CRÍTICA | WandaVision: S1E9 – O Grande Final

    O último episódio da temporada de WandaVision foi ao ar no dia 5 de março de 2021 e é intitulado O Grande Final. O episódio conta com enormes surpresas, incríveis revelações, enquanto fecha o arco da série e deixa muitas dúvidas no ar.

    SINOPSE

    Os acontecimentos chegam a um momento culminante e o destino de todos é determinado.

    ANÁLISE

    O episódio 9 de WandaVision, diferente do que muitos apontavam, é mesmo o último da temporada e se mostra um dos mais interessante e relevantes da primeira série do Universo Cinematográfico Marvel.

    O cuidado de Matt Shakman ao coordenar os acontecimentos da série com o passado de Wanda, assim como do UCM, nos colocam em meio ao turbilhão de acontecimentos que apenas Kevin Feige é capaz de gerenciar.

    O Grande Final

    A conturbada história de Wanda finalmente tem um novo arco fechado, entregando muito mais profundidade por parte da personagem do que vimos até então.

    O desenvolvimento de Wanda (Elizabeth Olsen) e Visão (Paul Bettany) são os mais intensos vistos desde suas estreias em Vingadores: A Era de Ultron. Os personagens dominam a tela a todo momento que estão presentes, nos deixando estarrecidos diante das possibilidades que WandaVision deixa em aberto para o imenso e vasto futuro da Marvel Studios e sua vindoura Fase 4.

    A habilidade e o cuidado que a direção criativa da Marvel tem ao deixar diversos elementos em aberto, enquanto encerra alguns ciclos é admirável. A série nos faz ver que apesar de dar bastante liberdade criativa aos diretores/produtores de seus filmes e séries, mostra que existe um caminho a seguir e que a Marvel Studios e Kevin Feige não vão abrir mão dele.

    VEREDITO

    O Grande Final

    O ápice do episódio acontece em meio à tiroteios, brigas entre sintozoides, crianças super poderosas, e o embate de duas feiticeiras. Tudo se mostra um deleite, tirando a atuação de Kathryn Hahn, que não convence nem um pouco como uma Agatha Harkness realmente maldosa.

    O encerramento de ciclos dentro do Universo Cinematográfico Marvel precisa acontecer. E WandaVision o fez com maestria, ao aumentar os poderes de Wanda e colocar ela à frente do Mago Supremo, Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch).

    O desenvolvimento de Monica Rambeau (Teyonah Parris) no UCM, nos faz sentir que a história da personagem está apenas começando, enquanto ela explora seus poderes enquanto abre as portas para o brilhante futuro da personagem.

    Nossa nota

    4,5 / 5,0

    Tudo sobre WandaVision, série do Universo Marvel original do DIsney+

    Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

    Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

    Artigos relacionados

    CRÍTICA – Eu Nunca… (3ª temporada, 2022, Netflix)

    A terceira temporada da série adolescente Eu Nunca... chegou na Netflix. A série é uma criação de Mindy Kaling e Lang Fisher. No elenco...

    Desastre Total: Woodstock 99 | Tudo sobre o documentário da Netflix

    Woodstock de 1969 é sinônimo de Paz e Amor, mas a edição de 99 conseguiu destruir a reputação do maior festival da música.

    CRÍTICA – Sandman (1ª temporada, 2022, Netflix)

    Confira a crítica da nova série da Netflix, Sandman, que é a maior criação da lenda Neil Gaiman e que conta com Tom Sturridge como Morpheus.

    CRÍTICA – Manifest (2ª temporada, 2020, NBC)

    A segunda temporada de Manifest aprofunda ainda mais a história sem resolver arcos do passado. Mas isso é bom, ou ruim?