Início FILMES Crítica CRÍTICA – Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica (2020, Dan Scanlon)

CRÍTICA – Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica (2020, Dan Scanlon)

“Há muito tempo, o mundo era cheio de maravilhas. Tinha aventura. Tinha magia”. Lançado no ano passado e atualmente concorrendo ao Oscar de Melhor Animação, Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica (ou Onward, no original) é mais uma obra prima Disney-Pixar.

Falo obra prima porque, para mim, foi um dos melhores filmes do ano passado (confere a nossa lista). Assim como outra animação concorrente ao Oscar, Soul, o longa tem uma postura menos infantil que o usual, mas trabalhada de maneira adequada.

SINOPSE

Ambientado em um subúrbio de um mundo de fantasia, Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica, da Disney-Pixar, apresenta dois irmãos elfos adolescentes que embarcam em uma missão extraordinária para descobrir se ainda há um pouco de mágica por aí. O longa-metragem original da Pixar Animation Studios é dirigido por Dan Scanlon e produzido por Kori Rae – a equipe por trás de Universidade Monstros.

CRÍTICA – Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica (2020, Dan Scanlon)

[  ] Falar mais

É quase impossível não se emocionar e não se deixar levar pela temática familiar e pela agradável abordagem que o filme dá ao tema. Com a introversão de Ian (dublado por Tom Holland) e a extroversão de Bradley (dublado por Chris Pratt), conseguimos observar relações cotidianas familiares de carinho e até mesmo embaraço dos dois irmãos.

A jornada de ambos com o objetivo de resgatar seu pai possui altos e baixos, trazendo muito sobre relações do cotidiano entre irmãos. Mas, mais que isso, o longa também sabe abordar questões como ausência, um pouco sobre luto e muito sobre a força da família (seja ela constituída da maneira que for).

Laços de afeto, confiança, coragem e superação são palavras-chave desta animação, segundo o meu entender.

[  ] Aprender a dirigir

A construção da trama é bastante clara e não deixa dúvidas ou pontas soltas. Desde os primeiros instantes de tela, podemos identificar aonde o longa nos levará e dá pistas de seu desenvolvimento.

As vivas e alegres cores auxiliam muito a tornar mais leve o enredo, e aqui há de se destacar também a grande e constante evolução gráfica nas obras da Disney-Pixar. A fotografia é de encher os olhos e existem algumas tomadas com tanta qualidade que nos levam a acreditar que se trata de algo além de uma animação.

E para alguns, talvez esse “algo a mais” realmente esteja presente. A carga de referências à Dungeons & Dragons (famoso RPG de tabuleiro) e à outras obras de alta fantasia, transformando o conteúdo do jogo em parte da história antiga do longa, é certamente uma grande sacada e um ótimo chamariz.

CRÍTICA – Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica (2020, Dan Scanlon)

[  ] Convidar pessoas pra festa

Talvez o único ponto baixo de Dois Irmãos seja que, ao longo de seus 102 minutos, pouco é explorado de todos os demais personagens que são apresentados. O foco na jornada propriamente dita, na ideia de explorar a relação entre os irmãos e as inúmeras referências à jogos e fantasia, talvez tome todo o tempo de tela, não deixando espaço para um rico elenco de personagens.

As menções ou apresentações são breves, e algumas cenas que apenas trazem alguma piada poderiam ser melhor aproveitadas para um aprofundamento destes personagens secundários, como a própria Laurel, mãe dos protagonistas, a Mantícora ou até mesmo o policial Colt Bronco.

[  ] Ser como o papai

Ainda que não seja uma animação isenta de falhas, Dois Irmãos não pode ter seus méritos preteridos pela opção de não explorar todos os personagens que criou. A riqueza da temática, das referências e principalmente da animação em si, precisam ter um peso maior do que qualquer falha.

Assim como outros grandes trabalhos da parceria Disney-Pixar, como a grande série Toy Story ou o mais recente, Divertidamente, Dois Irmãos cumpre seu papel com louvor em deixar marcado um lugar nos corações de cada fã, sabendo passar de maneira agradável e divertida uma mensagem positiva e abrindo espaço em cada casa para um debate saudável e proveitoso.

Nossa nota

4,5 / 5,0

E você, o que achou de Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica? Já assistiu esta animação? Caso queira conferir mais conteúdos sobre a Disney aqui no nosso site, clica aqui.

Curte nosso trabalho? Que tal nos ajudar a mantê-lo?

Ser um site independente no Brasil não é fácil. Nossa equipe que trabalha – de forma colaborativa e com muito amor – para trazer conteúdos para você todos os dias, será imensamente grata pela sua colaboração. Conheça mais da nossa campanha no Apoia.se e nos ajude com sua contribuição.

Artigo anteriorCRÍTICA – Quo Vadis, Aida? (2020, Jasmila Žbanić)
Próximo artigoCRÍTICA – Uzumaki (2020, Devir)
Vindo do interior do interior do RS, fã de Cornwell, Zelda e do Fernandão, (péssimo) piadista, dá pitaco sobre quase tudo. Amante da cerveja, gosta de estudar diferentes culturas, leciona FIFA nas horas vagas e tem um cachorro chamado Salomão.