforme os episódios vão passando. É como se nós mesmos estivéssemos presos em uma simulação de Westworld, revivendo as mesmas ideias e recursos narrativos que foram impactantes na primeira e segunda temporadas e que, agora, já não causam o mesmo efeito.

    É difícil dizer se o público geral irá se engajar, de fato, com o novo ano da série. Para os fãs, provavelmente irá causar uma sensação de alívio, pois os episódios estão bem dirigidos e a história é instigante.

    Se eu pudesse usar o comando “análise” e apagar a terceira temporada da minha base de dados, talvez os efeitos deste quarto ano fossem mais impactantes, pois apesar de ter um desenrolar previsível até o quarto episódio, a temporada ainda é cativante, muito por causa de seus ótimos atores. Entretanto, é complicado afirmar se a temporada irá terminar de forma satisfatória.

    VEREDITO

    A nova temporada de Westworld começa com episódios interessantes e tenta se reaproximar da identidade narrativa que a fez ser tão adorada pelo público. Mesmo com um desenrolar um pouco previsível, e a constante sensação de familiaridade causada pela trama, o novo ano (até aqui) é superior à terceira temporada.

    É difícil afirmar se a quarta temporada irá terminar de uma forma arrebatadora e se será o suficiente para colocar a produção de volta nos trilhos. Entretanto, os episódios conseguem criar um suspense divertido, o que pode culminar em um bom resultado final.

    Assista ao trailer:

    Inscreva-se no YouTube do Feededigno

    Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Eu Nunca… (3ª temporada, 2022, Netflix)

    A terceira temporada da série adolescente Eu Nunca... chegou na Netflix. A série é uma criação de Mindy Kaling e Lang Fisher. No elenco...

    Desastre Total: Woodstock 99 | Tudo sobre o documentário da Netflix

    Woodstock de 1969 é sinônimo de Paz e Amor, mas a edição de 99 conseguiu destruir a reputação do maior festival da música.

    CRÍTICA – Sandman (1ª temporada, 2022, Netflix)

    Confira a crítica da nova série da Netflix, Sandman, que é a maior criação da lenda Neil Gaiman e que conta com Tom Sturridge como Morpheus.

    CRÍTICA – Manifest (2ª temporada, 2020, NBC)

    A segunda temporada de Manifest aprofunda ainda mais a história sem resolver arcos do passado. Mas isso é bom, ou ruim?