Início FILMES Crítica CRÍTICA – 7 Prisioneiros (2021, Alexandre Moratto)

CRÍTICA – 7 Prisioneiros (2021, Alexandre Moratto)

CRÍTICA - 7 Prisioneiros (2021, Alexandre Moratto)

7 Prisioneiros é o novo filme brasileiro do catálogo da Netflix. Dirigido por Alexandre Moratto, o longa é produzido por Fernando Meirelles (Dois Papas) e Ramin Bahrani (O Tigre Branco), e possui em seu elenco principal os atores Rodrigo Santoro e Christian Malheiros.

A produção foi apresentada nos festivais de Veneza e Toronto, e chega ao streaming no dia 11 de novembro.

SINOPSE

Para proporcionar uma vida melhor para sua família em casa, Mateus (Christian Malheiros), de 18 anos, aceita um emprego em um ferro-velho em São Paulo para seu novo chefe, Luca (Rodrigo Santoro), mas é apanhado no perigoso mundo do tráfico humano.

ANÁLISE

7 Prisioneiros retrata os horrores do trabalho escravo e do tráfico humano, uma realidade que é difícil de ser contada em tela. O roteiro de Alexandre Moratto e Thayná Mantesso acompanha a história de jovens que vão para São Paulo em busca de uma vida melhor. Cheio de sonhos e planos, os rapazes são enganados por um sequestrador, que os vende como mercadoria para Luca, interpretado por Rodrigo Santoro.

Inicialmente acreditando que aquele será um trabalho como qualquer outro, os jovens se empenham sem parar, dando o seu melhor. Entretanto, a realidade logo bate à porta, e o que parecia uma chance de mudar de vida, se torna o maior pesadelo de todos.

Com o desenrolar da trama, e do trabalho do grupo no ferro velho, conhecemos mais a fundo suas personalidades e histórias. Entendemos também as motivações por trás dos negócios de Luca e a rede de tráfico humano que se desenvolve na cidade.

Em uma hora e 33 minutos de duração, 7 Prisioneiros possui tempo suficiente para estabelecer seu plot principal e desenvolver um suspense bem cadenciado em todos os seus atos. Mesmo boa parte do filme se passando dentro do ferro velho, a trama não é tediosa e nem arrastada, trazendo dinâmicas diferentes para demonstrar todas as situações vividas por aqueles jovens dentro daquela prisão.

CRÍTICA - 7 Prisioneiros (2021, Alexandre Moratto)

Esse é o segundo trabalho de Christian Malheiros com Moratto e Mantesso. Sua parceria anterior foi em Sócrates, filme lançado em 2018. Ambos os longas retratam os desafios da sobrevivência, cada um dentro de sua própria proposta. Em 7 Prisioneiros, a atuação de Malheiros complementa o ótimo trabalho de Santoro, um ator que dispensa elogios.

Ao navegar pelo sistema que perpetua o a escravidão moderna, o personagem principal passa a ter entendimento sobre o que é necessário para sobreviver em meio a um mundo de opressores e oprimidos. Tanto Mateus quanto Luca são diferentes, mas, em certos momentos, iguais, e a produção de Moratto consegue construir esses paralelos de maneira inteligente, sem cair no clichê.

O que mais chama a atenção em 7 Prisioneiros é a capacidade de impactar conduzindo uma trama simples, mas poderosa. Não há aqui inúmeras cenas de violência ou acontecimentos que beiram ao absurdo. O roteiro afiado de Moratto e Mantesso fornece o necessário para todos os atores brilharem em cena e emocionarem o espectador.

VEREDITO

7 Prisioneiros é uma das melhores produções brasileiras da Netflix. É uma pena que esse filme não possa competir na corrida para o Oscar 2022, pois certamente teria muitas chances de ser selecionado.

Faça um favor a você mesmo e assista ao longa na estreia, no dia 11 de novembro.

Nossa nota

4,5/5,0

Assista ao trailer:

Inscreva-se no YouTube do Feededigno

Assista às nossas análises de filmes, séries, games e livros em nosso canal no YouTubeClique aqui e inscreva-se para acompanhar todas as semanas nossos conteúdos também por lá!

Artigo anteriorSandy+Chef: Conheça o novo programa brasileiro da HBO Max
Próximo artigoCRÍTICA – Não Devíamos Ter Crescido (2021, Yoshihiro Mori, Hayato Kawai)
Relações-Públicas de formação. Com pós-graduação em Star Wars e universo expandido, mas Trekker de coração. Defensora de todos os Porgs, Ewoks e criaturas fofinhas da galáxia.