Início EVENTOS Brasil Game Show 2019: Cobertura do terceiro dia

Brasil Game Show 2019: Cobertura do terceiro dia

133
0
Brasil Game Show 2019: Cobertura do terceiro dia

Esse, com certeza, foi o dia da Brasil Game Show que passou mais rápido. O relógio simplesmente mudou de 11h para 21h e eu nem percebi. Posso ser suspeito para falar, o dia foi recheado de tudo que amo: Charles Martinet, Howard Warshaw, John Romero, Video Game Orchestra e, claro, emoções. Sou hormonal, mesmo, hoje gargalhei, chorei, me assustei, tudo.

Brasil Game Show 2019: Cobertura do terceiro dia

Bom, cheguei e já corri para o reizinho das filas quilométricas: Charles Martinet. Já teve dobradinha na BGS Meet & Greet ontem mas, mesmo com a organização arrumando pra agilizar, esse homem é um fofo. A ordem é “uma foto e uma assinatura”, mas ele começa a bater papo, faz mil poses, fica fazendo a voz do Mario para todo mundo… Felizmente peguei meu autógrafo rapidinho e já corri para o ícone Howard Scott Warshaw, programador de diversos jogos de Atari 2600. O trabalho provavelmente mais conhecido é o ET, considerado o pior jogo da história. Mas nada como uma má publicidade pra te deixar famoso, não é?

Brasil Game Show 2019: Cobertura do terceiro dia

Depois fui flutuando de alegria para o BGS Talks, onde o tão aguardado John Romero estava como convidado, contando um pouco da sua trajetória. E não decepcionou. Como eu já disse, chorei. John é um cara extremamente inteligente, fala com prazer do passado, vê-se que tem um grande apreço por todos que passaram por sua história e isso está refletido na forma que apresentou seus slides.

Começou falando de Hovertank 3D e Catacomb 3D, depois passou para o sucesso Wolfenstein 3D, que teve até uma versão encomendada pela Nintendo (que contrataram uma pessoa para fazer, ela não fez, e a equipe teve que interromper DOOM no meio para terminar isso). Em 28 de novembro de 1992, eles lançaram a DOOM Bible, e prometeram um jogo icônico e diferente de tudo já visto, feito com as melhores tecnologias da época – sem ter a menor prova de que isso se concretizaria.

Brasil Game Show 2019: Cobertura do terceiro dia

Fiquei escutando toda a história que se passou em seu novo apartamento na época, que ficava no sexto andar, e era de número 666. Em um ano fechadinho, DOOM estava pronto. Dia 9 de dezembro de 1993, os EUA entraram em um debate fortíssimo sobre violência em jogos, usando títulos como Street Fighter para embasar seus argumentos. Nessa hora Romero apenas riu e disse “Eles nem imaginavam o que viria a seguir”, e dia 10 o título histórico DOOM saiu para vendas sendo um sucesso respeitado até hoje.

Bem pertinho fica a BGS Cosplay, e aproveitei para ver o concurso especial que a Marvel faz entre uma bateria oficial do evento e outra. Eu e mais dezenas de pessoas que estavam lá ficamos boquiabertos com o nível da competição. Simplesmente não conseguiam arrumar um campeão! Estavam todos impecáveis, em roupa, performance, tudo. No final, um homem (que desconfio até agora ser o próprio Hugh Jackman) levou a Manopla (prêmio dado ao vencedor) por seu cosplay de Logan.

Como prometi ontem, fui dar uma olhada cautelosa no estande do Xbox, e adorei a energia por lá. Estão rolando diversas competições, sempre tem uma plateia enorme no estande deixando a energia no topo, e até a fila que leva ao Xbox Game Pass (cartão com mais de 300 jogos) estava cheia. A Xbox Official Gear também tinha um público bem interessado. Mas também, né? Eu odeio verde, porém o verde do Xbox e os produtos deles são lindíssimos.

Para se divertir, o pessoal disponibilizou Project Resistance, Fortnite, Ori and the Will of the Wisps, Battletoads, Gears 5, NBA 2K20, UFC 3, Borderlands 3, PES 2020, Tom Clancy’s Ghost Reacon Breakpoint e Minecraft Dungeons. E ainda deixou um espaço para fotos divulgando o lançamento de Watch Dogs Legion, previsto para março de 2020.

O estande da Piticas está enorme e com muitos produtos incríveis, que só a Piticas tem. Eu amo aquela loja. Destaque especial para a Legion que está com um dragão preto incrível, digno de se ajoelhar e esperar por uma ordem. Além disso, o estande oferece campeonatos entre o público também – com direito a plateia vibrando -, um espaço onde staffs pintam em sua cara uma caveira perfeita e as áreas gamers – L340 e Y540.

Sabe o que mais foi maravilhoso? O KondZilla, gente! Ele estava no estande da Dazz. Quase pedi para ele gravar um clipe comigo. Reizinho nacional.

