Início SÉRIE Artigo Watchmen faz algo brilhante e impensável com a linha do tempo

Watchmen faz algo brilhante e impensável com a linha do tempo

89
0
Watchmen faz algo brilhante e impensável com a linha do tempo

O episódio 8 de Watchmen tem uma reviravolta inesperada na linha temporal que leva as mecânicas temporais apresentadas por Alan Moore e Dave Gibbons para outro nível. Formalmente reintroduzindo Dr Manhattan (Yahya Abdul-Mateen II) na série da HBO, no episódio “A God Walks Into Abar” revela o paradoxo que conecta a detetive Angela Abar, também conhecida como Sister Night (Regina King) e seu avô Will Reeves, também conhecido como Justiça Encapuzada, que foi possibilizado apenas pelo próprio Doutor Manhattan. Na verdade, a lembrança que dá início a história de Watchmen – é o assassinato do Delegado Judd Crawford (Don Johnson) – aconteceu apenas porquê Will e Angela estavam ligados pelo Dr Manhattan.

A God Walks Into Abar” mostra a história central de amor entre Angela e Dr Manhattan, também conhecido como Jon Osterman no centro da série de Damon Lindelof. Os eventos chave do episódio ocorrem em dois períodos diferentes de 10 anos: o primeiro encontro entre Angela e Jon em Saigon, Vietnã em 2009, que deu início ao relacionamento dos dois, e o que aconteceu quando Angela acordou o Doutor Manhattan de seu disfarce humano, Cal Abar em 2019. Partindo desses pontos, o episódio conta múltiplos flashbacks narrados pelo próprio Dr Manhattan: Para despertar o interesse de Angela, ele conta para ela o que fez desde 2/11/1985 na Europa ao criar novas formas de vida e como o jovem Jon e seu pai Hans se mudaram para uma mansão na Inglaterra em 1936 após escaparem de uma Alemanhã sitiada pelos nazistas, onde eles conheceram o casal em que ele se inspirou para criar os clones Sr. Phillips (Tom Mison) e Sra. Crookshanks (Sara Vickers). Mas o “túnel do amor” de Jon e Angela – conectado por sua conexão única no tempo – é o ponto principal; o episódio revela como Angela escolheu o corpo humano de Cal para Jon se transformar para que eles pudessem viver juntos como humanos e seu argumento principal que levou o Doutor Manhattan a viajar para Karnak à procura de Adrian Veidt (Jeremy Irons).

Foi de fato Ozymandias que apresentou a solução para o problema do Dr Manhattan: um aparelho que ele construiu 30 anos antes que pudesse apagar a memória do deus azul, de quem ele é e do que ele podia fazer. Sabendo que ele passaria 10 anos “cego”, Manhattan visitou Will Reeves em Nova Iorque em 2009, que deu início aos eventos da série que levou ao assassinato de Judd Crawford. Finalmente, em 2019, o Doutor Manhattan já desperto realiza os eventos da linha do tempo a qual ele está ligado: apesar dos esforços de Angela para salvá-lo, Jon permite que a Sétima Cavalaria use seu canhão taquiônico para transportá-lo e o destruir.

A God Walks Into Abar” é um episódio que muda completamente os eventos da série, e conta com um plot-twist. Aqui está como Watchmen brincou o tempo para permitir que a história mudasse tanto, dando a precisão necessária para que os “ponteiros da série” batessem em sincronia.

PUBLICAÇÃO RELACIONADA | Watchmen: Será que Rorschach apoiaria a Sétima Cavalaria?