Hoje o pessoal da Razer foi muito simpático em me receber para entrevistas. Conversei primeiro com o Dennis Ferreira, super atencioso, que estava na Razer Gold. O Dennis me explicou tudo sobre o sistema da Razer Gold e ainda me mostrou o que eles tem de exclusivo para a BGS

Razer Gold é a mais nova e-wallet no mercado. Ele está linkado com mais de 2.500 jogos e conteúdo de entretenimento para comprar os próprios jogos ou itens dentro deles. Um dos principais parceiros é a Steam, que todos utilizam bastante. E qual a vantagem do Razer Gold, Oompa? Pois bem, essas compras no Razer Gold geral pontos – como se fossem milhas – no Razer Silver, e esse pontos podem ser trocados por coisas como descontos nos produtos Razer, por exemplo. E essa transferência entre o Gold e o Silver já é automática, sem dor de cabeça.

E quais as novidades para a BGS? Adquirindo o Razer Gold, você pode girar uma roleta que sempre cairá em um prêmio muito bacana da marca. Só tem um campinho minúsculo em que você não ganha nada, tem que ser muito azarado pra parar nele – e eu consegui essa proeza. Comprando um cartão da Blizzard, você ganha um pôster da D.Va de Overwatch, e um cartão da Steam te garante uma camiseta. Corre enquanto ainda tem estoque!

Depois eu fui me reunir ao JB para conversar sobre os produtos Razer. A primeira pergunta, claro, foi sobre a novidade Razer Siren Emote, que felizmente tinha um em cima da mesa quando cheguei. Gente, o microfone é incrível! Eles ligaram o microfone com o teclado, o fone e o software. Quando o comando era dado, os três periféricos acionavam as mesmas cores, as mesmas intensidades… E isso é realmente um orgulho da Razer. O microfone aproxima os visitantes das páginas de stream com seus criadores, facilitando o diálogo dinâmico, mantendo uma imersão ótima e mostrando emotes muito bem feitos no microfone do streamer.

Brasil Game Show 2019: Cobertura do terceiro dia

Perguntei sobre essa vibe de periféricos participarem da imersão em jogos, e eles me disseram que isso é uma preocupação forte da Razer, já comprovada por todos os teclados iluminados controlados pelo proprietário, e a tendência é ver mais e mais produtos nessa diretriz. No estande a Razer não apenas mostra os produtos, como também incentiva eventos em seu palco e deixa disponível jogos como Tekken e Fortnite para o público. Destaque para o mouse utilizado nesses jogos, que é um dos mais procurados no mercado atualmente e na BGS também: o Razer Viper, o mais leve do mercado, com 69 gramas, que dá a impressão de ser mouse de 10 reais em banquinha pelo peso, mas muito pelo contrário. Está entre os mais procurados no cenário competitivo pela sua tecnologia impecável e sua resposta ultra rápida, de 0,2 segundos.

Brasil Game Show 2019: Cobertura do terceiro dia

Vi muita coisa bacana hoje, mas para não enrolar demais, vou pra onde meu coração chora ao lembrar: Video Game Orchestra. Meus amigos, já vi muitos shows, amadores e profissionais, rock, pop, MPB, tudo. E posso afirmar que isso foi uma obra de arte. Houve uma entrega tão grande de todo o pessoal que fiquei boquiaberto. Chorei também, já adianto. Trilhas de Sonic, Metal Gear Solid… E teve até uma palhinha de Sweet Child O’ Mine. Eu não tenho como dar destaque para ninguém, pois, honestamente, todos estavam impecáveis. A orquestra, a guitarra, o baixo, o teclado, o violino, o vocal e, claro, nosso querido Shota Nakama.

O ápice foi todo mundo pedindo pra ele solar gritando “Shota, Shota!” e ele respondendo “Eu sei que vocês não querem que eu sole, vocês só querem uma desculpa pra gritar meu nome.” E após uma plateia inteira gritando “Shota”, tivemos muitos solos para destacar o talento de cada um – inclusive parabéns para o baterista brasileiro Bruno, representando a gente na VGO – e minha meta de vida atualmente é só deitar num colchão de casal branquinho com ar condicionado ligado e ouvindo o violinista Chris tocando o dia inteiro pra mim enquanto eu fico olhando pro rosto fofinho dele. Ele é uma graça! Até a música ficar hard, aí ele vira um monstro. Todos eles de um talento indescritível.

Vai para a BGS amanhã? Não perca a chance de ver esse show, e sejam mais animados do que a plateia de hoje. Fiquei decepcionado com o Brasil, sempre tão gritante e escandaloso, faltou dar um feedback melhor pro show de qualidade que foi oferecido.

E amanhã tem mais! BGS Jam está acabando, teremos resultados neste sábado. E o resto da feira continua rolando na insanidade.

Não se esqueçam de nos seguir no Twitter (@feededigno) e apoiem nosso trabalho que fazemos com tanto carinho pelo http://apoia.se/feededigno.

Comentários