Angela e Will Reeves estão em um loop temporal por causa do Dr Manhattan

Watchmen

O mistério de como Will Reeves descobriu que Judd Crawford tinha uma roupa da Ku Klux Klan em seu armário (que pertencia ao avô de Judd), que levou ao Justiça Encapuzada a descobrir o segredo da aliança secreta de Judd com a Sétima Cavalaria e assim, Will Reeves assassinou o Chefe de Polícia de Tulsa, foi revelado: Foi a própria Angela que “contou” ao Will através do Dr Manhattan. Isso pôde apenas acontecer por causa da habilidade única do personagem de ver a linha temporal de uma forma não-linear: o Azulão é capaz de experienciar seu passado, presente, e eventos futuros de forma simultânea. Então, enquanto ele conversava com Angela em seu jardim em 2019, ele também estava falando com Will em 2009 em Nova Iorque – os dois eventos que se passaram em um intervalo de 10 anos, também aconteciam ao mesmo tempo para o Doutor Manhattan.

A presença simultânea do Dr Manhattan em ambos os períodos de tempo prendeu Will e Angela em um paradoxo. Por causa disso, através de Jon, ela pôde falar com seu avô no passado, Angela quis saber como Will sabia sobre a roupa da KKK de Judd. A resposta foi: ele não sabia, não até o exato momento em que o Doutor Manhattan fez a Will a pergunta de Angela. Reeves nunca nem tinha ouvido sobre Judd antes do Doutor Manhattan aparecer; portanto, foi Angela que plantou o conhecimento na mente de Will, e assim, Angela indiretamente matou Judd. A visita do Dr Manhattan à Will Reeves enquanto habitava o corpo de Cal Abar também é como Reeves sabia que o super-humano podia parecer um humano, e ele contou isso a Angela no episódio 2 de Watchmen; algo que Angela é claro, já sabia, mas precisava fingir que não.

Portanto, tudo que Will sabia a respeito de Judd Crawford de 2009 em diante, teve início pela própria Angela Abar em 2019. Como o Dr Manhattan descreveu, como o paradoxo do ovo e da galinha, que liga Jon Osterman, Will Reeves e Angela de uma forma profunda. O paradoxo temporal de Watchmen lembra o mundo o paradoxo de LOST, que não é algo surpreendente, já que Damon Lindelof foi o responsável por ambas as séries. Os quadrinhos de Watchmen serviram como uma incrível influência para LOST, então é compreensível que as lições aprendidas por Lindelof fossem aplicadas a Watchmen, causando um efeito igualmente fascinante.



O que o loop temporal significa para Watchmen

Watchmen

A série de TV de Watchmen faz a habilidade do Dr Manhattan um dos pontos principais, e vai muito além do que o quadrinho já foi. No quadrinho, Doutor Manhattan usava sua habilidade apenas de forma passiva apenas narrando como ele experiencia o tempo para narrar sua história de origem e a aplicação fundamental foi quando ele decidiu que o nascimento de Laurie Juspeczyk, a Silk Spectre II era um milagre termodinâmico, o que o leva a voltar para a Terra para impedir o plano da lula gigante de Adrian Veidt.

Mas na série da HBO, a verdadeira tragédia do Doutor Manhattan é exposto: independente de seus poderes imensuráveis, o Dr Manhattan é apenas um escravo do tempo, e ele precisa fazer com que os eventos se desenrolem como ele já havia previsto. Angela tenta salvá-lo para alterar o futuro, mas Jon diz que é inevitável tentar salvá-lo, mas mesmo assim, eles destroem quase toda a equipe da Sétima Cavalaria que cerca a casa, até que Manhattan se permite ser atingido por um canhão taquiônico. Jon poderia ter destruído o aparato e ter se salvado e alterado o futuro (assim como ele poderia ter impedido há muitos anos atrás que o Comediante assassinasse uma jovem vietnamita que estava grávida dele) mas ele não impediu, Doutor Manhattan carrega a vontade do tempo e passa pelos eventos como uma marionete do tempo.

O fato do Dr. Manhattan sempre se submeter a vontade do tempo sugere que todos os eventos estão travados na inevitabilidade. Essa ideia aponta que tudo e todos, até mesmo o ser mais poderoso do universo, é impotente diante do tempo.



Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Comentários